509-E

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
509-E
Informação geral
Origem São Paulo,  São Paulo
País  Brasil
Gênero(s) Rap, hip hop
Período em atividade 2000 - 2003
Integrantes Dexter
Afro-X

509-E foi um grupo de rap brasileiro. Formado por Dexter e Afro-X enquanto os mesmos estavam no Carandiru, foi dissolvido em 2003, quando os músicos decidiram seguir carreira própria.

Carreira[editar | editar código-fonte]

O grupo foi formado por Dexter e Afro-X, dois jovens pobres, nascidos na Vila Calux, periferia violenta de São Bernardo do Campo, no ABC paulista. Presos e condenados a mais de 10 anos de prisão por terem cometido o crime previsto no artigo 157 (assalto à mão armada) do Código Penal, os dois perceberam que somente o estilo musical que eles já haviam conhecido desse lado da penitenciaria, Dexter como integrante do Tribunal Popular e Afro-X como vocal do Suburbanos. Eles se tornaram os porta-vozes de todos aqueles que sofriam encarcerados no Brasil. Justamente por fazer parte do mesmo cotidiano violento cantado nas letras do 509-E, primeiro como mais um sobrevivente da periferia de São Paulo e depois como repórter da editoria de geral de um grande jornal dirigido as classes C, D e E, e por ter conhecido os dois rappers antes do sucesso dos últimos meses. Foi através do selo Só Rap, da gravadora Atração, que o CD de estréia do 509-E, batizado de Provérbios 13, chegou às lojas com 12 faixas, no segundo trimestre de 2000.

Antes disso, eles gravaram a faixa Barril de Pólvora, no disco Brasil 1. Fazendo justiça com as próprias mãos, lançado pelo também ex-bandido carioca e também detento José Carlos dos Reis Encina, mais conhecido no Brasila como Escadinha. Naquela época, dezembro de 1999, a dupla de rappers era chamada pelo nome de Linha de Frente. Além do talento dos dois nos vocais, o time de produtores do Provérbios 13, formado por Mano Brown e Edi Rock (ambos do Racionais MC's), DJ Hum (parceiro de Thaíde) e por MV Bill, serviu para colocar o som em qual uma dessas listas de melhor isso ou aquilo que a gente costuma fazer. Também contaram com o apoio da "Madrinha dos Presos", a atriz Sofia Bisilliat, idealizadora do projeto “Talentos Aprisionados”, uma iniciativa do sistema prisional do Estado de São Paulo. Em agosto, o 509-E foi apresentado ao Brasil, quando disputou com o clipe de "Só os fortes" duas categorias (de melhor vídeo de rap e escolha da audiência) no Video Music Brasil, da MTV. A vitória não veio, mas o espaço dado aos rappers da Detenção, abriu várias portas para Dexter e Afro-X. A consagração aconteceu no dia 14 de novembro de 2000, quando o 509-E levou o prêmio Hutus de grupo revelação do ano. A ida dos rappers paulistas até um teatro no Rio de Janeiro para receber a premiação, com direito a ponte área e tudo, fez até com que a Rede Globo produzisse duas matérias em que falava do trabalho musical de Dexter e Afro-X. O grupo ai estava no seu auge, quando as coisas começaram a piorar. Convocados por um debate na Rede Globo, a dupla ficou visada pelas autoridades por falarem coisas fortes. Tornaram-se inimigos dos policiais principalmente após a rebelião que resultou na extinção do Carandiru. Após esse episódio, o grupo foi proibido de fazer shows na rua. [1] Após um tempo, Afro-X ganhou liberdade e o 509-E lançou seu segundo e último trabalho, MMII DC (2002 Depois de Cristo).[1] Os dois integrantes começaram a se desentender e o grupo terminou em 2003. Sobre o fim do grupo, o rapper Dexter afirmou o seguinte:[1]

O 509-E acabou por vários motivos. Um grupo de RAP é como uma igreja, a partir do momento que você não concorda com aquela doutrina e aquilo te incomoda, você muda de igreja, porém, seu Deus vai continuar sendo o mesmo e estará dentro do seu coração. Você só vai mudar de placa, mas a sua essência continuará sendo a mesma. Depois que o Afro-X foi pra rua, algumas coisas mudaram e naturalmente nos afastamos um do outro. Ele passou a falar de coisas que estava vivendo no momento, que é natural. E eu, continuei falando das mesmas coisas que já havia falado nos outros discos, porém, de um outro jeito, é lógico. Ideologicamente falando, nos distanciamos também, o barato começou a me incomodar e optei pelo fim do grupo.


Atualmente, Dexter segue carreira solo e já lançou dois álbuns; Afro-X permaneceu um tempo no rap, afastou-se e voltou novamente, se casou com a cantora Simony,[2] e atualmente é educador.[3]

Em 2009, é lançado um documentário sobre o 509-E, chamado Entre a Luz e a Sombra. Dirigido por Luciana Burlamaqui, ele investiga a violência no brasil a partir da formação da dupla Dexter e Afro-X dentro do Carandiru.[4] [5] Lançado nos cinemas no dia 27 de novembro de 2009, em 14 de novembro já recebu o primeiro prêmio: venceu a 4ª Mostra Cinema e Direitos Humanos na América do Sul.[6]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Ano Prêmio Categoria Ref
2000 Prêmio Hutúz Revelação [7]

Referências

  1. a b c Dexter - A fúria negra ressuscita outra vez. www.bsbblack.com. Página visitada em 13 de Novembro de 2009.
  2. ISTOÉ Online. www.terra.com.br. Página visitada em 13 de Novembro de 2009.
  3. O rapper e ex-assaltante, Afro X, vira educador. catracalivre.folha.uol.com.br. Página visitada em 13 de Novembro de 2009.
  4. :: Rap Nacional::. www.rapnacional.com.br. Página visitada em 14 de Novembro de 2009.
  5. Entre a Luz e a Sombra (2007) - e-Pipoca. epipoca.uol.com.br. Página visitada em 14 de Novembro de 2009.
  6. Entre a Luz e a Sombra vence 4ª Mostra Cinema e Direitos Humanos na América do Sul - Cineclick. cinema.cineclick.uol.com.br. Página visitada em 14 de Novembro de 2009.
  7. Cliquemusic: Matéria: Prêmio Hutus festeja os melhores do rap. cliquemusic.uol.com.br. Página visitada em 22 de Dezembro de 2009.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]