Álvaro del Portillo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
D. Álvaro del Portillo, Prelado do Opus Dei (1982 - 1994)

Álvaro José Maria Eulogio del Portillo y Diez de Sollano (Madrid, 11 de março de 1914Roma, 23 de março de 1994) foi bispo da Igreja Católica e Prelado da Prelazia da Santa Cruz e Opus Dei. Era Doutor em Engenharia Civil, Filosofia e Letras (História) e em Direito Canônico.

Vida[editar | editar código-fonte]

Era o terceiro de oito filhos. Foram seu pais Ramón del Portillo Pardo e Clementina Diez de Solano Portillo. Pediu admissão no Opus Dei em 7 de julho de 1935[1] , rapidamente converteu-se no mais firme e valioso auxiliar e apoio de São Josemaría Escrivá, fundador do Opus Dei, de quem foi confessor e diretor espiritual desde o dia em que foi ordenado sacerdote em 25 de junho de 1944, e o acompanhou até o dia de seu falecimento em 26 de junho de 1975. Foi um dos três primeiros sacerdotes do Opus Dei, ordenado por D. Leopoldo Eijo y Garay, bispo de Madrid-Alcalá, junto com ele foram ordenados José Maria Hernándes de Garnica e José Luis Músquiz.

A 15 de setembro de 1975 foi eleito primeiro sucessor de S. Josemaria frente ao Opus Dei, foi Secretário Geral do Opus Dei (1940 - 1947 e 1956 - 1975) e era membro do seu Conselho Geral desde 1940 até 1975. Dentre outros órgãos do Vaticano foi consultor da Sagrada Congregação para a Causa dos Santos, da Congregação para o Clero e do Pontifício Conselho para as Comunicações Sociais. Trabalhou no Concílio Vaticano II, primeiro como presidente da Comissão antepreparatória para os Leigos e depois como secretário da Comissão para a Disciplina do Clero e como consultor de outras Comissões. Foi membro da Comissão de Revisão do Código de Direito Canônico que se encontra em vigor, promulgado por João Paulo II.

Brasão de Armas de Álvaro del Portillo

O Papa João Paulo II ao erigir o Opus Dei em Prelazia pessoal, em 28 de novembro de 1982, o fez seu Prelado e, em 6 de janeiro de 1991, sagrou-o bispo titular de Vita. Escolheu como lema do seu escudo episcopal: Regnare Christum volumus!. Não pensava em si mas em servir à Igreja: "único motivo da nossa existência e da existência da nossa Prelatura", repetia.

Em 1985 fundou em Roma o Centro Acadêmico Romano da Santa Cruz que mais tarde foi se tornar na Pontifícia Universidade da Santa Cruz. Durante o seu governo o trabalho da prelazia estendeu-se por vinte novos países. Foi Grão-Chanceler da Universidade de Navarra e da Universidade de Piura, no Peru.

Faleceu no dia 23 de março de 1994, poucas horas depois de retornar de uma viagem de peregrinação à Terra Santa. Neste mesmo dia João Paulo II foi rezar junto de seus restos mortais. Encontra-se sepultado na Cripta da Igreja Prelatícia de Santa Maria da Paz, na sede central do Opus Dei em Roma. Foi sucedido no governo da prelazia por D. Javier Echevarría Rodríguez. Sobre ele afirmou João Paulo II, por ocasião do seu falecimento: "Foi um exemplo de fortaleza, de confiança na providência divina e de fidelidade à sede de Pedro." [2] (Telegrama ao Vigário Geral do Opus Dei, Cidade do Vaticano 23-III-1994).

