Étienne de La Boétie

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde dezembro de 2008). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
Casa de Étienne de la Boétie em Sarlat

Étienne de La Boétie (Sarlat, 1 de Novembro de 1530Germignan, 18 de agosto de 1563) foi um humanista e filósofo francês,[1] contemporâneo e amigo de Michel de Montaigne[2] (este que em seu ensaio "Sobre a Amizade" faz uma homenagem a la Boétie).

Étienne, além de traduzir Xenofonte e Plutarco - lembrando que as traduções de obras clássicas greco-romanas eram comuns entre os studia humanitates - , também escreveu a sua obra mais famosa, intitulada "Discurso da Servidão Voluntária". Já no título aparece a contradição do termo servidão voluntária, pois, como se pode servir de forma voluntária, isto é, sacrificando a própria liberdade de espontânea vontade? Dentro desta temática, a obra essencialmente é um questionamento acerca das possíveis causas que levariam os povos a se submeterem à vontade de um tirano, o que se mostrará como uma grande interrogação e indignação à opressão. Uma espécie de hino à liberdade. Graças a suas reflexões profundas sobre a condição humana e a liberdade, La Boétie é considerado um precursor do pensamento anarquista.[3] Ele afirma que são os próprios homens que se fazem dominar pois, caso quisessem sua liberdade de volta,precisariam apenas de se rebelar para consegui-la.Também diz que,talvez não queiramos nossa liberdade de volta pois nos sentimos seguros sob o jugo de reis e principes.

Filósofo de tradição libertária, La Boétie escreveu a obra "O Discurso da Servidão Voluntária"[2] no século XVI, depois da derrota do povo francês contra o exército e fiscais do rei, que estabeleceram um novo imposto sobre o sal. Na obra, o autor pergunta-se sobre a possibilidade de cidades inteiras submeterem-se a vontade de um só. De onde um só tira o poder para controlar todos?

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Œuvres complètes, Éditions William Blake & Co., 1991. ISBN 2-905810-60-2
  • Raoul de Cambrai (1580), Mémoire touchant l'Édit de janvier 1562.
  • Discours de la servitude volontaire, Paris : Mille et une nuits, 1997. ISBN 2-910233-94-4

Referências

  1. Saul Newman. "Voluntary Servitude Reconsidered: Radical Politics and the Problem of Self-Domination"
  2. a b Rothbard, Murray, Ending Tyranny Without Violence
  3. Roland Bleiker, Popular Dissent, Human Agency and Global Politics. Cambridge University Press, 2000 ISBN 0521778298, (p.86-87).

Notas[editar | editar código-fonte]

  • Sua base filosófica inspirou a canção de Borges
Ícone de esboço Este artigo sobre filosofia / um filósofo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.



Precursores do Anarquismo
Antístenes • Aristipo de Cirene • Diógenes de Sinope • Drukpa Kunley • Epicuro • João Escoto Erígena • Étienne de La Boétie • Charles Fourier • François Rabelais • William Godwin • Joaquim de Fiore • Lao Zi • Sylvain Maréchal • Thomas Müntzer • Zenão de Cítio • Robert Owen