730 (Okinawa)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Koza, Okinawa, por volta de 1955. Os automóveis circulam à direita da via.
Koza, em 2008. Os automóveis circulam à esquerda.
Kokusai Dori, Naha no início da década de 1950, com a circulação à direita.
"Ônibus 730" - trazido para a mudança - da Ryūkyū Bus
O Memorial 730, em Ishigaki.

730 (, Nana-San-Maru?) foi o dia 30 de julho de 1978, quando a província japonesa de Okinawa retomou a circulação pela esquerda após 33 anos circulando do outro lado.[1]

Precedentes[editar | editar código-fonte]

Originalmente, Okinawa dirigia no lado esquerdo das ruas, exatamente como em todo o Japão. Mas com a derrota do Japão na Segunda Guerra Mundial, a província ficou sob o controle dos Estados Unidos, que impuseram a mudança do sentido de circulação para o lado direito das ruas em 24 de junho de 1945. Mesmo após o retorno da soberania japonesa sobre Okinawa em 1972, o tráfego continuou a ser pela direita por mais seis anos em função de problemas na transição governamental e atrasos em função da Expo '75.[1] Entretanto, de acordo com a Convenção de Viena sobre tráfego de 1968, os países têm o direito de escolher o sentido de circulação, mas devem usá-lo em todo o seu território, o que com a volta de Okinawa à circulação pela esquerda, fez o Japão cumprir a convenção em 30 de julho de 1978[1] . Foi uma das raras mudanças da direita para a esquerda no final do Século XX[2] . O dia simbolizou o retorno de Okinawa ao Japão.

A mudança[editar | editar código-fonte]

Todo o tráfego foi proibido às 22:00 de 29 de julho de 1978. Oito horas depois, às 06:00 de 30 de julho, o tráfego foi retomado, com a circulação pelo lado esquerdo das vias. As placas de trânsito foram trocadas nessas oito horas[1] .

Como não havia agentes de trânsito suficientes na província de Okinawa para controlar o tráfego durante o dia da mudança, vários agentes de trânsito de outras partes do Japão foram levados a Okinawa[1] .

Boa parte da nova sinalização para circulação à esquerda já havia sido instalada, mas por razões de segurança havia sido coberta. Durante as oito horas da proibição de tráfego as coberturas foram removidas e transferidas para a antiga sinalização. Esse esquema foi apelidado Esquema de Kudaka (久高方式, Kudaka Hōshiki?), em função de Hiroshi Kudaka (久高弘, Kudaka Hiroshi?), o oficial de trânsito da província de Okinawa que criou o esquema.

A província fez intensa publicidade acerca da mudança através da Campanha 730 (730キャンペーン?), inclusive com pôsteres e anúncios na televisão. Os anúncios televisivos apresentavam Yōkō Gushiken, um famoso boxeador de Okinawa.

Em toda a província de Okinawa, do final da década de 1970 até o início da década de 1980, os veículos com volantes à direita foram frequentemente chamados de carros 730 (730車両 ou 730カー?), enquanto os veículos com volantes à esquerda eram chamados de carros 729 (729車両 ou 729カー?). As duas expressões hoje são obsoletas. Ainda que raros, ainda há alguns poucos "carros 729" circulando.

O governo japonês gastou 150 milhões de dólares para cobrir os gastos da província com a mudança, incluídos aí a realocação das paradas de ônibus, a confecção e a instalação das novas placas, o descarte das antigas placas, a substituição de 1000 ônibus e 5000 táxis, assim como a substituição das lâmpadas frontais de 300000 veículos, que estavam voltadas para a esquerda em vez da direita. Os militares dos Estados Unidos gastaram quase 500 mil dólares para mudar a sinalização em suas próprias bases[1] .

Ônibus[editar | editar código-fonte]

As empresas de ônibus locais tiveram de mudar as portas do lado direito para o esquerdo. As empresas que operavam na província Ryūkyū Bus (atualmente: Ryūkyū Bus Kōtsū), Okinawa Bus, Naha Kōtsū (atualmente: Naha Kōtsū Bus) e Tōyō Bus trouxeram mais de 1000 ônibus no total, com subsídios da província e do governo japonês. Esses ônibus em especial foram apelidados Ônibus 730 (730車両 ou 730バス?),

Muitos ônibus com volantes à esquerda foram trazidos na época da Expo '75, por volta de três anos antes da mudança. Como tais veículos eram relativamente novos, alguns foram modificados para terem o volante à direita com portas à esquerda. Os demais foram vendidos a países que dirigem pela direita, tais como a China.

Muitos "ônibus 730" permaneceram até a década de 2000. A maioria deles foi aposentada até 2004. Em 2008, as empresas Okinawa Bus e Tōyō Bus preservaram, cada uma, um desses veículos, mas não os operam regularmente.

Consequências[editar | editar código-fonte]

Houve muitos acidentes após o 730. Quando viravam num cruzamento, os motoristas frequentemente aproximavam-se pelo lado direito da rua, em vez de fazê-lo pela esquerda. Isto levou a muitas colisões frontais e laterais em cruzamentos. Um dos maiores envolveu a colisão frontal de dois ônibus.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c d e f Malcolm, Andrew H. "U-Turn for Okinawa: From Right-Hand Driving to Left; Extra Policemen Assigned", The New York Times, July 5, 1978. Accessed December 14, 2008.
  2. "Why do some countries drive on the right and others on the left?", World Standards. Accessed December 14, 2008.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre 730 (Okinawa)