Causa de canonização[editar | editar código-fonte]

No dia 5 de março de 2004 o então Cardeal Vigário da Diocese de Roma Camillo Ruini presidiu a sessão de abertura do tribunal do Vicariato de Roma que atuará na causa de canonização de D. Álvaro del Portillo, o ato de abertura ocorreu na Sala da Conciliação do Palácio Lateranense. No dia 20 de março do mesmo ano, teve lugar a sessão de abertura do tribunal da prelazia do Opus Dei que também participará da fase de instrução da causa de canonização, este segundo evento teve lugar na Sala Höffner da Pontifícia Universidade da Santa Cruz, em Roma, com a presença de cerca de quatrocentas pessoas.

No dia 28 de junho de 2012, o Vaticano anunciou que lhe tinham sido reconhecidas virtudes heroicas[3] , um passo importante para uma eventual beatificação. Desse momento em diante, Mons. Álvaro del Portillo é denominado "Venerável Servo de Deus". Em 5 de julho de 2013 a Santa Sé, através de um decreto do Papa Francisco reconheceu oficialmente um milagre atribuído à sua intercessão para a cura de um menino chileno chamado José Ignacio Ureta Wilson, após uma parada cardíaca de mais de meia hora, no dia 2 de agosto de 2003. [4] [5]

A Santa Sé estabeleceu o dia 27 de setembro de 2014 como data para a sua beatificação. A cerimônia terá lugar em Madrid, “terra natal” do prelado, e “será presidida pelo prefeito da Congregação das Causas dos Santos, o cardeal Ângelo Amato”. O programa da beatificação prevê ainda a realização de “uma missa de ação de graças”, no dia seguinte, celebrada pelo atual prelado do Opus Dei, D. Javier Echevarría. Para D. Javier a decisão da Santa Sé e do Papa Francisco é motivo "de profunda alegria" e uma distinção justa para um "bispo que tanto amou e serviu a Igreja".[6]

Obras[editar | editar código-fonte]

  • (1968) El celibato sacerdotal en el Decreto Presbyterorum ordinis. Revista Palabra, n. 32.
  • (1969) Fieles y Laicos en la Iglesia. Eunsa. ISBN 9788431301309.
  • (1990) Escritos sobre el sacerdocio. Ediciones Palabra. ISBN 9788471187215.
  • (1982) Descubrimientos y exploraciones en las costas de California, 1532-1650. Ediciones Rialp. ISBN 9788432121890.
  • (1993) Com Cesare Cavalleri. Entrevista sobre el fundador del Opus Dei. Ediciones Rialp. ISBN 9788432129728.
  • (1992) Una vida para Dios: Reflexiones en torno a la figura de Monseñor Josemaría Escrivá de Balaguer. Ediciones Rialp. ISBN 9788432128639.
  • (1988) Com José Morales. Estudios sobre Camino. Ediciones Rialp. ISBN 9788432124532.
  • (1995) Rendere amabile la verità: raccolta di scritti di Mons. Alvaro del Portillo, pastorali, teologici, canonistici, vari. Ateneo Romano de la Santa Cruz,. Città del Vaticano, Libreria Editrice Vaticana, 1ª ed.
  • (1999) I laici nella Chiesa. Sale, luce & fermento. Studi cattolici: mensile di studi e attualità, vol. XLIII, num. 460, pp. 397-

Cronologia[7] [editar | editar código-fonte]

1908[editar | editar código-fonte]

  • 11 de janeiro. Casam-se em Cuernavaca Ramón del Portillo e Clementina Diez de Solano, na paróquia de Nossa Senhora de Guadalupe.

1914[editar | editar código-fonte]

  • 11 de março. Nasce em Madri Álvaro del Portillo y Diez de Solano.
  • 17 de março. Álvaro é batizado na paróquia de São José.

1916[editar | editar código-fonte]

  • 28 de dezembro. Recebe o sacramento da Confirmação na paróquia de Nossa Senhora da Conceição em Madri, ministrado por Mons. Eustaquio Nieto y Martín, Bispo de Sigüenza.

1920[editar | editar código-fonte]

  • Outubro. Começa os estudos elementares no Colégio Nossa Senhora do Pilar, em Madri.

