12 Angry Men

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto.
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
12 Angry Men
Doze Homens em Fúria (PT)
12 Homens e uma Sentença (BR)
 Estados Unidos
1957 • p&b • 96 min 
Direção Sidney Lumet
Produção Henry Fonda
Reginald Rose
Roteiro Reginald Rose
Elenco Henry Fonda
Martin Balsam
Lee J. Cobb
Jack Warden
E.G. Marshall
Gênero Drama
Idioma Inglês
Música Kenyon Hopkins
Cinematografia Boris Kaufman
Edição Carl Lerner
Distribuição United Artists
Lançamento 13 de abril de 1975
Orçamento US$ 340.000[1]
Receita US$ 1.000.000 (aluguéis)[2]
Página no IMDb (em inglês)

12 Angry Men (br: Doze Homens e uma Sentençapt: Doze Homens em Fúria) é um filme estadunidense de 1957, do gênero drama, dirigido por Sidney Lumet. O roteiro de Reginald Rose adapta programa de TV homônimo de autoria do próprio autor.[3] [4] Uma das principais características da obra é a prevalência de apenas uma locação, a sala onde os jurados decidem o destino do réu. Há apenas dois outros breves cenários: uma rápida cena, no início do filme, mostrando a corte de julgamentos, e a cena final, em que o personagem de Henry Fonda deixa o Tribunal.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Trailer do filme

Um jovem porto-riquenho é acusado de ter matado o próprio pai e vai a julgamento. Doze jurados se reúnem para decidir a sentença, com a orientação de que o réu não deve ser considerado culpado ao menos que isso seja indubitável. Onze dos jurados, cada um com sua convicção, votam pela condenação. O jurado número 8, o sr. Davis, é o único que duvida da culpa do jovem e, enquanto tenta convencer os outros a repensarem a sentença, traços de personalidade de cada um dos jurados vão sendo revelados.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Principais prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Oscar 1957 (EUA)

  • Indicado nas categorias de Melhor Diretor, Melhor Filme e Melhor Roteiro Adaptado.

BAFTA 1958 (Reino Unido)

  • Venceu na categoria de Melhor Ator Estrangeiro (Henry Fonda).
  • Indicado na categoria de Melhor Filme.

Festival de Berlim 1957 (Alemanha)

Prêmio Edgar 1958 (Edgar Allan Poe Awards, EUA)

  • Venceu na categoria de Melhor Filme.

Globo de Ouro 1958 (EUA)

  • Recebeu indicação nas categoria de Melhor Filme (drama), Melhor Ator - Drama (Henry Fonda), Melhor Diretor de Cinema e Melhor Ator Coadjuvante (Lee J. Cobb).

Prêmio Bodil 1960 (Dinamarca)

  • Venceu na categoria de Melhor Filme Americano.

Outros atores e produções em inglês[editar | editar código-fonte]

