ABC Futebol Clube

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
ABC
ABC FC (E) - RN.svg
Nome ABC Futebol Clube
Alcunhas O Mais Querido
Alvinegro Potiguar
Clube do Povo
Decacampeão
Elefante da Frasqueira
Maior do RN
Recordista Brasileiro de Titulos
Torcedor/Adepto Abcedista
Alvinegro
Mascote Elefante
Fundação 29 de junho de 1915 (99 anos)
Estádio Frasqueirão
Capacidade 15.800[1]
Localização Brasão de Natal.svg Natal, Rio Grande do Norte RN,  Brasil
Presidente Brasil Rubens Guilherme Dantas
Treinador Brasil Zé Teodoro
Patrocinador Brasil Caixa Econômica Federal
Brasil EMS Pharma
Brasil Ecocil
Brasil Arte Digitall
Brasil Brahma
Brasil Unimed
Brasil Timemania
Brasil Drogaria Santa Fé
Brasil Ster Bom
Brasil Tintas Luxor
Material esportivo Brasil Lupo
Competição BandeirasNordesteBrasil.gif Copa do Nordeste
Rio Grande do Norte Campeonato Potiguar
Brasil Copa do Brasil
Brasil Campeonato Brasileiro
Divisão Rio Grande do Norte Primeira Divisão
Brasil Série B
Rio Grande do Norte 2014
Brasil CB 2014
Brasil B 2014
4º lugar
Em Andamento
Em Andamento
BandeirasNordesteBrasil.gif 2013
Rio Grande do Norte 2013
Brasil CB 2013
Brasil B 2013
8º (Quartas–de–final)
3º colocado
3ª Fase
14º colocado
Rio Grande do Norte 2012
Brasil B 2012
Brasil CB 2012
2º colocado
12º colocado
2ª Fase
Ranking nacional Aumento 29º lugar, 4.876 pontos
Website abcfc.com.br
Kit left arm abc14h.png Kit body abc14h.png Kit right arm abc14h.png
Kit shorts abc14h.png
Kit socks.png
Uniforme
titular
Kit left arm abc14a.png Kit body abc14a.png Kit right arm abc14a.png
Kit shorts abc14a.png
Kit socks.png
Uniforme
alternativo
editar

ABC Futebol Clube é uma associação esportiva brasileira, fundada como clube de futebol por um grupo de jovens da elite potiguar no dia 29 de junho de 1915, no bairro da Ribeira, na cidade de Natal.

O ABC é a equipe brasileira com o maior número de títulos estaduais conquistados, são 52 ao todo. E além disso, é junto ao América Mineiro, o recordista de conquistas estaduais consecutivas, sendo dez vezes campeão entre os anos de 1932 e 1941. Entre clubes do Nordeste, é o sexto melhor colocado no Ranking Nacional da CBF, sendo o primeiro entre os clubes potiguares, ocupando atualmente a vigésima nona colocação.[2]

Trata-se também do único clube do Rio Grande do Norte, e um dos poucos da Região Nordeste a possuir estádio próprio: o Estádio Maria Lamas Farache, conhecido informalmente como Frasqueirão, construído com o objetivo de ser a nova casa do clube, e inaugurado em 22 de janeiro de 2006.

O Mais Querido é um dos clubes que mais crescem no Nordeste, possui hoje um dos maiores programas sócio-torcedor do Norte, Nordeste e Centro-Oeste, com mais de 11 mil sócios cadastrados entre adimplentes e inadimplentes.

Além disso, está, segundo o instituto Datafolha, entre as 47 maiores torcidas do Brasil, sendo a maior torcida do Rio Grande do Norte. Nessa mesma pesquisa, o clube aparece como a 27ª maior torcida do Brasil.[3]

É o clube potiguar que mais recebeu apostas de Time do Coração na loteria Timemania, da Caixa Econômica Federal, nos anos de 2009,[4] 2010 [5] , 2011[6] e 2012[7] , atualmente é o quarto lugar do Nordeste e o décimo oitavo do Brasil.

