Ângelo Antônio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ângelo Antônio
Nome completo Ângelo Antônio Carneiro Lopes
Nascimento 4 de junho de 1964 (50 anos)
Curvelo, Minas Gerais
 Brasil
Ocupação ator
Cônjuge Letícia Sabatella (1991 - 2003)
Atividade 1986 - presente
IMDb: (inglês)


Ângelo Antônio (Curvelo, 4 de junho de 1964) é um premiado ator brasileiro, vencedor do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro e Prêmio APCA.

Seus personagens mais famosos foram: Alcides em Pantanal, Guilherme "Beija Flor" em O Dono do Mundo, Adelmo em Suave Veneno, Professor Edmundo em O Cravo e a Rosa, Francisco em 2 Filhos de Francisco, Eduardo em Alma Gêmea e Chico Xavier no filme homônimo.

Sua carreira inicia-se em 1986 no teatro com a peça "Aurora da Minha Vida". Na Televisão, seu primeiro trabalho foi Pantanal em 1990.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Ângelo começou a estudar teatro no CPT - Centro de Pesquisa Teatral. Logo após entrou na EAD - Escola de Arte Dramática - da USP, onde, com Gabriel Vilella, realizou a sua primeira peça teatral chamada "Aurora da Minha Vida" em 1986.[1]

Dois anos e meio depois, recebeu um convite de Ulysses Cruz para participar do grupo "Boi Voador", realizando obras como "Despertar da Primavera". Depois veio a "Cerimônia do Adeus" de Ulysses Cruz, obra vencedora do Prêmio APCA. Seguiram-se, "Tamem" de Paulo Afonso Grisoli, "Não Flor Nem Fera" de Angela Barros, "A Lista de Alice" de Elias Andreatto; monólogo indicado ao Prêmio Shell, "A Prova" e "O Continente Negro", ambos de Aderbal Freire Filho, este último, no qual ele interpreta seis personagens,[1] muito elogiado pela crítica. [nota 1]

Em 1990 alcança projeção nacional ao integrar o elenco da novela "Pantanal" na extinta TV Manchete, que lhe valeu o prêmio de revelação masculina da TV pela APCA. No ano seguinte, ainda na "Manchete", faz a minissérie "O Farol". Ainda em 1991 transfere-se para a Rede Globo, atuando em "O Dono do Mundo" como o personagem "Beija-Flor", um de seus principais trabalhos na televisão. Participa ainda de alguns episódios do Você Decide até 1993.

Em 1994 retorna a TV Manchete, onde participa de 74.5 - Uma Onda no Ar. No ano seguinte volta a TV Globo, onde integra o elenco de "Engraçadinha, Seus Amores e Seus Pecados". Em 1999, depois de oito anos, participa novamente de uma "novela das oito"; Suave Veneno, no qual interpreta um ex-presidiário que acaba por se envolver com a principal vilã da telenovela, protagonizando cenas ardentes com Letícia Spiller. Em 2000, alcança êxito em O Cravo e a Rosa como o tímido Professor Edmundo. Em 2003, participa da minissérie "A Casa Das Sete MUlheres" e, em 2004, de outra minissérie, Um Só Coração.

Retorna a TV em 2005 na novela "Alma Gêmea", uma das maiores audiências do horário das seis. Em 2006, atua em Páginas da Vida, em 2007, em Duas Caras. No ano de 2008, participa do seriado Casos e Acasos. Em 2009, faz par romântico com Paula Burlamaqui em Cama de Gato. Em 2010, faz uma participação especial em Araguaia e no seriado As Cariocas. No ano seguinte, outra novela, A Vida da Gente. Em 2012, participa de um dos episódios de As Brasileiras e, em 2013, interpreta um monge budista em Joia Rara.

