2-metil-1-butanol

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde Julho de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
2-Methyl-1-butanol
Alerta sobre risco à saúde[1] [2]
2-Methyl-1-butanol.svg
Nome IUPAC 2-Methyl-1-butanol
Outros nomes 2-Methylbutan-1-ol, active amyl alcohol
Identificadores
Número CAS 137-32-6
PubChem 8723
ChemSpider 8398
SMILES
InChI InChI=1/C5H12O/c1-3-5(2)4-6/h5-6H,3-4H2,1-2H3
Propriedades
Fórmula molecular C5H12O
Massa molar 88.148 g/mol
Aparência colorless liquid
Densidade 0.8152 g/cm³
Ponto de fusão

-117.2 °C, 156 K, -179 °F

Ponto de ebulição

127.5 °C, 401 K, 262 °F

Solubilidade em água 31 g/L
Solubilidade miscible with ethanol, diethyl ether; very soluble in acetone
Pressão de vapor 3 mm Hg
Viscosidade 4.453 mPa·s
Termoquímica
Entalpia padrão
de formação
ΔfHo298
-356.6 kJ·mol-1 (liquid)
-301.4 kJ·mol-1 (gas)
Riscos associados
Ponto de fulgor 50 °C
Temperatura
de auto-ignição
385 °C
Compostos relacionados
Compostos relacionados Amyl alcohol
Excepto onde denotado, os dados referem-se a
materiais sob condições PTN

Referências e avisos gerais sobre esta caixa.
Alerta sobre risco à saúde.

2-Metil-1-butanol (nome IUPAC, também chamado de álcool amílico ativo) é um composto orgânico, isômero do álcool amílico. Ele é usado como solvente e intermediário na produção de outros compostos. 2-Metil-1-butanol é um componente em várias misturas de álcool amílico vendidos na indústria.

Reações[editar | editar código-fonte]

2-Metil-1-butanol pode ser obtido do óleo de fúsel (porque ocorre naturalmente em frutas como a uva[3] ) ou manufaturado pelo processo oxo ou pela halogenação do pentano.[2]

Referências

  1. Lide, David R. (1998), Handbook of Chemistry and Physics (87 ed.), Boca Raton, FL: CRC Press, pp. 3–374, 5–42, 6–188, 8–102, 16–22, ISBN 0-8493-0594-2 
  2. a b McKetta, John J.; Cunningham, William Aaron (1977), Encyclopedia of Chemical Processing and Design, 3, Boca Raton, FL: CRC Press, pp. 279–280, ISBN 978-0-8247-2480-1, http://books.google.com/?id=iwSU5G5VzO0C&pg=PA279, visitado em 2009-12-14 
  3. Howard, Philip H. (1993), Handbook of Environmental Fate and Exposure Data for Organic Chemicals, 4, Boca Raton, FL: CRC Press, pp. 392–396, ISBN 978-0-87371-413-6, http://books.google.com/?id=HdhohbQrg8IC&pg=PA392, visitado em 2009-12-14