O historiador potiguar Luís da Câmara Cascudo chegou a criar um frase antológica sobre o time:

Cquote1.svg Numa cidade chamada Natal existe um povo chamado ABC. Cquote2.svg

Em 21 de julho de 2008 foi sancionada na cidade de Natal a lei n.º 9 107/2008, na qual fica definido que no dia 29 de junho de cada ano será comemorado o "Dia do ABC Futebol Clube" homenageando, dessa maneira, a data de fundação do mesmo.[8]

História[editar | editar código-fonte]

O início[editar | editar código-fonte]

No dia 29 de junho de 1915, mais precisamente às 13 horas, jovens da elite do Rio Grande do Norte reuniram-se na avenida Rio Branco, aos fundos do Teatro Carlos Gomes, hoje Alberto Maranhão, para decidir sobre a criação da primeira equipe de futebol do Rio Grande do Norte. A reunião para oficializar a fundação do clube ocorreu na residência do coronel Avelino Alves Freire - respeitado comerciante e presidente da Associação Comercial do RN.

A primeira providência do encontro foi a de escolher um nome para a agremiação que nascia. E, por sugestão do sócio - fundador José Potiguar Pinheiro, o primeiro clube do RN adotou o nome de ABC Futebol Clube, aprovado por unanimidade. O conjunto de letras ABC prestou uma justa homenagem ao pacto de amizade fraternal, amparado diplomaticamente pelos países Argentina, Brasil e Chile, que visava a cooperação mútua entre esses três países e fora sacramentada com a assinatura do Pacto do ABC, cujas letras fazem referência às iniciais dos três países.

Ainda ficou decidido, por proposta do filho do coronel Avelino Freire, João Emílio Freire, que as cores preto e branco seriam adotadas como oficias pelo clube a partir daquele momento.

Depois disso, foi a hora de eleger os homens que teriam a honra de participar da primeira diretoria do alvinegro. E ela foi assim composta: João Emílio Freire — presidente, José Potiguar Pinheiro — vice-presidente, Manoel Dantas Moura — 1º secretário, Solon Rufino Aranha — 2º secretário, Avelino Freire Filho — tesoureiro, e José dos Santos — diretor de esportes. Esses valorosos homens ficaram à frente do ABC, no período de 29 de junho 1915 a 3 de junho de 1916.

Uma curiosidade muito importante e que é interessante de ser destacada é o fato de que embora tenha sido fundado em 1915, o ABC Futebol Clube só adquiriu personalidade jurídica a partir de 13 de dezembro de 1927, quando a Liga de Futebol registrou seus estatutos.[9] Todavia, o clube, assim como seus torcedores consideram o nascimento do mesmo no ano de 1915.

Primeiro jogo oficial[editar | editar código-fonte]

Os pesquisadores do futebol no RN consideram como a primeira partida disputada em solo potiguar, o ABC x América de Natal que foi jogado no dia 26 de setembro de 1915, num campo improvisado onde hoje fica a praça Pedro Velho (praça Cívica), na época chamada de Vila Cincinati. Os dois clubes haviam sido fundados poucas semanas antes. O resultado foi uma goleada do ABC por 4 x 1, gols de Mousinho (2), Bigois e Nóbrega para o ABC. Para o América-RN, marcou Neco. O time do ABC foi formado com Avelino, Batalha e Borges, Cabral, Paraguai e Freire, Bigois, Moacir, Mousinho, Nóbrega e Moura. O América com Oscar Siqueira, Lélio e Gato, Carvalho, Gallo e Barros, Antônio, Carlos Siqueira, Neco, Garcia e Pipiu. O Árbitro da partida foi Júlio Meira e Sá, auxiliado pelos bandeiras Manoel Gomes e Aguinaldo Fernandes. Vale salientar que o ABC, nesse jogo, atuou com o time reserva (segundo quadro como era chamado), enquanto que o América com a sua equipe principal (primeiro quadro).