No cinema, participa de filmes como "Bela Donna" (1998) e O Tronco (1999). Em 2005, ganha destaque nacional ao interpretar o Pai de Zezé di Camargo e Luciano Camargo em 2 Filhos de Francisco, recebendo o Prêmio de Melhor Ator, pela APCA (Associação Paulista dos Críticos de Arte) e Prêmio de Melhor Ator, no Grande Prêmio do Cinema Brasileiro. Em 2010, volta a se destacar no filme Chico Xavier, onde interpreta o personagem título em sua fase jovem.

Em 2011 grava Entre Vales lançado em circuito comercial em 2014, filme independente no qual ele interpreta o principal personagem. Participa de "Deserto Azul", filme independente de ficção científica dirigido por Eder Santos.

Vida Pessoal[editar | editar código-fonte]

Foi casado com a atriz Letícia Sabatella, com quem tem uma filha, Clara. Os dois conheceram-se nas gravações de O Dono do Mundo em 1991, acabaram por casar-se no mesmo ano.[2] .

Namorou com as atrizes Vitória Frate,[3] Juliana Didone[4] e Andreia Horta.[5]

Prêmios[6] [editar | editar código-fonte]

Grande Prêmio do Cinema Brasileiro[editar | editar código-fonte]

  • 2013 - Indicado - Melhor Ator Coadjuvante (À Beira do Caminho)
  • 2011 - Indicado - Melhor Ator (Chico Xavier)
  • 2007 - Venceu - Melhor Ator - (2 Filhos De Francisco - A História De Zezé Di Camargo & Luciano)

Prêmio Contigo Cinema[editar | editar código-fonte]

  • 2011 - Indicado - Prêmio do Júri: Melhor Ator Coadjuvante (Não se Pode Viver sem Amor)
  • 2010 - Indicado - Prêmio do Júri: Melhor Ator Coadjuvante (Sonhos Roubados)
  • 2006 - Venceu - Prêmio do Público: Melhor Ator (2 Filhos De Francisco - A História De Zezé Di Camargo & Luciano)
  • 2006 - Indicado - Prêmio do Júri: Melhor Ator (2 Filhos De Francisco - A História De Zezé Di Camargo & Luciano)

Prêmio Qualidade Brasil[editar | editar código-fonte]

  • 2011 - Indicado - Melhor Ator (Chico Xavier)
  • 2005 - Venceu - Melhor Ator: Rio de Janeiro (2 Filhos De Francisco - A História De Zezé Di Camargo & Luciano)
  • 2005 - Venceu - Melhor Ator: São Paulo (2 Filhos De Francisco - A História De Zezé Di Camargo & Luciano)

Associção Paulista dos Críticos de Arte[editar | editar código-fonte]

  • 2006 - Venceu - Melhor Ator (2 Filhos De Francisco - A História De Zezé Di Camargo & Luciano)
  • 1991 - Venceu - Televisão: Melhor Revelação Masculina (Pantanal)

Outros[editar | editar código-fonte]

Festival Ibero-americano de Cinema de Sergipe
  • 2013 - Venceu[7] - Melhor Ator (Entre Vales)

Carreira[editar | editar código-fonte]

Televisão[editar | editar código-fonte]

Cinema[editar | editar código-fonte]

Teatro[editar | editar código-fonte]

  • 1986 - Aurora da Minha Vida, de Naum Alves de Souza, direção de Celso Frateschi
  • 1988 - O Despertar da Primavera, de Frank Wedekind, direção de Ulysses Cruz
  • 1988 - A Cerimônia do Adeus, de Mauro Rasi, direção de Ulysses Cruz
  • 1992 - Não Flor, Nem Fera, de Paulo Carneiro Lopes, direção de Ângela Barros
  • 1997 - A Lista de Alice, de Herbert de Souza, direção de Elias Andreato
  • 2002 - A Prova, de David Auburn, direção de Aderbal Freire-Filho
  • 2007 - O Continente Negro, de Marco Antonio de La Parra, direção de Aderbal Freire-Filho

Referências

Notas

  1. O Continente Negro: No Nelson Rodrigues, um teatro dramático escrito em forma de contraponto. Por Barbara Heliodora

Ligações externas[editar | editar código-fonte]