1921[editar | editar código-fonte]

  • 12 de maio. Recebe a primeira comunhão na paróquia da Conceição.

1924[editar | editar código-fonte]

  • Junho/outubro. Presta exame e ingressa no "bachillerato" no Colégio Nossa Senhora do Pilar.

1927[editar | editar código-fonte]

  • 5 de dezembro. Recebe o título do "bachillerato" elementar.

1928[editar | editar código-fonte]

  • 2 de outubro. Fundação do Opus Dei por São Josemaría Escrivá.

1930[editar | editar código-fonte]

  • Junho. Álvaro conclui os estudos de "bachillerato" no Colégio de Nossa Senhora do Pilar.

1931[editar | editar código-fonte]

  • Setembro. Presta exames de "Revalida" da seção de ciências do "bachirellato" universitário, no instituto nacional de ensino secundário Cardeal Cisneros.

1932[editar | editar código-fonte]

  • Junho. É aprovado nos exames de ingresso na Escola de Ajudantes de Obras Públicas.

1933[editar | editar código-fonte]

  • Junho. Termina o primeiro curso da Escola de Ajudantes de Obras Públicas.
  • 16 de junho a 1º. de julho. Supera os exames para ingresso na escola especial de Engenheiros de Estradas. O curso será interrompido até concluir o de Ajudante de Obras Públicas.

1934[editar | editar código-fonte]

  • Começa a participar das Conferências de São Vicente de Paulo.
  • 4 de fevereiro. Sofre uma agressão em Puente de Vallecas, depois de dar umas aulas de catecismo a meninos neste bairro de Madri.
  • 28 de dezembro. Solicita ao Ministério de Obras Públicas uma vaga nos serviços de Obras Hidráulicas de Madri.

1935[editar | editar código-fonte]

  • 8 de janeiro. Conclui o curso de Ajudante de Obras Públicas.
  • Março. Conhece São Josemaría Escrivá.
  • 30 de março. Começa a trabalhar como Ajudante de Obras Públicas na Chefatura de Pontes de Cimentações do Ministério de Obras Públicas.
  • Junho. Conclui o primeiro ano do curso de Engenharia de Estradas.
  • 6 de julho. Encontra-se com São Josemaría pela segunda vez.
  • 7 de julho. Assiste, na residência universitária da Rua Ferraz, a um retiro espiritual pregado por São Josemaría e pede admissão no Opus Dei.

1936[editar | editar código-fonte]

  • 19 de março. Incorpora-se definitivamente ao Opus Dei.
  • 18 de julho. Começa a Guerra Civil Espanhola.
  • 13 de agosto. Milicianos registram a casa da família del Portillo. Álvaro busca refúgio em vários lugares de pessoas e famílias amigas.
  • 7 de outubro. São Josemaría se esconde na Clínica do Dr. Suils e Álvaro, depois de um período na casa de seus pais, muda-se para a embaixada da Finlândia.
  • 3 de dezembro. A guarda de assalto entra nos locais dependentes da embaixada da Finlândia e prende todos os refugiados. É encarcerado na prisão de San Antón, onde é submetido a maus tratos.

1937[editar | editar código-fonte]

  • 29 de janeiro. É posto em liberdade e muda várias vezes de refúgio clandestino, entre outros um hotel e a legação diplomatica do México.
  • 13 de março. É acolhido na legação de Honduras.
  • Agosto. Ocupa-se de fazer a contabilidade da legação de Honduras.
  • 31 de agosto. São Josemaría abandona a legação de Honduras. Durante o mes de setembro, visita a Ramón de Portillo, pai de Álvaro, gravemente enfermo, para atendê-lo espiritualmente.
  • 7 de outubro. São Josemaria se despede de Álvaro na legação e no dia seguinte deixa Madri e foge para a zona da Espanha onde havia liberdade religiosa.
  • 14 de outubro. Morre Ramón del Portillo. Àlvaro não pode abandonar o refúgio para acompanhá-lo.

