Éponine

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Éponine
Personagem de Os Miseráveis
Éponine e Marius.jpg
Éponine apresenta-se a Marius, entregando-lhe a carta de Thénardier.
Morada Montfermeil
Paris
Nascimento c. 1815
Falecimento 1832
Origem Montfermeil
Sexo Feminino
Características Começa por ser uma criança mimada mas cedo se torna ladra e prostituta miserável, oprimida pela família.
Especialidade(s) Forçada desde pequena ao crime e a prostituição
Afiliações Parceria com a Quadrilha Patron-Minette
Família Thénardier (pai)
Mme. Thénardier (mãe)
Azelma (irmã)
Gavroche (irmão)
Duas criança de nome desconhecido (irmãos)
Criado por Victor Hugo
Romance(s) Os Miseráveis
Causa da última aparição Abatida a tiro na barricada
Projecto Literatura  · Portal Literatura

Éponine Thénardier é uma das personagens principais do romance Os Miseráveis (1862) de Victor Hugo.

No romance[editar | editar código-fonte]

Como crianças, Éponine e sua irmã Azelma são descritas como lindas meninas, bem vestidas e que dava gosto vê-las. Eram mimadas pela mãe Thénardier.

Éponine e sua família ficam na pobreza devido à falência da pousada de seus pais. Éponine se torna uma criatura pálida, magra e com a voz rouca. Ela usava roupa suja e esfarrapada que consistia em uma camisa e uma saia, e tinha os cabelos desalinhados.

Éponine junta Cosette e Marius, embora ela esteja apaixonada por ele.

Início da vida[editar | editar código-fonte]

Éponine é a filha mais velha de Sr. e Sra. Thénardier, que tem uma pousada na cidade de Montfermeil. Enquanto os Thénardier abusam de Cosette e usam-na como empregada, mimam as filhas Éponine e Azelma. Isso dura cinco anos.

Na véspera de Natal de 1823, Jean Valjean chega à pousada para buscar Cosette. Durante o tempo em que ele permanece no estabelecimento, fica evidente que Éponine e Azelma também maltratam Cosette, reclamando com a mãe quando pega uma boneca delas. Depois de ver isto, Valjean deixa a pousada e retorna com uma linda boneca nova para Cosette. Isso resulta que Eponine e Azelma sentem ciúme dela pela primeira vez.

Vida em Paris[editar | editar código-fonte]

Éponine não é vista novamente por nove anos. Em Paris, ela e sua família, depois de perderem a pousada, vivem com o nome Jondrette em um apartamento na casa Gorbeau, ao lado de Marius Pontmercy. Eles vivem na miséria absoluta. Éponine e Azelma, com os pés descalços, estão fugindo da polícia. Elas passam correndo por Marius e deixam cair um pacote de cartas. Marius pega o pacote e o leva.

No dia seguinte, Éponine visita Marius em seu apartamento e dá a ele uma carta pedindo dinheiro. Como a carta tem a mesma letra e estilo das outras, Marius descobre que o pacote pertence a ela. Para impressioná-lo, Éponine demonstra que é alfabetizada, lendo em voz alta um livro e escrevendo "Os gambés (policiais) chegaram" numa folha de papel. Então ela diz a Marius que ele é um moço bonito, e também menciona tê-lo anteriormente observado. Mudando de assunto, Marius lhe entrega o pacote de cartas. Ela leva-as alegremente. Então, Eponine conta a Marius sobre sua vida miserável. Com pena, Marius dá-lhe cinco francos.

Depois que Valjean e Cosette deixam o apartamento dos Jondrette, Marius tenta segui-los, mas não tem dinheiro para pagar uma carruagem. Ao voltar para casa, Éponine o segue. Ela percebe que Marius está infeliz e se oferece para ajudá-lo. Marius decide pedir a ela para encontrar o endereço do pai e da filha que visitavam a família dela mais cedo. Ela reage amargamente ao ouvir o pedido de Marius, percebendo que ele tem interesse na filha do “filantropo”, mas promete que vai ajudar após ele prometer lhe dar qualquer coisa ela desejar em troca.

Durante a tentativa de roubo a Valjean, Éponine e Montparnasse fogem e não são presos. Porém depois, Éponine é presa e junta-se a Azelma na prisão. Ambas as irmãs são liberados duas semanas mais tarde, devido à falta de provas.

