Água de Pau

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
 Portugal Água de Pau  
—  Freguesia  —
Água de Pau está localizado em: Açores
Água de Pau
Localização de Água de Pau nos Açores
37° 43' 17" N 25° 30' 37" O
País  Portugal
Região Flag of the Azores.svg Açores
Concelho Lagoa, Açores (brasão).png Lagoa
Fundação 1500
 - Tipo Junta de freguesia
Área
 - Total 17,43 km²
População (2011)
 - Total 3 058
    • Densidade 175,4/km2 
Código postal 9560
Orago Nossa Senhora dos Anjos

Água de Pau é uma vila que integra o concelho da Lagoa, na costa Sul da ilha de São Miguel, na Região Autónoma dos Açores, em Portugal. Está situada a cerca de 17 km de Ponta Delgada e a 7 km da sede do concelho.

Apresenta 17,43 km² de área e cerca de 3000 habitantes, com uma densidade populacional de 175,4 hab./km².

Grande parte da sua população dedica-se à agropecuária e à agricultura, sendo também de registar o número daqueles que têm a sua ocupação na construção civil, nos serviços e no comércio. O artesanato tem forte implantação na localidade, sendo de realçar os trabalhos em vime e de tecelagem.

História[editar | editar código-fonte]

No contexto do povoamento do arquipélago dos Açores é uma freguesia muito antiga, constituída em 28 de Julho de 1500.

A fixação dos primeiros habitantes na sua área terá ocorrido devido à presença de nascentes de água potável, por ser atravessada por uma ribeira que serviu como fonte de energia-motriz e, por último, devido ao facto de as suas terras serem férteis e abrigadas.

Sobre ela referiu Gaspar Frutuoso:

"Água de Pau assim chamada porque, segundo alguns, indo por ali os antigos descobrindo a costa do mar, acharam uma ribeira que caía de um alto e não sabiam determinar se era pau, se água, mas chegando mais perto viram ser água que corria por um pau que ali estava derribado.
Mas, segundo outros mais certos, vendo os primeiros descobridores da ilha cair pela rocha a água desta ribeira, curva e arcada, para o mar, lhe parecia pau por onde a água corria, e uns apostavam com os outros que era pau, outros que era água, até que chegando mais perto viram ser ribeira, e pela diferença que tiveram sobre ela, se era pau ou água, ainda que por pau não corria, lhe chamaram Àgua do Pau."[1]

No século XVI, a principal cultura terá sido a do pastel, enquanto que na zona do Paul existiam "pomares de muita fruta" enquanto na da Caloura predominavam a vinha e as figueiras.

A 28 de Julho de 1515, por carta régia de Manuel I de Portugal, Água de Pau foi elevada a Vila.

A Vila de Água de Pau,integrava o povoado de Ribeira Chã. No século XIX, "devido à falta de recursos e de elementos indispensáveis para poder continuar a ter uma administração regular", o concelho de Água de Pau foi extinto por força do decreto de 19 de Outubro de 1853, sendo o seu território incorporado no concelho da Lagoa. Pelo Decreto Legislativo Regional n.º 29/2003/A, de 24 de Junho, a freguesia de Água de Pau reforçou a categoria de "vila", que nunca perdeu.

Do ponto de vista cultural destaca-se a criação, em 1859, da primeira banda de música da localidade, "A União". A banda "Fraternidade Rural", ainda hoje existente, foi criada em 1867 com a designação de "Estímulo Artístico". Hoje, é grande o dinamismo da comunidade pauense na área da cultura, com a actividade das seguintes entidades: o Grupo Jovem Pauense, a Associação Musical "Os Amigos da Paz", o Grupo Musical "Lua Nova", o Grupo "Amantes da Musica", o Grupo de Escoteiros nº 97 da Vila de Água de Pau e ainda o Grupo "Luar de Agosto".

Património edificado[editar | editar código-fonte]

A sua primitiva igreja foi condecorada pelo mesmo soberano com o hábito de Cristo em 1521, tendo sido destruída pelo terramoto de 1522. A sua reconstrução iniciou-se em 10 de Novembro de 1525.

Além da igreja matriz, contou ainda com os seguintes templos, a maioria já desaparecidos:

Em termos de arquitetura militar, contou para sua defesa com o:

Património natural[editar | editar código-fonte]

Personalidades[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. FRUTOSO, Gaspar. Saudades da Terra, Livro IV, 1998. p. 161

Ver também[editar | editar código-fonte]