Éditos de Ashoka

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Distribuição dos Éditos da Ashoka[1]

Os Éditos de Ashoka é uma coleção de 33 inscrições nos Pilares de Ashoka, bem como em pedras e paredes de cavernas, feita pelo imperador Ashoka da dinastia Maurya, durante o seu reinado de 269 aC a 231 aC.

Essas inscrições estão dispersas por todas as áreas da moderna Bangladesh, Índia, Nepal e Paquistão e representam a primeira evidência tangível do Budismo. Os éditos descrevem em detalhes a primeira ampla expansão do Budismo através do patrocínio de um dos reis mais poderosos da história indiana. De acordo com os éditos, a extensão de proselitismo budista durante este período chegou tão distante como no Mediterrâneo, e muitos monumentos budistas foram criados nesses lugares.

Essas inscrições proclamam a crenças de Ashoka no conceito budista de Dharma e seus esforços para desenvolver o dharma em todo o seu reino. Embora o budismo e o Buddha são mencionados, os éditos focam em preceitos sociais e morais, em vez de específicas práticas religiosas ou da dimensão filosófica do budismo.

Nessas inscrições, Ashoka refere-se a si mesmo como o "Amado dos Deuses" e "King Priya-darshi". A identificação do rei Priya-darshi com Ashoka foi confirmada por uma inscrição descoberta em 1915 por C. Beadon em Maski, num vilarejo no distrito de Raichur no estado de Karnataka. As inscrições encontradas no leste da Índia foram escritos no idioma Magadhi, usando a escrita Brahmi.

Na parte ocidental da Índia, a linguagem usada está mais perto de sânscrito, usando a escrita Kharoshthi, e uma parte do édito 13 é escrito em língua grega, sendo um édito bilíngüe em grego e aramaico. Estes éditos foram decodificados pelo arqueólogo e historiador britanico James Prinsep.

As inscrições giram em torno de alguns temas recorrentes: a conversão da Asoka para o budismo, a descrição de seus esforços para difundir o budismo, seus preceitos morais e religiosos, e seu programa social.

Conversão da Asoka[editar | editar código-fonte]

Édito de Ashoka em Maski, no dist. de Raichur, Karnataka. Este édito confirma o nome de Ashoka como o "Devanampiya Piadassi".
Fragmento do sexto Pilar dos Éditos de Ashoka (238 aC), em Brahmi, arenitos. Museu Britânico.

Ashoka explica que ele se converteu ao budismo por remorso a sua conquista da Kalinga cerca 264dC. no leste da Índia (próximo ao atual estado de Orissa):

O amados dos Deuses, Rei Piyadasi, conquistou os Kalingas oito anos depois de sua coroação. Cento e 50 mil foram deportados, cem mil foram mortos e muitos mais morreram (por outras causas). Após a Kalinga ser conquistada, o amado dos Deuses, veio a sentir uma forte inclinação para o Dhamma, um amor para o Dhamma e para instruir em Dhamma. Agora o amado dos Deuses sente profundo remorso por ter conquistado a Kalinga. Édito na rocha Nb13 (S. Dhammika)


Após sua conversão, Ashoka viajou por toda a Índia e visitou locais budistas sagrados, onde normalmente erguia um pilar com suas inscrições:

Vinte anos após sua coroação, o amado dos Deuses, Rei Piyadasi, visitou este lugar e rezou porque aqui o Buda, o sábio dos Sakyas, nasceu. Ele tinha uma figura de pedra e um pilar configurando o e porque o Senhor nasceu aqui, a aldeia de Lumbini foi isentos de imposto e obrigada a pagar apenas um oitavo do produto. Menores Pillar Edito NB1 (S. Dhammika)


Proselitismo de Ashoka[editar | editar código-fonte]

A fim de propagar a fé budista, Ashoka, explicou que ele enviou emissários para os reis helénicos, no Mediterrâneo, e para os povos em toda a Índia, afirmando que eles foram todos convertidos para o Dharma como resultado. Ele cita os nomes dos governantes gregos da época, herdeiros da conquista de Alexandre, o Grande, a partir de Bactria até a Grécia e a África do Norte, mostrando uma espantosa compreensão da situação política na época.

