144000 (número)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde março de 2011).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.

144.000 (Cento e quarenta e quatro mil) é um número positivo inteiro, que possui um significado religioso para o cristianismo.

Aparições na Bíblia[editar | editar código-fonte]

O número 144.000 é mencionado três vezes em Revelação ou Apocalipse, livro bíblico que encerra o Novo Testamento, nas seguintes passagens:

Cquote1.svg E ouvi o número dos assinalados, e eram cento e quarenta e quatro mil assinalados, de todas as tribos dos filhos de Israel. Cquote2.svg
Apocalipse 7:4 (ACF)
Cquote1.svg E olhei, e eis que estava o Cordeiro sobre o monte Sião, e com ele cento e quarenta e quatro mil, que em suas testas tinham escrito o nome de seu Pai. Cquote2.svg
Apocalipse 14:1 (ACF)
Cquote1.svg E cantavam um como cântico novo diante do trono, e diante dos quatro animais e dos anciãos; e ninguém podia aprender aquele cântico, senão os cento e quarenta e quatro mil que foram comprados da terra. Cquote2.svg
Apocalipse 14:3 (ACF)

Interpretações[editar | editar código-fonte]

Os números 12.000 e 144.000 são interpretados de várias formas no Cristianismo tradicional. Alguns afirmam que os números são apenas simbólicos. Acreditam que representam todos os do povo de Deus durante toda a história bíblica. Outros ensinam que os números 12.000 e 144.000 são números literais sendo que alguns crêem que os 144.000 são pessoas descendentes de Jacob (chamado também Israel na Bíblia) e que terão um papel específico na escatologia do mundo.


Protestantes e católicos
Os cento e quarenta e quatro mil de cada tribo dos filhos de Israel (7.4) simbolizam a Igreja toda no fim dos tempos; isto é deduzido de 7.3, pois os servos do nosso Deus na dispensação cristã só podem ser a Igreja. Outrossim, desde que as tribulações dos últimos dias são universais, toda a companhia do povo de Deus carece de sua proteção, não simplesmente uma seção dele (os judeus). Uma multidão – Ap 7.9 – A Igreja é vista triunfante no céu.
F. Davidson[1]

Segundo os protestantes, existem versículos que contradizem algumas interpretações:

Se o número – 144.000 – for levado a sério, certamente ele está muito, mas muito mesmo, abaixo do número de crentes que estarão no céu. Até mesmo as dimensões físicas da Nova Jerusalém (Ap 21.16-17), para não dizer nada quanto ao restante do vasto universo criado por Deus, poderiam conter um número muito maior de pessoas do que 144.000. Apocalipse 7.9 declara que havia, além dos 144.000, `uma grande multidão... de todas as nações´ que eram também redimidos, o que indica não somente que os salvos não se limitam a esse número, mas que a passagem tem mais sentido se tomada de forma literal.
Norma Geisler e Thomas Howe[2]
Pensemos agora no número 144.000. Doze é usado para representar o povo de Deus (12 tribos no Velho Testamento e 12 apóstolos no Novo). Dez é um número completo. Quando Deus quer descrever simbolicamente a totalidade de seu povo, ele usa 12 x 12 x 10 x 10 x 10. Outros termos simbólicos dão significado extra a este número. Eles são israelitas, 12.000 de cada tribo, homens virgens puros. Estes textos não devem ser interpretados como uma designação literal daqueles que irão para o céu. Mulheres, não só homens, estarão no céu. Pessoas que são casadas na terra, não exatamente virgens, estarão lá. Gentios, junto com judeus, estarão no céu. As descrições são simbólicas, tal como é o número. Podemos com certeza esperar ver muito mais do que 144.000 pessoas redimidas no céu.
Dennis Allan[3]


Testemunhas de Jeová

As Testemunhas de Jeová clamam que 144.000 é um limite ao número de pessoas que vão ser reis e sacerdotes com Jesus Cristo no céu durante mil anos, com base no texto que diz: "Deus lançará luz sobre eles e eles reinarão para todo o sempre" (Apocalipse 22:05). Escolhidos por Deus e Cristo: "Estes foram comprados dentre a humanidade como primícias para Deus e para o Cordeiro"(Apocalipse 14:04). Os 144.000 têm o que as Testemunhas de Jeová chamam de esperança celestial. Aqueles que não são nascidos de novo vão gozar do que eles chamam de esperança terrestre – um paraíso na terra governado por Cristo e os 144.000, este raciocínio é bem simples: Como poderia haver reino e reis sem povo ou súditos? Também textos bíblicos como Mateus 05:05 que diz, "Felizes os de temperamento brando, porque herdarão Terra; 2Pedro 03:13 "Há novos céus e uma nova Terra"; João 14:02-03; Mateus 11:11; Romanos 08:19-21; Tito 01:02. Se a vida eterna na Terra não fosse esperança verídica, alguns textos bíblicos estariam drásticamente errados como: Salmos 37:09-11; Salmos 37:29.


Isaac Newton

O matemático Sir Isaac Newton (1642-1727) entendia que os santos seriam ressuscitados para a vida celestial e governariam com Cristo de modo invisível. (Rev. 5:9, 10) E acreditava que o número 144.000 seria o número de pessoas ´aptas para a vida no céu`. Quanto aos súditos do Reino, ele escreveu: “A Terra continuará a ser habitada por mortais após o dia do juízo e isso não apenas por mil anos, mas para sempre.” O historiador Stephen Snobelen disse que ´´uma das razões pelas quais Newton vislumbrava o Reino de Deus ainda distante no futuro era seu grande pessimismo em relação à profunda apostasia trinitária que via ao seu redor``. Isaac Newton não via nenhum movimento cristão pregando algo semenhante do que ele havia descoberto. Newton escreveu: “‘Então’, disse Daniel, ‘muitos irão por todo lado e o conhecimento aumentará’. Pois o Evangelho tem de ser pregado em todas as nações antes da grande tribulação e o fim do mundo”. Tambem que “a multidão com palmas nas mãos, que sai dessa grande tribulação, não pode ser considerada inumerável dentre todas as nações a menos que se torne tal pela pregação do Evangelho antes da grande tribulação.” — Dan. 12:4; Mat. 24:14; Rev. 7:9, 10. — Observations Upon the Prophecies of Daniel, and the Apocalypse of St. John (publicada em 1733)


Superpentecostais

Os superpentecostais acreditam que os 144.000 são os cristãos descendentes de judeus e virgens que irão lutar junto com Jesus Cristo na batalha no Monte Megido (Armagedom) e também purificar e castigar a terra de todo o mal.[carece de fontes?]

Referências

  1. F. Davidson. O Novo Comentário da Bíblia. [S.l.]: Vida Nova, 1990. ISBN 8527502410
  2. Norma Geisler; Thomas Howe. Manual Popular de Dúvidas, Enigmas e "Contradições" da Bíblia. [S.l.]: Mundo Cristão, 1999. ISBN 85-7325-185-9
  3. ALLAN, Dennis. Quem são os 144.000 do livro de Apocalipse? (html). estudosdabiblia.net. Página visitada em 21 de Abril de 2011.
Ícone de esboço Este artigo sobre religião é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.