Ángel Maturino Reséndiz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo.
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Editor: considere colocar o mês e o ano da marcação. Isso pode ser feito automaticamente, substituindo esta predefinição por {{subst:rec}}
Angel Maturino Reséndiz
Ángel Maturino Reséndiz
Nome Angel Maturino Reséndiz
Nascimento 01 de agosto de 1960
Izúcar de Matamoros, Puebla, México
Morte 27 de junho de 2006 (45 anos)
Hunstville, Texas, Estados Unidos
Nacionalidade México mexicana
Pseudônimo(s) - O Assassino da Estrada de Ferro
- Assassino da Ferrovia
Crime(s) - Assassinatos
- Estupro
Pena Execução por injeção letal na prisão de Hunstville.
Situação Morto

Angel Maturino Reséndiz, também conhecido como O Assassino da Estrada de Ferro, ou Assassino da Ferrovia (1 de Agosto de 195927 de Junho de 2006) foi um serial killer, executado no estado americano do Texas. Um imigrante ilegal vindo do México, que vagava pelos Estados Unidos em trens de carga como meio de transporte, cometendo neste período um total de 24 assassinatos. Por seus crimes em série, em 21 de Junho de 1999 ele tornou-se o 457º fugitivo incluído pelo FBI na lista dos Dez foragidos mais procurados pelo FBI na década de 1990.

Ele tinha 39 anos de idade quando foi preso em Julho de 1999. Era mais conhecido até esta data, sob o pseudónimo Rafael Resendez-Ramirez, mas, tinha ainda outros trinta nomes que utilizava. Um desses, Ángel Reyes Reséndiz estava muito próximo ao nome registrado em sua certidão de nascimento encontrada em Izúcar de Matamoros, Puebla: Ángel Leoncio Reyes Recendis [2].

Metodologia e assassinatos[editar | editar código-fonte]

Ele evitou as autoridades por um tempo razoavel, sem endereço fixo, e viajando de forma ilegal entre o México, os Estados Unidos, e o Canada até ser capturado. Moradores locais das áreas de Benton e onde os Sirnics foram assassinados temiam que ele pudesse reaparecer, especialmente aqueles que viviam próximos às estações de trem.

Reséndiz matou por volta de 15 pessoas [1] com pedras e outros objetos que encontrava pelo chão, muitas vezes em suas próprias residências. Após cada assassinato ele passava um tempo em suas casas, por vezes para comer algo, pegava objetos pessoais e bisbilhotava suas carteiras de motorista para aprender um pouco sobre as vidas de quem ele acabara de tirar. Ele roubava joias e outros itens que enviava para sua esposa no México. Muitas das jóias eram derretidas ou simplesmente vendidas. Muitos dos itens que eram levados foram enviados a sua esposa antes de sua captura. Dinheiro, contudo, era muitas vezes deixado de lado. ele estuprou algumas de suas vítimas do sexo feminino; mas o estupro não era sua principal intenção. Muitas de suas vítimas foram encontradas envoltas por um cobertor, ou tiveram seus corpos recobertos, evitando assim, sua visualização imediata.

Vítimas[editar | editar código-fonte]

As seguines mortes são atribuídas a Reséndiz:

1 e 2. 23 de Março de 1997, Ocala, Florida, Jesse Howell, 19 anos. Ele foi espancado até a morte com o engate de uma mangueira de ar e deixado ao lado dos trilhos. Sua noiva Wendy Von Huben, 16 anos, foi estuprada, estrangulada, sufocada e enterrada em uma cova em Sumter County, Florida, aproximadamente 50 km dali. [2]

3. 29 de Agosto de 1997, Lexington, Kentucky, Christopher Maier, 21 anos. Um estudante da Universidade do Kentucky junto com sua namorada Holly caminhavam próximos aos trilhos, quando os dois foram atacados por Reséndiz, que espancou Maier até a morte. Reséndiz estuprou e espancou severamente a garota, que por sorte conseguiu sobreviver. Holly, a única vítima sobrevivente, apareceu no programa de televisão "Eu sobrevivi," do Biography channel e por consequência acabou ajudando outras vítimas de estupro, assédio sexual e outros crimes.

4. 4 de Outubro de 1998, Hughes Springs, Texas, Leafie Mason, 81 anos. Ela foi espancada até a morte com um antigo ferro de passar por Reséndiz, que desta vez havia entrado pela janela. À cinquenta metros de sua porta ficava a estação ferroviária Kansas City-Southern.

5. 17 de Dezembro de 1998, West University Place, Texas, Claudia Benton, 39 anos. Benton, uma pediatra neurologista da Faculdade Baylor de medicina, foi estuprada, apunhalada e espancada repetidamente após ele ter entrado em sua casa, próxima à estação de trens Union Pacific. A polícia encontrou seu Jeep Cherokee em San Antonio onde foram também encontradas as digitais de Reséndiz na direção do veículo. Após o assassinato, Reséndiz tinha um mandado de prisão por roubo, mas não por homicídio.

6 e 7. 2 de Maio de 1999, Weimar, Texas, Norman J. Sirnic, 46 anos, e Karen Sirnic, 47 anos. Os Sirnics foram espancados até a morte com uma marreta na pastoral da United Church of Christ, onde Norman Sirnic era pastor. O prédio ficava localizado próximo a estrada de ferro. O Mazda vermelho dos Sirnics foi também encontrado em San Antonio três meses depois, e as digitais do caso foram ligadas as do caso Claudia Benton.

