51º Batalhão de Infantaria de Selva

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
51º Batalhão de Infantaria de Selva
Estado Pará Pará
Subordinação 23ª Brigada de Infantaria de Selva
Sigla 51º BIS
Criação 31 de janeiro 1973
Comando
Comandante Ten Cel Inf Amaral
Sede
Endereço Rodovia Presidente Médice S/N - Alberto Soares - Cep: 68376 035

O 51º Batalhão de Infantaria de Selva (51º BIS), também conhecido como Batalhão Capitão-mor Bento Maciel Parente é uma unidade do Exército Brasileiro, localizada em Altamira, no estado do Pará, subordinada a 23ª Brigada de Infantaria de Selva (23ª Bda Inf Sl), sediada em Marabá.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

O 51º Batalhão de Infantaria de Selva foi criado em 31 de janeiro de 1973, pelo Decreto nº 71.785, ficando sob subordinação direta da 8ª Região Militar, sediada em Belém. A chegada do destacamento precursor, oriundo do 2º Batalhão de Infantaria de Selva, denominado de Batalhão "Pedro Teixeira", em justa homenagem a figura ímpar da História da Amazônia e companheiro fiel do Capitão-mor Bento Maciel Parente, ocorreu em 15 de janeiro de 1975.

O destacamento era constituído por 01 (um) Capitão, 01 (um) Tenente, 01 (um) Oficial Médico, 01 (um) Subtenente, 02 (dois) 2º Sargentos, 05 (cinco) 3º Sargentos, 03 (três) Cabos e 14 (quatorze) Soldados. Os militares deslocaram-se para Altamira, depois de concluída a fase de construção dos pavilhões, com a missão de realizar a incorporação dos primeiros conscritos altamirenses e iniciar, efetivamente, o funcionamento da Unidade.

A primeira incorporação de conscritos ocorreu no dia 3 de março de 1975, passando pelo Portão das Armas da nova Unidade mais de 100 (cem) jovens altamirenses e regiões próximas da cidade. O primeiro Comandante do 51º Batalhão de Infantaria de Selva foi o Major de Infantaria Aldo da Paz Lopes, que assumiu o Comando em 8 de abril de 1975.

Em 24 de fevereiro de 1977, o 51º Batalhão de Infantaria de Selva passou a subordinação da 23ª Brigada de Infantaria de Selva para fins operacionais, permanecendo vinculado à 8ª Região Militar, para fins administrativos.

Em Junho de 2005, o 51º BIS foi escolhido para sediar o período básico do Curso de Formação de Sargentos (CFS), sendo a única Organização Militar de Corpo de Tropa (OMCT) de todo Comando Militar da Amazônia.

Em 24 de junho de 2006, ocorreu a incorporação da primeira turma de alunos do CFS.

Denominação Histórica[editar | editar código-fonte]

Estandarte.png

Através da Portaria nº 478, de 3 de julho de 2008, o Comandante do Exército concedeu ao 51º Batalhão de Infantaria de Selva a denominação histórica “BATALHÃO CAPITÃO-MOR BENTO MACIEL PARENTE”, o com os respectivos estandarte e o distintivo históricos.

Estandarte Histórico[editar | editar código-fonte]

Descrição heráldica do Estandarte para o 51º Batalhão de Infantaria de Selva Forma retangular, tipo bandeira universal, franjado de ouro. Campo de verde, cor representativa da Arma de Infantaria. Em abismo, um escudo peninsular português, mantelado em ponta e filetado de ouro: primeiro campo, de vermelho, carregado com um tigre rompante de ouro, peça contida no brasão de armas da família Parente, na relembrança do insigne Capitão-Mor Bento Maciel Parente, valoroso militar que prestou inestimáveis serviços à coroa portuguesa, combatendo franceses e holandeses, bem como realizando várias entradas de exploração nas selvas e rios amazônicos, pelo que obteve à mercê do foro de Fidalgo e a de Cavaleiro do hábito de Cristo; segundo campo, de branco, contendo, em abismo, o distintivo da Arma de Infantaria, em verde, sotoposto por uma cabeça de onça, de ouro com pintas pretas e língua vermelha, característica de organizações militares de selva e o indômito sentimento de brasilidade em sempre guardá-la e mantê-la; terceiro campo, de verde, simbolizando a selva amazônica a qual abriga a maior biodiversidade do planeta, ostentando uma “pala”, em negro, tracejada em ouro, em forma de “Y” que dá a conotação da Rodovia Transamazõnica com o seu significado integração e que tem Altamira sua principal base, sotoposto por seis ondas alternadas, de azul-ultramar e prata, simbolizando o Rio Xingu, principal acidente geográfico da região de Altamira, de onde o Capitão-Mor Bento Maciel Parente expulsou os invasores holandeses e no qual o Batalhão se debruça. Sobreposta e sotoposta ao escudo, a denominação histórica “BATALHÃO CAPITÃO-MOR BENTO MACIEL PARENTE”, de ouro. Laço militar nas cores nacionais, tendo inscrita, em caracteres de ouro, a designação militar da OM.

Composição[editar | editar código-fonte]

Formada por militares indígenas da região e por militares profissionais especialistas em guerra na selva pelo CIGS, faz parte da elite do Exército Brasileiro.

O 51º Batalhão de Infantaria de Selva tem a seguinte organização:

1)Comando e Estado-Maior;

2)Companhia de Comando e Apoio (Cia C Ap)- Treme Terra;

3)1ª Companhia de Fuzileiros de Selva (1ª Cia Fuz Sl)- Pioneira;

4)2ª Companhia de Fuzileiros de Selva (2ª Cia Fuz Sl)- Pantera;

5)3ª Companhia de Fuzileiros de Selva (3ª Cia Fuz Sl);

6)Base Administrativa;

7)Subunidade Escolar Formadora de Sargentos.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre o Exército Brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.