Entretanto, há indícios de que teria ocorrido uma partida entre o ABC e outro clube da capital potiguar, o Natal E.C. (hoje extinto), no mesmo Campo da Praça Pedro Velho em 19 de setembro de 1915, com um placar de impressionantes 13 a 1 a favor do ABC. Ou seja, este seria de fato o primeiro jogo de futebol disputado no Rio Grande do Norte.

O Decacampeonato[editar | editar código-fonte]

Entre os anos de 1932 e 1941, o ABC conseguiu montar grandes times, e, dessa forma, sagrou-se decacampeão potiguar, feito nunca antes conquistado por um time do Rio Grande do Norte. E, no cenário nacional, igualou-se ao América-MG. Ou seja, além de ser o clube com o maior número de conquistas estaduais em termos absolutos, o ABC detém o recorde de títulos de forma consecutiva.

Contudo, nenhum jogador alvinegro participou de todas estas conquistas. O que conseguiu ganhar mais títulos estaduais no Rio Grande do Norte foi Mário Crise, que jogou pelo Mais Querido entre os anos de 1929 e 1938, conseguindo dessa forma 9 títulos.

Pioneirismo Nacional[editar | editar código-fonte]

No ano de 1959 surgia no cenário brasileiro a primeira competição de âmbito nacional. Era a Taça Brasil. Competição que reunia os maiores clubes de cada federação com o objetivo de disputar o título mais cobiçado da época. Além disso, o campeão e o vice da competição conseguiam o direito de disputar a Copa Libertadores da América, que teve sua origem no Congresso da Confederação Sul-Americana de Futebol (CONMEBOL) realizado no Rio de Janeiro em 1958.

Nesse contexto ficou definido que a Federação Norte-rio-grandense de Futebol, assim como as demais, teria o direito de indicar um participante por ano para a disputa da Taça Brasil. Dessa forma, o ABC Futebol Clube, por ter vencido o estadual, teve a honra de ser a primeira equipe a representar o Rio Grande do Norte em uma competição nacional. E, além dessa participação, o ABC disputou mais seis vezes a competição até ela ser definitivamente extinta no ano de 1968.

Excursão no Exterior[editar | editar código-fonte]

Em 1972, quando disputava o Campeonato Brasileiro, promovido pela então CBD (Confederação Brasileira de Desportos) hoje CBF, o ABC foi punido com dois anos de suspensão por ter incluído em sua equipe dois jogadores sem a devida regularização junto à Confederação (fato que nos dias atuais gera a perda de "apenas" três pontos), foram eles os atletas Rildo e Marcílio, em um jogo contra a equipe do Botafogo.

Devido ao fato de não poder atuar em competições nacionais, a única saída para o Mais Querido foi realizar uma excursão no exterior. Após um início irregular, o time engrenou e conseguiu ficar invicto nos 14 últimos jogos da série. Seleções como a da Romênia, Somália, Etiópia e Líbano sofreram nos pés de craques como Sabará, Maranhão, Alberí, Danilo Menezes e Jorge Demolidor. Foram mais de 100 dias jogando em gramados da Europa, Ásia e África. Resultado: 24 jogos, 7 vitórias, 12 empates e 5 derrotas.

Após retornar, no dia 18 de dezembro de 1973, o ABC enfrentou mais uma vez uma equipe estrangeira em um jogo amistoso. Agora era a vez da União Soviética encarar o time alvinegro que, depois de 105 dias poderia reencontrar sua torcida em um Machadão lotado. E apesar do empate em 2 x 2, (gols de Alberi e Demolidor para o Mais Querido, Onishenko e Fedetov para os vermelhos) os moradores da cidade saíram em festa pela volta do clube do coração após tanto tempo.

