Álvaro de Bragança

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Brasão de D. Álvaro de Bragança após os seu casamento com D. Filipa de Melo, com as armas dos Bragança e dos Melo.
Brasão dos Duques de Cadaval, descendentes de D. Álvaro

D. Álvaro de Portugal, depois Álvaro de Bragança, por vezes Álvaro de Castro (c. 1440 - 1504) foi o quarto filho varão de D. Fernando I, 2.º Duque de Bragança e de sua mulher D. Joana de Castro, 3ª Senhora de Cadaval e Peral. Foi 4º Senhor de Cadaval e Peral, 1º Senhor de Tentúgal, Póvoa e Buarcos, 5º Senhor de Ferreira de Aves jure uxoris, 4º Senhor de Arega jure uxoris e 2º Senhor da Quinta de Água de Peixes jure uxoris.

Vida[editar | editar código-fonte]

Teve um importante papel durante o reinado de D. Afonso V, sendo nomeado Chanceler do Reino. Tomou parte na expedição organizada pelo rei contra o Reino de Castela (Guerra de Sucessão de Castela) bem como na viagem que, mais tarde, o Rei empreendeu até França.

Casamento e Descendência[editar | editar código-fonte]

No seu regresso a Portugal, casou em Évora em 1479 com D. Filipa de Melo (1460-1516), 5ª Senhora de Ferreira de Aves, 4ª Senhora de Arega e 2ª Senhora da Quinta de Água de Peixes, filha (e rica herdeira) de D. Rodrigo Afonso de Melo, Conde de Olivença, e de sua mulher Isabel de Meneses, de quem teve dois filhos e quatro filhas:

Regresso a Portugal[editar | editar código-fonte]

Quando o Rei D. João II de Portugal sucedeu no trono de Portugal dando início ao seu combate contra a alta aristocracia (nomeadamente os Braganças), D. Álvaro tentou uma aproximação com o rei, embora sem sucesso: o seu irmão mais velho, D. Fernando II, 3º Duque de Bragança foi executado, os bens da família confiscados e a restante família (incluindo D. Álvaro) foi banida do Reino, tendo-se exilado em Castela.

A rainha Isabel I de Castela outorgou a D. Álvaro importantes bens na região de Gelves, sendo nomeado Alcaide de Sevilha e Andújar, participando também na conquista do Reino de Granada chefiada pelos Reis Católicos.

Quando o Rei D. João II morreu, D. Álvaro de Bragança regressou a Portugal, onde o novo rei, D. Manuel I, o nomeou como embaixador especial ao Reino de Castela para negociar o casamento do Rei com a princesa Isabel de Aragão (1470). Mais tarde, negociou também o segundo casamento do rei.

D. Álvaro de Bragança morreu em Toledo e o seu féretro veio a ser transladado para o Convento de S. João Evangelista, em Évora.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • "Nobreza de Portugal e do Brasil" – Vol. II, pág. 439-440. Publicado por Zairol Lda., Lisboa 1989.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.