Árvore da Ciência do Bem e do Mal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pintura de Paul Gauguin, Paris - Eva e árvore da ciência

A árvore da Ciência do Bem e do Mal[1] é citada na Bíblia, nos capítulos iniciais do livro do Gênesis, correspondendo a um importante elemento da criação segundo a crença judaico-cristã. — Gên 2:9, 16, 17; 3:1-24. No Jardim do Éden, Deus utilizou duas árvores com objetivos simbólicos: a "árvore da vida" e "a árvore da Ciência do Bem e do Mal". Não respeitar o decreto de Deus referente a esta última árvore teria resultado na queda do homem.[2]

Também conhecida como Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal, ou simplesmente Árvore da Ciência, foi plantada, segundo o relato bíblico, no Jardim do Éden, tendo seus frutos sido proibidos ao homem por Deus. Segundo o mesmo relato, após ser interpelada pela serpente, a mulher (Eva), desobedecendo a ordem de Deus, come do fruto, oferecendo posteriormente ao homem (Adão), que também o come, provocando o que se chama de pecado original da humanidade.

O fruto proibido[editar | editar código-fonte]

Várias tradições fazem referências ao fruto proibido de diversas maneiras:

  • Símbolo de relações sexuais representadas por uma “maçã”;
  • Como significando o reconhecimento do certo e do errado;
  • Como conhecimento adquirido por se alcançar a madureza por experiência;
  • Símbolo do direito que o Criador do homem teria de especificar aos seres humanos o que é “bem” e o que é “mal”, exigindo a prática do que é bom e a rejeição do que é mal, a fim de continuarem aprovados por Ele.
  • Como a ciência propriamente dita - com as descobertas científicas, o homem deixa seu estado natural de equilíbrio com a natureza e passa a ter que trabalhar para garantir a sua sobrevivência. No jardim do Éden o ser humano não precisava trabalhar; quando Deus expulsa o homem do Paraíso devido ao fato de Adão e Eva terem comido o fruto, ele os amaldiçoa afirmando que a partir daquele momento terão que trabalhar pelo seu sustento. Outra passagem do Gênesis que demonstra este fato é quando é afirmado que os filhos de Adão e Eva após a saída do Éden, Caim e Abel, eram, respectivamente, agricultor e pastor.

Muitos acreditam que após comer do fruto do conhecimento do bem e do mal, é criado um pecado que faz com que os seus olhos se tornem capazes de aprender a maldade, por isso o termo "seus olhos foram abertos"' e este mesmo pecado separa o homem do seu criador.

Ainda outros argumentam que em vista da ordem de ‘serem fecundos e tornarem-se muitos, e de encherem a terra’ [3] , o fruto da árvore não poderia ser o símbolo de relações sexuais, visto que esta seria a única maneira de haver procriação. Também há a argumentação de que não podia significar apenas a faculdade de reconhecer o certo e o errado, porque a obediência à ordem de Deus exigia esta discriminação moral. Quanto a referir-se ao conhecimento obtido ao atingir a madureza, argumenta-se que não seria pecado por parte do homem atingir este estágio, nem lógico que seu Criador o obrigasse a continuar imaturo.

A Árvore do Bem e do Mal figura na Bíblia como um simbolismo colocado, sob forma física, à Adão e Eva, onde a aceitação desta (isto é, o comer do seu fruto) seria o "assinar embaixo" da humanidade em aceitar o pecado, enquanto que o não-fazê-lo seria o aceitar estar com Deus. Por consequência, tem-se que o mal, na prática, já existia, tendo vindo com a queda de Lúcifer à Terra descrita no capítulo 12 de Apocalipse; o fruto da árvore apenas seria a porta de entrada para que este mal entrasse também na vida do ser humano. Sob certo ponto de vista, a desobediência do homem aos mandamentos de Deus deve ter sido o primeiro pecado oficial da humanidade, no entanto sob outro aspecto foi o de sucumbir à tentação que veio primeiro, uma vez que, antes de cometer a desobediência em si (o comer do fruto), Eva já havia sucumbido à tentação para, então, descumprir.

Muitos simbolizam a maçã como o fruto proibido, mas não há relatos na Bíblia de que isso seja verdade. Tudo que os homens não entendem, tendem a dizer: existe um significado simbólico, é mais fácil do que descobrir a verdade. Haverá realmente planta que de o conhecimento do bem do mal.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Por que Deus colocou a árvore do conhecimento do bem e do mal no meio do Jardim? (em português) estudobiblico.org. Visitado em 18 outubro 2014.
  2. Knight 1990, p. 930, Tree of Knowledge.
  3. Gênesis 1:28

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Árvore da Ciência do Bem e do Mal