Jogos da Campanha ABCdista no Exterior[10]
Brasil ABC 1–0 Turquia Fenerbahçe
Brasil ABC 2–3 Turquia Altay
Brasil ABC 0–0 Turquia Vestel Manisaspor
Brasil ABC 0–2 Grécia Panathinaikos
Brasil ABC 0–0 Grécia Kastoria
Brasil ABC 1–1 Flag of Romania.svg Romênia
Brasil ABC 3–3 Roménia Argeş Piteşti
Brasil ABC 0–1 Roménia Craiova
Brasil ABC 0–4 Roménia Rapid Bucureşti
Brasil ABC 0–2 Roménia Constanza
Brasil ABC 1–0 Bósnia e Herzegovina Željezničar Sarajevo
Brasil ABC 0–0 Bósnia e Herzegovina Iskra Bugojno
Brasil ABC 0–0 Sérvia Bor
Brasil ABC 1–1 Flag of Lebanon.svg Líbano
Brasil ABC 6–2 Flag of Ethiopia.svg Etiópia (seleção de novos)
Brasil ABC 0–0 Flag of Ethiopia.svg Etiópia
Brasil ABC 3–0 Somália Horseed
Brasil ABC 4–0 Somália Kifnave
Brasil ABC 1–1 Flag of Somalia.svg Somália
Brasil ABC 2–0 Flag of Uganda.svg Uganda
Brasil ABC 0–0 Uganda Express
Brasil ABC 4–0 Uganda Arms
Brasil ABC 1–1 Tanzânia Norogoró
Brasil ABC 0–0 Flag of Tanzania.svg Tanzânia

"A era Frasqueirão"[editar | editar código-fonte]

O estádio Maria Lamas Farache, conhecido popularmente como Frasqueirão, foi sem dúvidas um divisor de águas na história do mais querido. Inaugurado no dia 22 de janeiro de 2006, após cinco anos de obras, veio concretizar um sonho da torcida alvinegra: ter uma casa própria. A partir da sua construção o clube conseguiu dar uma reviravolta em pouco tempo. Mesmo não tendo conseguido participar de nenhuma divisão do campeonato brasileiro no ano de estreia do estádio, o clube do povo colecionou glórias nos anos que se seguiram.

Já no ano seguinte a inauguração ocorreu a vitória mais importante do ABC sobre seu maior rival, o América, por um placar de 5 a 2, levando à conquista do primeiro título abcdista no seu estádio. No final do mesmo ano a equipe conseguiu o acesso à Série B, a qual não disputava havia 6 anos. No outro ano o alvinegro potiguar conseguiu o bicampeonato estadual no Frasqueirão ao empatar em 2 a 2 com o Potiguar.

Primeiro Título Nacional do RN[editar | editar código-fonte]

No dia 20 de novembro de 2010, o ABC conquistou o primeiro título mais importante da história do futebol potiguar, ao sagrar-se campeão Brasileiro de Futebol da Série C.

A decisão foi disputada contra a equipe do Ituiutaba em sistema de ida-e-volta e, por ter ganho o primeiro jogo fora de casa por um placar de 1 x 0 com gol de Cascata aos 26' do segundo tempo, o ABC ficaria com a taça mesmo em caso de empate, e foi o que aconteceu. Sob um placar de 0 X 0 o mais querido tornou-se o primeiro clube norte-riograndense a conquistar um título em nível nacional.

O time que jogou essa partida foi: Welligton, Sueliton, Tiago Garça, Leonardo e Renatinho Potiguar; Basílio, Ricardo Oliveira (Éverton Cezar), Pio e Jackson (Claudemir); Cascata (João Paulo) e Leandrão. Esses jogadores, sob o comando do técnico Leandro Campos entraram para sempre na memória do torcedor abcdista.

Símbolos[editar | editar código-fonte]

Escudo[editar | editar código-fonte]

De acordo com o estatuto do clube, o símbolo máximo do alvinegro potiguar é constituído em sua maior parte nas cores preta e branca, que são as suas cores oficiais. O escudo é constituído de uma faixa transversal branca com os dizeres ABC F. C. e, tanto acima quanto a baixo, por regiões de cor preta, nas quais estão localizadas cinco estrelas. Quatro no canto superior esquerdo, as quais representam os campeonatos de futebol conquistados no ano de 1954 e uma estrela maior no canto inferior direito que simboliza a conquista do campeonato do futebol profissional no ano do sesquicentenário da Independência do Brasil. A estrela dourada sobre o escudo simboliza o título brasileiro da Série C conquistado em 2010 pelo clube alvinegro.