Proselitismo além da Índia[editar | editar código-fonte]

Proselitismo Budista na época do rei Ashoka (260218 BCE)

Não está claro, pelos registros helénicos da época, se esses emissários foram efetivamente recebido, ou tiveram qualquer influência sobre o mundo helênico. Alguns estudiosos, no entanto, apontam para a presença de comunidades budistas no mundo helênico a partir desse momento, em especial em Alexandria (citado por Clemente de Alexandria ). A ordem pré-cristã monástica de Therapeutae pode ter se inspirado, pelo seu estilo de vida ascético, pelo contato com o monaquismo budista, embora a fundação e as Escrituras sejam judaicas.

Lápides budistas do Período Ptolemaico foram encontrados em Alexandria, decoradas com representações do "Dharmacakra|Wheel of the Law".[2] Comentando sobre a presença de budistas em Alexandria, alguns estudiosos destacam que "Foi mais tarde nestes mesmos lugares que alguns dos centros mais ativos do Cristianismo foram estabelecidos "( Robert Linssen ).

Proselitismo nas comunidades gregas[editar | editar código-fonte]

Inscrição bilíngüe ( grego e aramaico ) pelo rei Asoka, encontrada em Candaar (Shar-i-kuna), Museo de Kabul

.

Dentro da Índia, diferentes populações foram objeto de proselitismo do Rei.

Após a conquista e os esforços de colonização de Alexandre o Grande em torno de 323 BC comunidades grega viviam no noroeste do império Maurya, na região do Paquistão, na antiga Gandhara perto da atual capital paquistanesa de Islamabad, e no sul do Afeganistão, na região de Gedrósia. Estas comunidades parecem ter sido ainda significativas durante o reinado de Ashoka. A menção em um Édito, referência notáveis aspectos destas sociedades gregas.

Não há nenhum país, exceto entre os gregos, onde estes dois grupos, brâmanes e ascetas, não são encontradas, e não há nenhum país onde as pessoas não se dedicam a uma ou outra religião. Édito na rocha Nb13 (S. Dhammika)


Dois éditos foram encontrados no Afeganistão com inscrições em grego, um deles sendo um édito bilíngüe em grego e aramaico. Este édito, encontrado em Candaar, defende a adoção de "Piedade" (usando o termo grego "eusebeia") para a comunidade grega.

Preceitos morais[editar | editar código-fonte]

O Dharma pregado por Ashoka é explicado, principalmente, em termos de preceitos morais, com base em boas ações, o respeito pelos outros, generosidade e pureza.

Dharma é bom, mas o que constitui a Dharma? (Inclui) pouco mal, muito bom, a bondade, generosidade, honestidade e pureza. Pilar édito Nb2 (S. Dharmika)

E ações nobres do Dharma e da prática do Dharma consistem de ter a bondade, generosidade, honestidade, pureza, mansidão e ver a bondade aumentar entre o povo. Rocha NB7 (S. Dharmika)

Preceitos religiosos[editar | editar código-fonte]

Além de difundir as virtudes morais do Budismo, Ashoka também insistiu que a palavra do Buddha deveria ser lida e seguida, em especial nos círculos monásticos (o Sanghas ):

Essência religiosa comum[editar | editar código-fonte]

Longe de ser sectária, e com base na crença de que todas as religiões compartilhava uma essência comum, positiva, Ashoka incentivou a tolerância e a compreensão de outras religiões.

Todas as religiões devem residir em todos os lugares, pois todas elas desejam o auto-controle e pureza de coração. Édito na rocha NB7 (S. Dhammika)


O contato (entre as religiões) é bom. Deveria-se ouvir e respeitar as doutrinas professadas pelos outros. O amado dos Deuses, Rei Piyadasi, deseja que todos devem ter o conhecimento das boas doutrinas das outras religiões. Édito na rocha Nb12 (S. Dhammika)


Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Reference: "India: The Ancient Past" p.113, Burjor Avari, Routledge, ISBN 0-415-35615-6
  2. Tarn, "The Greeks in Bactria and India"

Notas[editar | editar código-fonte]

  • Ashoka's Major Rock Edict
  1. Gandhari original of Edict No13 (Greek kings: Paragraph 9): Text

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Éditos de Ashoka


O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Éditos de Ashoka