Ácido linoleico conjugado

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde fevereiro de 2008). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou secção está a ser traduzido. Ajude e colabore com a tradução.
c9, t11 conjugated linoleic acid
Alerta sobre risco à saúde
Rumenic acid.svg
Nome IUPAC (9Z,11E)-octadeca-9,11-dienoic acid
Outros nomes Ácido Bovínico, Ácido Rumênico
Identificadores
Número CAS 2420-56-6
PubChem 5280644
SMILES
Propriedades
Fórmula molecular C18H32O2
Massa molar 280.44548
Compostos relacionados
Compostos relacionados ácido linoléico
Excepto onde denotado, os dados referem-se a
materiais sob condições PTN

Referências e avisos gerais sobre esta caixa.
Alerta sobre risco à saúde.

Ácido linoléico conjugado (inglês: Conjugated Linoleic Acid, abreviado como CLA) refere-se a uma família composta por alguns isómeros do ácido linoléico. Encontram-se principalmente na carne e em productos lácteos de ruminantes. São um tipo de gordura trans.

O CLA têm sido bastante utilizado como suplemento alimentar por atletas devido ao seu suposto efeito em aumentar a utilização de gordura pelo organismo e, desta forma, promover o emagrecimento e aumento de massa magra.

Estudos com animais têm demonstrado resultados animadores na redução de gordura corporal.[1] Porém, os estudos em humanos não indicaram a mesma eficiência obtida em ratos. Os melhores resultados em humanos na diminuição da gordura corporal aconteceram naqueles que tinham deficiência de CLA no organismo, como por exemplo pessoas vegetarianas. Os obesos também conseguiram melhores resultados no uso do ácido linoléico conjugado na redução da gordura corporal.

Além de reduzir a gordura corporal, o CLA também poderia ser útil para diabéticos ao ajudar a evitar a hiperglicemia.

Um estudo feito por pesquisadores da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq - USP) analisou a eficácia do ácido linoléico conjugado (CLA, na sigla em inglês), utilizado como suplemento alimentar em humanos devido ao seu efeito no emagrecimento e aumento de massa magra (músculo).

A pesquisa avaliou o efeito da suplementação com o CLA sobre a composição corporal, especialmente no acúmulo de tecido adiposo e de massa muscular, e sobre parâmetros sanguíneos em ratos. O trabalho foi coordenado pela professora Jocelem Mastrodi Salgado.

"Embora a maior parte dos estudos com humanos realizados no mundo sobre o tema, ainda não seja conclusiva, podemos constatar que tem aumentado o consumo do CLA por atletas que buscam elevar a massa magra muscular, muitas vezes sem se preocupar com possíveis efeitos indesejáveis no organismo", disse à Agência FAPESP.

"Devido ao escasso conhecimento científico que aponte os efeitos do CLA na conversão de tecido gorduroso em massa muscular, atletas têm feito uso do produto sem saber se as doses ingeridas causam riscos à saúde", apontou Jocelem.

Esportistas e sedentários[editar | editar código-fonte]

No Departamento de Agroindústria, Alimento e Nutrição da Esalq foram avaliados os efeitos de uma dieta contendo 0,5% de ácido linoléico conjugado em 64 ratos, sendo 32 fêmeas e 32 machos, divididos em grupos com atividades físicas e sedentários.

Foram analisadas variáveis como eficiência alimentar, ganho de peso, teor de gorduras, composição corpórea e biomarcadores sanguíneos como colesterol e triglicerídeos. Também foram feitos exames bioquímicos das fezes dos animais e a pesagem de órgãos como pulmão, coração e fígado.

A análise comparou ainda as diferenças e possíveis interações entre "sexo", "dieta" e "situação", sendo esta última condição empregada para distinguir os animais sedentários dos que praticaram exercício. Os ratos "atletas" foram submetidos a 40 minutos diários de atividade física em uma roda de exercícios automática, com velocidades de 10 a 15 metros por segundo.

Só acompanhado de exercícios[editar | editar código-fonte]

"A suplementação de 0,5% de ácido linoléico conjugado auxiliou na diminuição de gordura corporal e apresentou aumento da massa magra apenas nas fêmeas submetidas às atividades físicas", explicou Jocelem.

A porcentagem de 0,5% de CLA utilizada na dieta dos animais foi determinada com base na literatura científica disponível, uma vez que diversos autores obtiveram resultados satisfatórios em seus experimentos com a mesma quantidade de acido linoléico conjugado

Segundo a pesquisa, a realização de atividade física entre os grupos de ratos suplementados com CLA foi responsável por uma redução de 15% na comparação com os grupos sedentários.

"Diferentemente do que é divulgado em propagandas de suplementos, o estudo mostra que a utilização do ácido linoléico conjugado pelos sedentários não contribui para a transformação de gordura em músculo. Isso ocorreu só nos grupos de animais que utilizaram o CLA e praticaram exercícios, principalmente as fêmeas", explica Jocelem.

Os resultados demonstraram ainda que todos os animais que receberam dieta controle (comum) apresentaram níveis semelhantes de gordura visceral, tanto os que se exercitaram como os demais. Com relação aos alimentados com dieta contendo 0,5% de CLA, os primeiros tiveram um teor de gordura 28% menor do que os sedentários.

Maior efeito nas fêmeas[editar | editar código-fonte]

"Um dos motivos do uso de CLA ter sido mais significativo em fêmeas é que elas têm mais tecido gorduroso para ser transformado em tecido muscular, além de que nas fêmeas houve uma maior redução da lipogênese, a formação de novas células de gordura", disse a professora da Esalq.

Os resultados apontam ainda que, entre os ratos de ambos os sexos, a suplementação com ácido linoléico conjugado influiu beneficamente nos teores de colesterol plasmático e matéria seca e mineral da carcaça dos animais.

"Os machos sedentários suplementados com CLA também apresentam maiores quantidades de gordura na carcaça, enquanto os animais atletas suplementados com CLA apresentam menores teores de gordura visceral", disse.

Os resultados do trabalho de pesquisa, intitulado "Efeito da suplementação com ácido linoléico conjugado (CLA) comercial sobre a composição corporal, parâmetros sanguíneos e formação de ateromas em ratos" devem ser submetidos para publicação em revistas como o The Journal of Nutrition e o Journal of Medicinal Food.

Restrições[editar | editar código-fonte]

"No Brasil, a Anvisa no dia 29/03/2007 publiclou a resolução RE nº 833 que determina a apreensão de todos os lotes do produto Ácido Linoléico Conjugado (CLA).[2] Nenhuma empresa no Brasil tem autorização da Anvisa para fabricar, importar ou comercializar esse produto.

O Ácido Linoléico Conjugado tem sido vendido para praticantes de atividade física com alegações de que o produto auxilia na queima de gordura e no aumento de massa muscular. No entanto, ainda não existem dados que confirmem essas indicações.

Por esse motivo, após avaliar estudos científicos sobre o CLA, que não comprovaram a segurança de uso e a eficácia das alegações, a Gerência-Geral de Alimentos da Agência decidiu indeferir todas as solicitações de registro (sete processos ao longo de três anos) e determinar a apreensão dos produtos que estão no mercado."

Referências

  1. Suplementos alimentares e perda de peso. Revisão Banco de Saúde. Suplementos: Ácido Linoléico Conjugado
  2. ANVISA. Resolução 833. Anvsisa 2007
Ícone de esboço Este artigo sobre Medicina é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.