Bandeira[editar | editar código-fonte]

A bandeira oficial do ABC, tem as cores no sentido horizontal, com três faixas, sendo as faixas superior e a inferior brancas e a do centro, preta, ficando o nome do clube em branco na faixa central da bandeira. Na faixa branca superior aparecem quatro estrelas amarelas localizadas à esquerda. Na faixa inferior branca, uma estrela maior no canto direito, lembrando as estrelas do escudo.

Hino[editar | editar código-fonte]

Foi composto por sugestão dos abecedistas José Cortez Pereira, Aldo Medeiros e outros, em 1962, por Claudiomiro Batista de Oliveira (o Dozinho). O frevo-canção "O MAIS QUERIDO" tornou-se a canção preferida dos torcedores alvinegros nos campos de futebol e rádios, embora já existisse o hino oficial escrito e composto em 1916. "O MAIS QUERIDO" foi gravado também em 1962, em LP, na fábrica Rozemblit, em Recife (PE), pelo cantor pernambucano Claudionor Germano.

Dozinho, que é funcionário público federal aposentado, é ainda o autor dos hinos do América de Natal (Salve, o América), produzido em 1956, na gestão do presidente Humberto Nesi, e do Alecrim (1980), na administração do presidente João Bastos Santana. São também de sua autoria os hinos do Lyons Club de Natal e do Automóvel Clube Potiguar.[11]

Mascote[editar | editar código-fonte]

O mascote do ABC é o elefante. Até o final da década de 90 o alvinegro não possuía um mascote oficial, mas os torcedores e a imprensa potiguar acabaram, elegendo o paquiderme por representar a robustez do clube natalense. Ademais, o animal foi escolhido pois o estado do Rio Grande do Norte tem um formato parecido com a silhueta de um elefante. Porém, durante a gestão do Presidente Judas Tadeu Gurgel (não se sabe precisamente em que ano), o elefante foi oficializado como mascote do clube. Em 2010, o Departamento de Marketing do ABC, seguindo o receituário de Flamengo e Santos, "deu vida" ao mascote, criando os personagens Fantão e Fantinho, que fazem a alegria da torcida nas preliminares e nos intervalos dos jogos.

Uniformes[editar | editar código-fonte]

Uniformes atuais[editar | editar código-fonte]

  • 1º - Camisa branca com listras cinzas, calção e meias brancas;
  • 2º - Camisa branca com listras pretas, calção e meias pretas.
  • 3º - Camisa roxa com listras pretas, calção e meias pretas.
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme

Uniformes dos goleiros[editar | editar código-fonte]

Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
'
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
'

Outras Temporadas[editar | editar código-fonte]

  • 2013
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3º Uniforme
  • 2012
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Primeiro
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Segundo
  • 2011
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Primeiro
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Segundo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Terceiro
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Quarto
  • 2010
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Primeiro
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Segundo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Terceiro

Sedes e estádio[editar | editar código-fonte]

Estádio Frasqueirão[editar | editar código-fonte]

Fachada Estádio Frasqueirão

Localizado na Rota do Sol, mais precisamente no bairro de Ponta Negra, região nobre da cidade de Natal, o estádio do ABC ocupa 25.000 m² de um total de 110.000 m² da Vila Olímpica Vicente Farache.

Com capacidade para 18.000 torcedores, o Estádio Maria Lamas Farache, também conhecido como Frasqueirão, foi inaugurado no dia 22 de janeiro de 2006 em uma partida amistosa realizada entre ABC e Alecrim, tendo esta terminado em um empate por 1 x 1, com gols de Da Cunha para o Alecrim e Kel para o ABC. Todavia, o gol inaugural do estádio foi marcado pelo maior ídolo abcdista Alberí antes do jogo.