8. 4 de Junho de 1999, Houston, Texas, Noemi Dominguez, 26 anos. Dominguez, professor da Benjamin Franklin Elementary School em Houston Independent School District, foi espancado até a morte em seu apartamento próximo a linha ferrea. Sete dias depois, seu Honda Civic branco foi descoberto por tropas do estado na ponte International Bridge em Del Rio, Texas.

9. 4 de junho de 1999, Fayette County, Texas, Josephine Konvicka, 73 anos. Konvicka foi morta com um golpe certeiro na cabeça enquanto dormia despreocupada. Sua fazenda não ficava distante de Weimar. Reséndiz ainda tentou roubar seu carro, mas deixou o veículo de lado quando não conseguiu encontrar suas chaves.

10 e 11. 15 de junho de 1999, Gorham, Illinois, George Morber Senior, 80 anos, e Carolyn Frederick, 52 anos. Reséndiz baleou George Morber com uma arma de fogo e golpeou Carolyn Frederick até a morte. Sua casa estava localizada a àpenas 90m de distancia da linha ferrea. Logo após, um observador afirmou ter visto um homem com a descrição de Reséndiz dirigindo a picape vermelha de Carolyn Frederick em Cairo, Illinois, que está localizada 100 km ao sul de Gorham.

12. Reséndiz é suspeito da morte de Fannie Whitney Byers, 81, encontrada em 10 de Dezembro de 1998, golpeada até a morte em sua casa localizada em Carl, Georgia próxima a estação ferroviaria. Um rapaz de Lexington foi acusado dos assassinatos em Barrow County, mas Reséndiz confessou a um agente do FBI que matou os Byers.[3]

13. Numa quarta feira, 12 de Abril de 2006, o Departamento de policia de San Antonio anunciou ter finalmente resolvido o caso Michael White, que foi encontrado morto com vários tiros de revolver em 1991 no quintal de uma casa vazia no centro de San Antonio. De acordo com a policia de San Antonio, Ángel Reséndiz lhes deu detalhes precisos do assassinato, e foi declarado como primeiro suspeito.[4]


Prisão e julgamento[editar | editar código-fonte]

A polícia localizou a irmã de Reséndiz, Manuela. Manuela temia que seu irmão pudesse matar alguém mais ou ser morto pelo FBI, então decidiu ajudar a policia. Um Texas Ranger, Drew Carter, acompanhado por Manuela e um guia espiritual encontram Reséndiz sobre uma ponte que ligava El Paso, Texas, à Ciudad Juárez, Chihuahua.

Reséndiz decidiu então entregar-se.

Em 1999, antigo procurador-geral do Texas Jim Mattox — desconfiam da controvérsia em meio as muitas confissões e retratações por Henry Lee Lucas — - comentou Reséndiz "espero que não comece a cair sobre mim todos os crimes que acontecem perto de uma ferrovia."[5]

Saúde mental[editar | editar código-fonte]

Em 21 de Junho de 2006, um juiz de Houston determinou que Reséndiz era mentalmente competente para ser executado. Após dada a sentença, Reséndiz disse: "Eu não acredito na morte. Sei que o corpo no final não passa de um monte de detritos. Mas eu, como pessoa, sou eterno. Vou estar vivo para sempre. " Ele também descreveu-se como meio-homem e meia anjo e disse aos psiquiatras que não poderia ser executado porque não acreditava que poderia morrer.


No entanto, declarações como estas levaram especialistas a concluir em sentido contrário - que Reséndiz não tinha competência para ser executado. Nas palavras de um bilíngue psiquiatra que avaliara Reséndiz em duas ocasiões, em 2006, " Os delirios de [Reséndiz] haviam tomado completamente seus processos de pensamento."[6]

Morte[editar | editar código-fonte]

Ángel Maturino Reséndiz recebeu a data de sua execução, mesmo com um recurso pendente no 5º Tribunal de Apelos Americano. Teve sua pena de morte assinada pelo assassinato de Claudia Benton.

Ele foi executado em Huntsville, Texas, em 27 de Junho de 2006, com uma injeção letal. Em sua declaração final, Reséndiz disse: "Eu quero perguntar se está em seu coração para me perdoar. Você não precisa. Sei que permiti que o diabo governasse minha vida. Acabei de lhe pedir para me perdoar e pedi ao Senhor, que me perdoe por permitir que o diabo me. agradeço a Deus por terem paciência comigo. Eu não mereço lhe causar dor. você não merece isso. Eu mereço o que estou passando". Reséndiz foi tido como morto às 8:05 da manhã CDT (01:05 UTC em 28 de Junho de 2006).[7] O marido de Claudia Benton George estava presente na execução e disse: Reséndiz era o "mal contido na forma humana, uma criatura sem alma, sem consciência, sem sentimento de remorso, no que diz respeito à santidade da vida humana."[8]

Mídia[editar | editar código-fonte]

O caso Ángel Maturino Reséndiz foi documentado em dois documentários,

"Crime Stories" no Discovery Channel e Biography Channel.

"The FBI Files:Tracks of a Killer". (2003)

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

(em inglês):