Árvore de Campainhas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A árvore de campainhas é um estandarte tradicional representativo de bandas militares. Chegou à Europa através dos turcos, nas guerras contra os austríacos do século XVII. Inicialmente como um cobiçado troféu de guerra, devido a estar associada aos Janízaros, tropa especial do Império Otomano. Havia tanto empenho em adquiri-las, que ocasionaram abusos; sendo então estabelecido um máximo de oito árvores para a infantaria, e vedado o seu uso pela cavalaria. Originando-se aí a tradição de ser portada exclusivamente por tropas que combatem a pé.
Os primeiros exércitos a adotarem foram o austríaco e o polonês. No século XVIII o uso se estendeu ao exército francês e inglês; copiado a seguir por outras nações. No Brasil chegou após terem sido adotadas em Portugal, no início do século XIX.

Árvore de campainhas da Banda de Música da Polícia Militar do Paraná - 1868.

Aspecto[editar | editar código-fonte]

Compõem-se basicamente de um suporte ricamente adornado, com pingentes e símbolos orientais, fixo a uma haste com mola, com uma esfera de lastro para intensificar o som das campainhas. O porte dessa peça exige um militar com constituição robusta, pois o peso pode alcançar até dez quilos, com uma haste de até dois metros de comprimento.

Denominações em outros idiomas

  • Schellenbaum (alemão);
  • Chapeaux Chinois (francês);
  • Shell Trees, Jingling Johnnie, Pavillon Chinois, ou Turkish Crescent (inglês);
  • Chinesco (espanhol);
  • Cappello Chinese (italiano).

Evolução[editar | editar código-fonte]

Com intensificação do nacionalismo europeu os estandartes passaram a representar uma simbologia nacional; sendo abolidos os ornamentos orientais, possivelmente devido à simbologia islâmica. Na Alemanha (em 1902) o Imperador Guilherme II ordenou a padronização das árvores de campainhas; passando a ser usada a águia alemã na extremidade da haste, e crineiras com as cores nacionais, além de outros distintivos. Essas alterações são mantidas até hoje, e os países que a adotaram depois dessas mudanças, particularmente os sul-americanos, herdaram essa tardia versão alemã.
No Brasil as árvores de campainhas entraram em desuso com a República; substituídas por hastes com liras e teclado central, no qual o portador dava acompanhamento à música. No período recente foram reativadas, infelizmente foi adotado o exótico modelo alemão.

Árvore de campainhas em museu de Rastatt - Alemanha.

Exemplares preservados[editar | editar código-fonte]

No Brasil

Em Portugal

Referências[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]