Seu recorde de público na partida final do Campeonato Potiguar de 2010, realizada entre ABC e Coríntians de Caicó. Neste jogo estiveram presentes nada menos que 17.857 pessoas, dos quais 16.150 representavam o público pagante.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Nacionais[editar | editar código-fonte]

(2010)

Estaduais[editar | editar código-fonte]

Rio Grande do Norte Campeonato Potiguar: 52

(1920, 1921, 1923, 1925, 1926, 1928, 1929, 1932, 1933, 1934, 1935, 1936, 1937, 1938, 1939, 1940, 1941, 1944, 1945, 1947, 1950, 1953, 1954, 1955, 1958, 1959, 1960, 1961, 1962, 1965, 1966, 1970, 1971, 1972, 1973, 1976, 1978, 1983, 1984, 1990, 1993, 1994, 1995, 1997, 1998, 1999, 2000, 2005, 2007, 2008, 2010, 2011)

Rio Grande do Norte Torneio Início: 34

(1927, 1928, 1930, 1931, 1935, 1936, 1937, 1938, 1939, 1940, 1941, 1942, 1944, 1945, 1946, 1950, 1951, 1954, 1957, 1958, 1960, 1962, 1963, 1965, 1967, 1973, 1978, 1980, 1983, 1990, 1992, 1993, 1994 e 1998)

Rio Grande do Norte Copa RN: 3

(2005, 2008 e 2011)

Rio Grande do Norte Taça Cidade do Natal: 7

(1971, 1978, 1983, 1984, 1990, 2010 e 2012)

Outras Conquistas[editar | editar código-fonte]

Campanhas de Destaque[editar | editar código-fonte]

Vice-Campeão da Copa Cidade do Natal: 2014

  • Vice-Campeão da Serie B do Campeonato Potiguar (Participou Como Convidado): 2011

Títulos das Categorias de Base[editar | editar código-fonte]

Campanhas de Destaque[editar | editar código-fonte]

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Temporadas[editar | editar código-fonte]

  • Para visualizar todas as temporadas, clique em anexo.
Últimas dez temporadas
Ano Campeonato Brasileiro Copa do Brasil Copa do Nordeste Campeonato Estadual
Div. Pos. J V E D GP GC Fase Máxima Fase Máxima Pos.
2005 C 12º 10 4 3 3 10 9 (48)
2006 2ª Fase
2007 C 32 19 4 9 49 39 (49)
2008 B 13º 38 12 12 14 55 57 1ª Fase (50)
2009 B 20º 38 10 5 23 40 66 2ª Fase
2010 C 14 7 5 2 19 8 Final (51)
2011 B 10º 38 13 14 11 52 53 2ª Fase (52)
2012 B 12º 38 11 12 15 50 52 2ª Fase
2013 B 14º 38 13 7 18 45 58 3ª Fase Quartas-de-final (8º)
2014 B A disputar A disputar


Legenda:
     Campeão
     Vice-campeão
     Classificado à Copa Libertadores da América
     Classificado à Copa Sul-Americana
     Rebaixado à Série C
     Acesso à Série B

Recordes[editar | editar código-fonte]

Recordes nacionais[editar | editar código-fonte]

  • Clube brasileiro que possui a maior quantidade de títulos estaduais — 52 títulos homologados pela FNF.
  • Clube brasileiro que tem mais títulos consecutivos - dez campeonatos estaduais (de 1932 a 1941).
  • Clube brasileiro que fez a mais longa excursão ao exterior — 104 dias (de 25 de agosto de 1973 a 6 de dezembro de 1973 pela Europa, Ásia e África).
  • Clube brasileiro que conquistou mais títulos no século (até 31 de dezembro de 2000) — 47 títulos (Revista Placar de dezembro de 2007, que levou em consideração todas as principais competições disputadas pelos clubes brasileiros no século).
  • Clube brasileiro que possui a maior invencibilidade em jogos de estréia de campeonatos estaduais – 52 anos de invencibilidade (de 1957 a 2008).


Artilharia[editar | editar código-fonte]

Pos.