1938[editar | editar código-fonte]

  • Janeiro a maio. Gestões em várias embaixadas para tentar fugir de Madri.
  • 19 de junho. Isidoro Zorzano escreve dizendo que pode deixar a legação de tentar passar para o lado onde não há perseguição religiosa.
  • 2 de julho. Abandona a legação de Honduras e passa a viver numa pensão na rua Goya. No mesmo dia alista-se no exercito republicano. Por diversas vezes circunstâncias, chegará a ser alistado tres vezes com nomes distintos.
  • 24 de agosto. Incorpora-se a uma Companhia que chega na mesma data em Anchuelo.
  • 29 de agosto. É da estinado à 4a. Companhia de Fusileiros, em Chiloeches.
  • 1º. de setembro. A 4a. Companhia de Fusileiros chega em Fontanar. Obtém licença para passar o 2 de outubro em Madri.
  • 9 de outubro. Chega à linha de frente da guerra.
  • 12 de outubro. Com dois companheiros, deixa a zona republicana e atravessa as linhas de combate passando ao outro lado.
  • 14 de outubro. Chega a Burgos, onde se encontra com São Josemaría.
  • 10 de novembro. Alistado no Exército Nacional, é admitido na Academia de Alféres provisionais de engenheiros, em Fuentes Blancas, próximo a Burgos.

1939[editar | editar código-fonte]

  • 1º. de janeiro. Conclui o curso em Fuentes Brancas e é nomeado Alféres provisional de Engenheiros. Em 10 de janeiro é destinado a Cigales onde chega a 11.
  • 28 de março. As tropas nacionais entram em Madri.
  • 29 de março. Muda-se para Madri onde pode ajudar o Fundador do Opus Dei na sua residência provisória.
  • 1º. de abril. Termina a Guerra Civil.
  • 9 de abril. É destinado a um novo posto militar, em Olot.
  • 7 a 13 de junho. Viaja a Valência, onde S. Josemaría prega um retiro.
  • 28 de julho. É destinado a Madri.
  • 1º. de setembro. Começa a II Guerra Mundial.
  • 3 de setembro. É licenciado do Exército.
  • 5 a 20 de setembro. Viagem a Valência.
  • 10 de outubro. É nomeado Secretário Geral do Opus Dei.
  • 28 de dezembro a 6 de janeiro. Viagem a Zaragoza, Barcelona e Valência.

1940[editar | editar código-fonte]

  • Faz diversas viagens a Zaragoza, Vitória, Barcelona, Valência, Àvila, Murcia e Alicante.
  • 13 de março. Conclui o terceiro ano de engenharia.
  • Setembro. Conclui o quarto ano de engenharia.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • AZEVEDO, Hugo de. Missão cumprida: biografia de Álvaro del Portillo. Lisboa: DIEL, 2008
  • BAYO, Javier Medina. Álvaro del Portillo. Un hombre fiel. Madrid: RIALP, 2013, 5ª ed. castelhana. ISBN 978-84-321-4241-3
  • BERNAL, Salvador. Recuerdo de Álvaro del Portillo, prelado del Opus Dei. Madrid: RIALP, 1996.
  • BERNAL, Salvador. Álvaro del Portillo. Lisboa: DIEL, 1999 (Tradução de Fernanda Real). ISBN 972-8040-35-0
  • BERNAL, Salvador. Alvaro del Portillo. Scepter Publishers. (August 1999) Spanish biography of Msgr. del Portillo. ISBN 1-889334-18-9
  • BOSCH, Vicente. Servo buono e fedele. Scritti sulla figura di Mons. Alvaro del Portillo. Libreria Editrice Vaticana, 2001.
  • UNIVERSIDADE DA SANTA CRUZ, Pontifícia. Atto Accademico in memoria di S. E. R. Mons. Álvaro del Portillo. Roma: USC, 1996.
  • UNIVERSIDADE DA SANTA CRUZ, Pontifícia. Servo buono e fedele: scritti sulla figura di Mons. Álvaro del Portillo. Cidade do Vaticano: Libreria Editrice Vaticana, 2001.