Éponine, Marius e Cosette[editar | editar código-fonte]

Enquanto estava na prisão, Babet envia Éponine para investigar uma casa na Rua Plumet, e ela faz isso. Ao descobrir que são Cosette e Valjean que vivem ali, Éponine envia um “biscoito” a Babet (que é o código de "nada a fazer"). Depois ela descobre o paradeiro de Marius com a ajuda de Mabeuf, e encontra Marius em um parque chamado "O Campo da cotovia". Ela diz a ele que sabe onde vive Cosette, esperando com isso impressioná-lo e fazê-lo feliz. Marius faz Éponine jurar que não vai dizer o endereço para o seu pai, que ela promete. Então, ela lembra que ele prometeu dar-lhe algo em troca, e ele oferece a ela cinco francos. Ela deixa a moeda cair no chão, dizendo que não quer o dinheiro dele.

Éponine morre nos braços de Marius

Marius visita Cosette todas as noites, e Éponine o espiona. Em uma ocasião, Éponine segue-o até a casa e senta-se junto a grade, perdida em pensamentos. Senhor Thénardier, Patron-Minette e Brujon chegam para roubar a casa depois de sair da prisão. Por amor a Marius, Éponine ameaça gritar e alertar a polícia se eles tentarem entrar na casa. Eles vão embora. Enquanto isso, Cosette informa Marius que ela e o pai partirão para a Inglaterra, que deixa os dois muito preocupados.

No dia seguinte, Éponine, vestida com roupa de homem, disfarça-se de rapaz. Ela encostra Valjean sentado no Champ de Mars e joga para ele uma mensagem, onde se lê "Mude-se". Depois de lê-lo, ele retorna à rua Plumet e confirma com Cosette que eles vão mudar de casa e ir para a Inglaterra em uma semana. Cosette rapidamente escreve uma carta para Marius com esta informação. Ela acha Éponine fora dos portões, e pensando que ela é um trabalhador, dá-lhe cinco francos e pede a ela para entregar a carta a Marius. Éponine pega a carta, mas não a entrega.

Na noite da insurreição, Éponine visita Courfeyrac e pergunta onde está Marius. Eponine descobre que Courfeyrac está indo para as barricadas e em decide acompanhá-lo. À noite, ela vai para a rua Plumet de diz a Marius que seus amigos estão esperando por ele na barricada na rua de la Chanvrerie.

Morte[editar | editar código-fonte]

Atormentado pela partida de Cosette, Marius vai para a barricada, armado com as duas pistolas que Javert lhe deu dois meses atrás. Enquanto ele estava desarmado e buscando uma arma, um soldado o visa. Éponine coloca a mão, e seu corpo, na frente do mosquetão, salvando a vida de Marius. Ela chama por Marius. Ela diz-lhe que foi ela quem colocou a mão na frente da arma. Ela revela para Marius que foi ela quem o levou para as barricadas, esperando que dois morressem juntos. Ela revela que Gavroche é seu irmão quando o ouve cantando nas proximidades, e pede que Marius não deixe Gavroche vê-la com medo de que ele irá "ralhar" com ela. Em seguida, Éponine diz a Marius que ela pode não mentir, e confessa que tem uma carta para ele (que é a carta de Cosette). Depois que Marius pega a carta, Éponine pede que ele prometa beijá-la na testa depois que ela morra, e ele promete. Com seu último suspiro, Éponine confessa que está apaixonada por ele. Éponine morre e Marius a beija na testa, como tinha prometido.

No Musical[editar | editar código-fonte]

Éponine é destaque no musical de mesmo nome. Ela é representada por duas pessoas: uma menina em Montfermeil e uma jovem adolescente em Paris.

Diferenças do Musical[editar | editar código-fonte]

Existem algumas diferenças notáveis na trama da adaptação musical:

  • A aparência e a voz de Éponine são mais atraentes e sua personalidade é mais moderada do que no romance.
  • Éponine e Marius são retratados como amigos.
  • A irmã mais nova de Éponine, Azelma, e seus dois irmãos mais novos são completamente cortados do musical.
  • No romance, Gavroche é irmão de Éponine, filho dos Thénardier. Embora ele seja apresentado no musical, ele é retratado como se não estivesse relacionado com os Thénardier.
  • No musical, Éponine é enviada por Marius para entregar uma carta a Cosette. No romance, é Gavroche que é enviado para entregá-la.
  • O musical apresenta um retrato simpático de Éponine, que fez dela uma das mais populares personagens do musical. Durante todo o musical, Éponine, teimosa e independente, serve de contraponto claro para Cosette, que é suave, modesta, bonita e inocente.

Canções[editar | editar código-fonte]

Éponine é destaque do musical nas seguintes canções:

Castle On A Cloud (silêncio): Éponine faz sua primeira aparição como uma criança. Éponine é mostrada sendo cruel com Cosette.

Look Down: Éponine reaparece como uma jovem esfarrapada e um membro da gangue de seu pai. Ela é apresentada ao público por Gavroche.

