Índia do Sul

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
As regiões normalmente consideradas como integrando a "Índia do Sul"

Designa-se como Índia do Sul o conjunto de regiões na parte meridional da Índia constituída pelos estados de Andhra Pradesh, Karnataka, Kerala e Tamil Nadu e ainda os territórios da União Indiana de Laquedivas e Pondicherry, ocupando 19.31% da área total do país (635780 km²). A região também é conhecida como Dravida e assim é nomeada no hino nacional da Índia.[1]

A Índia do Sul fica na parte peninsular do planalto do Decão e está rodeada pelo mar Arábico a oeste, o oceano Índico a sul e a baía de Bengala a leste. A geografia da região é muito variada, com duas grandes cordilheiras, os Gates Ocidentais e os Gates Orientais, e um centro que é um grande planalto. Os rios Godavari, o Krishna, Tungabhadra e Kaveri são importantes fontes de água.

A maioria dos habitantes ou naturais da região sul da Índia fala uma das línguas dravidianas: canarês, malaiala, tâmil, telugu, tulu, ou kodava. Ao longo da história, uma série de reinos dinásticos governou partes da Índia do Sul, cujas invasões por toda a Ásia Meridional e Sudeste Asiático tiveram impacto na história e cultura de países como o Sri Lanka, Singapura, Filipinas, Indonésia, Tailândia e Malásia. A região foi colonizada pela Companhia Britânica das Índias Orientais e gradualmente integrada no Império Britânico.

Após registar flutuações nas décadas imediatamente seguidas à independência indiana, a economia dos estados da Índia do Sul registou incrementos superiores aos da média nacional do decurso das últimas três décadas. Apesar disso, e de os indicadores socioeconómicos demonstrarem significativas melhorias, as disparidade económica, o analfabetismo e a acentuada pobreza continuam a incidir negativamente na vida da região, tal como no resto do país.[2] [3] A agricultura é o setor que garante a principal parte do produto económico, enquanto as tecnologias de informação (IT) estão em rápido crescimento. A literatura e os estilos arquitetónicos, fruto de evolução que assenta em mais de dois mil anos de história, é diferenciada de outras regiões da Índia. A política é dominada por pequenos partidos com carácter regional, e pelos grandes partidos indianos como o Congresso Nacional Indiano (INC), o Partido Bharatiya Janata (BJP) e o Partido Comunista da Índia (Marxista) (CPI(M)).

O desenvolvimento económico reflete-se ainda em indicadores como a taxa de fecundidade, que é de 1,9, a mais baixa de todas as regiões da Índia. [4]

As mais populosas cidades da Índia do Sul eram, em 2008, Chennai, Bangalore, Hyderabad, Thiruvananthapuram, Coimbatore, Madurai, Visakhapatnam, Vijayawada e Kochi. A população estimada da Índia do Sul era de 233 milhões de habitantes em 2006.[5] Os maiores grupos linguísticos da região meridional da Índia incluem os telugus, tâmeis, kannadigas, malaialas, tuluvas e kodavas. Cerca de 83% dos indianos do sul seguem o Hinduísmo. O Islão é seguido por cerca de 11%, e 5% são seguidores de várias correntes do Cristianismo .

A taxa de alfabetismo média é de 73%, bastante superior à média nacional de 60% verificada em 2006.[6]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. John McLeod., "A History of India", Greenwood Press, 2002
  2. The Better Half. Outlook India. 16 de julho de 2007
  3. Also A Head for Numbers. Outlook India. 16 de julho de 2007
  4. National Family Health Survey
  5. Census India Maps. Página visitada em 11 de abril de 2006.
  6. CIA factbook. Página visitada em 11 de abril 2006.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Índia do Sul
Wikcionário
O Wikcionário possui o verbete South India.


Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia da Índia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.