Ínflaton

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde abril de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

O ínflaton é o nome genérico do hipotético, e até agora não identificado, campo escalar (e sua partícula associada) que pode ter sido responsável ​​pela hipotética inflação do universo durante seus primeiros instantes. De acordo com a teoria da Inflação cósmica, o campo ínflaton produziu o mecanismo que conduziu um período de rápida expansão a partir de 10 -35 a 10 -34 segundos após a expansão inicial que formou o universo.

O menor estado de energia do campo ínflaton pode, ou não, ser um estado de energia zero. Antes do período de expansão, o campo ínflaton estava em um estado de energia mais elevado. Flutuações quânticas aleatórias desencadearam uma transição de fase em que o campo ínflaton liberou sua energia potencial como matéria e radiação e instalou-se em seu estado de energia mais baixo. Esta ação gerou uma força repulsiva que levou a parte do universo que é observável a nós hoje a se expandir a partir de aproximadamente 10 -50 metros de raio a 10 -35 segundos para quase 1 metro de raio em 10 -34 segundos.

O ínflaton está de acordo com a convenção de nomes para campos, e junta-se termos como fótons e glúons. O processo é "inflação", a partícula é o "ínflaton".

Ver também[editar | editar código-fonte]