The Robbery/Javert's Intervention: Éponine se encontra com Marius e torna-se aparente que ela o ama (embora ele só a veja como amiga). Thénardier a manda para fora vigiar enquanto senhor Thénardier e sua gangue tentam roubar Valjean. Antes que a gangue possa roubar Valjean, Éponine volta, gritando que Javert vem. Ela não é presa.

Éponine's Errand : Éponine reconhece Cosette. Quando Marius volta, ela vê que ele está apaixonado por Cosette. Ele pede a Éponine que descubra onde Cosette mora, e ela aceita, apesar de seu ciúme, para agradá-lo.

In My Life: Éponine leva Marius a rua Plumet, onde Valjean e Cosette moram. Enquanto Cosette está no jardim e Marius vai vê-la, Éponine canta para si mesma como ela o ama e "seria sua", se ele desejasse.

A Heart Full Of Love: Depois de ouvir Cosette e Marius conhecerem-se e declararem seu amor um pelo outro, Éponine sabe que Marius nunca a amou.

The Attack On Rue Plumet: Éponine descobre seu pai e sua gangue tentando entrar na casa para roubar Valjean. Ela primeiro tenta dissuadi-los, insistindo que não há nada na casa que valha a pena roubar e, em seguida, ameaça gritar e acordar todo mundo, se eles não forem embora. Quando eles se recusam, ela grita, obrigando-os a recuar, e alerta Marius e Cosette. Marius apresenta Éponine a Cosette como a pessoa que os reuniu e que mais uma vez os salvou. Foi o grito de Éponine, no entanto, que assusta Valjean e o faz decidir se mudar para a Inglaterra, pensando que Javert o havia encontrado mais uma vez.

One Day More : Os principais personagens cantam seus próprios pontos de vista sobre o dia seguinte. Na parte de Éponine, ela lamenta a perda de Marius e de como ela está sozinha. Marius está dividido entre a possibilidade de seguir Cosette para a Inglaterra, ou lutar com os outros estudantes. Então, Éponine agarra Marius pelo braço e os dois fogem.

At The Barricade (Upon These Stones): Éponine aparece vestido como um rapaz. Marius a encontra e ela lhe diz que quer ficar com ele. Ele pede a ela para levar uma carta a Cosette, como um meio de se despedir de Cosette e deixar Éponine em segurança. Ela é encontrada no jardim por Valjean, que pega a carta e diz a ela para ter cuidado no caminho.

On My Own: Canção solo de Éponine. Ela anda pelas ruas de Paris e reflete sobre sua solidão e seu amor por Marius, sabendo que ele pode viver sem ela e que não há esperança deles ficarem juntos.

A Little Fall Of Rain: Éponine retorna para a barricada, mas é atingida. Marius a segura e conforta, enquanto ela expressa a felicidade de eles estarem juntos. Ela inclina-se e o beija, e depois morre em seus braços.

Night Of Anguish (silêncio): Enjolras anuncia que Éponine é "o primeiro a cair" na barricada. Marius, ainda segurando o corpo dela, diz-lhe que "sua vida era fria e escura, mas ela não tinha medo." Os outros alunos resolvem lutar em seu nome, e levam o corpo embora.

Epilogue: Éponine faz uma aparição final como um fantasma, junto com Fantine, para receber Valjean recém-falecido.


Cinema e Televisão[editar | editar código-fonte]

Éponine foi especialmente consagrada no cinema e na televisão:

  • Mistinguett, 1913, versão de Albert Capellani (França)
  • Dorothy Bernard, 1917, versão de Frank Lloyd (E.U.A.)
  • Suzanne Nivette, 1925, versão de Fescourt Henry (França)
  • Orane Demazis, 1934, Raymond Bernard (França)
  • Frances Drake, 1935, versão de Richard Boleslawski (E.U.A.)
  • Margarita Cortes, 1943, versão de Fernando A. Rivero (México)
  • Delia Orman, 1947, versão de Riccardo Freda (Itália)
  • Silvia Monfort, 1958, versão de Le Chanois Jean-Paul (França)
  • Elizabeth Counsell, 1967, versão de Alan Bridges (Grã-Bretanha)
  • Hermine Karagheuz, 1972, versão TV de Marcel Bluwal (França)
  • Maria Rojo, 1973, versão Antulio Jiménez Pons (México)
  • Candice Patou, 1982, versão de Robert Hossein, (França)
  • Sylvie Koblizkova, versão de 1998 por Bille August (E.U.A.)
  • Asia Argento, versão de 2000 (minissérie) de Josée Dayan (França)
  • Samantha Barks, versão 2012 de Tom Hooper (U.K)
  • Carrie H. Fletcher, musical versão 2013/2014 (U.K)