Jurados por ordem Personagens 1954 (atores na peça teatral) 1957 (atores no filme) 1997 (atores no filme de TV) 2004-2005 atores 2006-2007 atores Ordem que os jurados votaram 'inocente'
1 O presidente de júri, preocupado em organizar os trabalhos; é um professor escolar de educação física e técnico de futebol americano Norman Fell Martin Balsam Courtney B. Vance Mark Blum George Wendt 9
2 Bancário despretensioso John Beal John Fiedler Ossie Davis Kevin Greer Todd Cerveris 5
3 Um empresário e pai emocionalmente abalado com o desprezo do filho, sempre gritando e irritado com os outros Franchot Tone Lee J. Cobb George C. Scott Philip Bosco (substtuído por Robert Foxworth) Randle Mell 12
4 Um racional especulador de bolsa de valores Walter Abel E. G. Marshall Armin Mueller-Stahl James Rebhorn Jeffrey Hayenga 11
5 Jovem fã do Baltimore Orioles Lee Phillips Jack Klugman Dorian Harewood Michael Mastro Jim Saltouros 3
6 Pintor de paredes, com princípios e respeitoso Bart Burns Edward Binns James Gandolfini Robert Clohessy Charles Borland 6
7 Vendedor, fã de esportes, superficial e indiferente às discussões Paul Hartman Jack Warden Tony Danza John Pankow Mark Morettini 7
8 Arquiteto, único voto pela inocência no início dos trabalhos. Identificado como "Davis" no fim do filme Robert Cummings Henry Fonda Jack Lemmon Boyd Gaines Richard Thomas 1
9 Um sábio e observador ancião. Identificado como "McArdle" no fim do filme Joseph Sweeney Joseph Sweeney Hume Cronyn Tom Aldredge Alan Mandell 2
10 Dono de oficina; discurso vazio e preconceituoso Edward Arnold Ed Begley Mykelti Williamson Peter Friedman Julian Gamble 10
11 Relojoeiro imigrante, orgulhoso pela cidadania americana George Voskovec George Voskovec Edward James Olmos Larry Bryggman (Substituído por Byron Jennings) David Lively 4
12 Um animado e indeciso publicitário corporativo William West Robert Webber William Petersen Adam Trese Craig Wroe 8

Estereotipação[editar | editar código-fonte]

Na primeira votação, apenas um dos jurados vota pela inocência do garoto, não porque acredite nela, mas por falta de provas e testemunhos que possam incriminá-lo. Ao demonstrar a inconsistência dos relatos das testemunhas e das provas, esse jurado vai convencendo os outros de que o garoto, talvez seja, de fato, inocente. O filme mostra que a convicção inicial dos jurados ao julgar o garoto, que poderia resultar em uma sentença injusta, era baseada em experiências pessoais e preconceitos dos próprios jurados. Estes, inconscientemente, a partir da imagem do réu, transformaram-na para que se enquadrasse nos seus esquemas e narrativas preestabelecidas de sociedade, levando em conta, não os fatos, mas sim, o estereótipo dos garotos negros e marginalizados.

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.
  • Não existe nenhuma mulher no elenco, e apenas uma (Faith Elliott) aparece na equipe creditada do filme.
  • Henry Fonda, além de ator, também foi o produtor do filme.
  • Na sala do júri, os personagens são identificados pelo número em que estão sentados em volta da mesa e apenas dois jurados têm seu nome revelado no epílogo, quando o jurado número 8 (Henry Fonda) encontra com o jurado número 9 (Joseph Sweeney) nas escadarias do tribunal e Fonda se apresenta como "Davis", e Sweeney como "McCardle", se despedem e cada um segue seu caminho.
  • Dez jurados são identificados pelo trabalho ou profissão que exercem: o jurado número 1 é treinador de futebol em escola de segundo grau, o jurado número 2 é bancário, o jurado número 3 tem um serviço de mensagens, o jurado número 4 é corretor da bolsa de valores, o jurado número 6 é pintor, o jurado número 7 é vendedor, o jurado número 8 é arquiteto, o jurado número 10 é proprietário de uma garagem, o jurado número 11 é relojoeiro e o jurado número 12 é publicitário.
  • Com a morte de Jack Klugman (jurado número 5), em 24 de dezembro de 2012, todos os doze jurados de 12 Angry Men faleceram.
  • Dos 93 minutos do filme, apenas 3 são fora da "Sala do Júri".
  • A peça foi montada pela primeira vez no Brasil em 2010, com direção de Eduardo Tolentino de Araújo[5]

Referências

  1. 12 Angry Men (em inglês). The Numbers. Página visitada em 15 de novembro de 2013.
  2. "Top Grosses of 1957", Variety, 8 de janeiro de 1958: 30
  3. Variety resenha do filme; 27 de fevereiro de 1957, p. 6.
  4. Harrison's Reports resenha do filme; 2 de março de 1957, page 35.
  5. Artigo "Justiça e pena de morte colocadas à prova" de Maiara Camargo, Caderno de Variedades, Jornal da Tarde (São Paulo), de 19 de novembro de 2010

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]