Ação e Reação (livro)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes. (desde agosto de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ação e Reação
Autor (es) André Luiz/Chico Xavier
Idioma Português
País Brasil Brasil
Género Romance Espírita
Série André Luiz
Editora FEB
Lançamento 1957
Páginas 344
Cronologia
Último
Último
Nos Domínios da Mediunidade
Evolução em Dois Mundos
Próximo
Próximo

Ação e Reação é um livro espírita, psicografado pelo médium Francisco Cândido Xavier, com autoria atribuída ao espírito André Luiz. Publicado pela Federação Espírita Brasileira no ano de 1957.

Esta é a décima obra da série do autor espiritual André Luiz, chamada de Série André Luiz composta de 16 livros. A Série André Luiz pode ser subdividida em duas partes: Coleção A Vida no Mundo Espiritual e Obras Complementares. Ação e Reação é a nona obra da Coleção A Vida no Mundo Espiritual.

Nessa obra, o Autor nos fala sobre as consequências de nossos atos, mostrando-nos que o infinito amor de Deus se estende para todos, dando-nos a dor que auxilia, a dor que regenera, a dor que expia, a dor que faz evoluir.

Resumo[editar | editar código-fonte]

Nesse livro, André Luiz passa aproximadamente três anos na Mansão Paz, uma casa de auxílio espiritual que se encontra nas zonas inferiores, e que tem ligações com Nosso Lar, que se encontra em esferas superiores. Lá, ele tem como mentores o Instrutor Druso, que é diretor da instituição, e especialmente o Assistente Silas.

O livro conta diversas histórias, entre elas está o caso Antônio Olímpio. Logo após seus pais desencarnarem, herdou ele boa fortuna, mas que teve que dividir com seus dois irmãos, Carindo e Leonel. Inconformado com isso, certo dia, convidou-os a uma pescaria, fê-los ficarem bêbados, e depois conduziu o barco a um local do rio em que a água se movimentava com violência. Aproveitou que o barco se movimentava descontroladamente, e empurrou seus dois irmãos bêbados no rio, o viu-os se afogarem. Quando chegou ao porto, disse que foi um terrível acidente. Ele, seu filho Luiz, ainda criança, e sua esposa Alzira não desfrutaram das posses como gostariam. Os dois irmãos desencarnados tornaram-se seus verdugos, fazendo com que Alzira, a esposa do homicida, ficasse louca e se suicidasse no mesmo rio da tragédia anterior. Oímpio também sofreu por causa de seu versugos obsessores. Tão logo desencarnou o homicida, foi perseguido pelos seus rivais. Seu filho, Luiz, ao herdar a herença também foi perseguido pelos inimigos de seu pai, quase atingiu a insanidade. Mas após longa drama, em que é narrada toda a história, e também o processo de recuperação dos dois obsessores, que trabalhavam juntos com diversas entidades malígnas, foram convertidos, e sujeitos a reencarnar em breve tendo Alzira como mãe.

Além dessa, André luiz, nesse livro, nos conta diversas outra histórias e ensinamentos passados pelos seus mentores.

Capítulos[editar | editar código-fonte]

  • Ante o Centenário (preâmbulo)
  1. - Luz nas sombras
  2. - Comentários do Instrutor
  3. - A intervenção na memória
  4. - Alguns recém-desencarnados
  5. - Almas enfermiças
  6. - No círculo de oração
  7. - Conversação preciosa
  8. - Preparativos para o retorno
  9. - A história de Silas
  10. - Entendimento
  11. - O Templo e o Parlatório
  12. - Dívida agravada
  13. - Débito estacionário
  14. - Resgate interrompido
  15. - Anotações oportunas
  16. - Débito aliviado
  17. - Dívida expirante
  18. - Resgates coletivos
  19. - Sanções e auxílios
  20. - Comovente surpresa

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um livro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.