Verbetes em Enciclopédias e Dicionários[editar | editar código-fonte]

  • Gran Enciclopedia Rialp (GER),XVIII, Rialp, Madrid, 1974, pp. 800-802.
  • Diccionario enciclopédico Labor, Suplmento IX, Labor, Baracelona, 1978, p.634.
  • Heráldica: Guía de Sociedad, 1978, pp. 1113-1114.
  • Quién es quién en las letras españolas, Instituto Nacional del Libro Español, Madrid, 1979, p. 829.
  • Gran Enciclopedia Larousse em diez volúmens, Suplemento, Planeta, Barcelona, 1979, p. 829.
  • Nueva Larousse P45, XXX, Larousse, Barcelona, 1980, p.9351.
  • Diccionario Enciclopédico Salvat Universal, XVI, Salvat, Barcelona-Madrid-Buenos Aires, 1981, p.463.
  • 100 vascos de proyección universal originarios, La gran enciclopédia vasca, Bilbao, 1981, pp. 347-349.
  • Biografías, Rialp, Madrid, 1982, p.144.
  • Dicionario enciclopédico Espasa, X, Espasa Calpe, Madrid, 1984, p. 283.
  • Gran Enciclopedia de Madrid, Castilla-La Mancha, X, Union Aragonesa del Libro, Zaragoza, 1988, p. 2584.
  • Diccionario Enciclopédico Salvat, Salvat, Barcelona, 1988, p. 3044.
  • Apéndice Larousse, Larousse, Barcelona, 1992, p.692.
  • Enciclopèdia Catalana, Barcelona, 1992, p.254.
  • Gran Enciclopedia Larousse GEL, Suplemento II, Planeta, Barcelona, 1993, p. 739.
  • Grandes biografias ilustradas, II Planeta-De Agostini, Barcelona, 1994, p.530.
  • New Catholic Encyclopedia, Shaw, Russel B., em Heraty, Jack (ed.), Catholic University of América, Washington, D. C., 1996, p. 325-317.
  • Enciclopedia Larousse, Larousse, Barcelona, 1988, p. 9352.
  • Juristas del s. XX: de Kelsen a Rawls, IV, Marcial Pons, Madrid, 2004, pp. 778-779.
  • Diccionario crítico de juristas españoles, portugueses y latino-americanos (hispânicos, brasileños, quebequenses y restantes francófonos), Cátedra de Historia del Derecho y de las Instituciones (Departamento de Derecho Privado Especial. Facultad de Derecho. Universidad de Málaga), Zaragoza - Barcelona, 2006, pp. 335-339.
  • Galería de personajes españoles, Egartorre, Arganda del Rey, 2007, p. 526.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Galeria de fotos[editar | editar código-fonte]

  • Galeria de fotos [5]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. BAYO, Javier Medina. Álvaro del Portillo. Un hombre fiel. Madrid: RIALP, 2013, 5ª ed. castelhana, p. 727
  2. [1] Telegrama ao Vigário Geral do Opus Dei, Cidade do Vaticano 23-III-1994.
  3. Decrees of the Congregation for the Causes of Saints (em inglês) NEWS.VA. Página visitada em 28 de junho de 2012.
  4. [2] O milagre de D. Álvaro
  5. Notícia sobre o decreto que reconhece milagre de Mons. Portillo em Vatican Information Service [3]
  6. [4] Agencia Ecclesia. Vis. 27.Jan.2104.
  7. BAYO, Javier Medina. Álvaro del Portillo. Un hombre fiel. Madrid: RIALP, 2013, 5ª ed. castelhana, p. 695.

{esboço-bispo}