Jogador

Período

Nº de gols

01º

Jorginho

1946-1965

219

02º

Alberi

1968-1983

210

03º

Paulo Izidro

1950-1960

104

04º

Ivan

1995-2010

102

05º

Xixico

1930-1942

94

06º

Albano

1939-1954

93

07º

Sérgio Alves

1998-2005

87

08º

Mota

1954-1961

87

09º

Marinho Apolônio

1982-1989

82

10º

Cocó

1958-1969

80

Atletas históricos[editar | editar código-fonte]

Legenda: Em negrito jogadores que fazem parte do atual elenco

Goleiros
Brasil Edgar
Brasil Erivan
Brasil Hélio Show
Brasil Jorge Pinheiro
Brasil Lulinha
Brasil Michel Schumacher
Brasil Ribamar
Defensores
Brasil Alexandre Mineiro
Brasil Ben-Hur
Brasil Capitão Romildo
Brasil Edson
Brasil Gageiro
Brasil Marinho Chagas
Brasil Nêgo
Brasil Nonato
Brasil Sabará
Meio-campistas
Brasil Alberi
Brasil Basílio
Brasil Bileu
Brasil Cadinha
Brasil Cascata
Uruguai Danilo Menezes
Brasil Dedé de Dora
Brasil Dequinha
Brasil Jorginho
Brasil Maranhão
Brasil Marinho Apolônio
Brasil Noé Soares
Brasil Ricardo Oliveira
Brasil Sérgio China
Atacantes
Brasil Albano
Brasil Barata
Brasil Cabo João
Brasil Ivan
Brasil João Paulo
Brasil Joãozinho
Brasil Jorge Demolidor
Brasil Odilon
Brasil Paulo Izidro
Brasil Reinaldo
Brasil Robgol
Brasil Rodrigo Silva
Brasil Sérgio Alves
Brasil Silva
Brasil Wallyson
Brasil Xixico


Elenco[editar | editar código-fonte]

Elenco atual[editar | editar código-fonte]

Elenco atualizado em 24 de julho de 2014 [12] [13]

Legenda:

  • Capitão: Capitão
  • Jogador Lesionado: Jogador contundido
  • +: Jogador em fase final de recuperação
  • Não regularizado: Jogador não regularizado junto à CBF
  • Suspenso: Jogador suspenso
  • Prata da casa: Prata da casa


Goleiros
Jogador
Brasil Bruno Fuso
Brasil Camilo Jogador Lesionado
Brasil Edilson Guerra
Brasil Gilvan Capitão
Brasil Willian Prata da casa
Defensores
Jogador Pos.
Brasil Diego Jussani Z
Brasil Jerfeson Prata da casa Z
Brasil Marlon Z
Brasil Róbson Z
Brasil Samuel Z
Brasil Suéliton Z
Brasil Vinicius Prata da casa Z
Brasil Madson LD
Brasil Patrick LD
Brasil Renato LD
Brasil Ayrton Prata da casa LE
Brasil Luciano Amaral LE
Meio-campistas
Jogador Pos.
Brasil Daniel Amora V
Brasil Fábio Bahia V
Brasil Jardel Prata da casa V
Brasil Liel V
Brasil Marcel V
Brasil Michel Benhami V
Brasil Renan Silva Jogador Lesionado V
Brasil Somália V
Brasil Bebeto Prata da casa M
Brasil Jandson Chiclete Prata da casa M
Brasil Júnior Timbó M
Brasil Moisés Prata da casa M
Brasil Rogerinho Jogador Lesionado M
Brasil Xuxa M
Atacantes
Jogador
Brasil Berguinho Prata da casa
Brasil Beto
Brasil Dênis Marques Jogador Lesionado
Brasil Gilmar
Brasil João Henrique Jogador Lesionado
Brasil João Paulo
Brasil Jones
Brasil Leozinho Prata da casa
Brasil Lúcio Flávio
Brasil Rodrigo Silva
Comissão técnica
Nome Pos.
Brasil Zé Teodoro T

Emprestados[editar | editar código-fonte]

Jogadores emprestados
Pos. Jogador Clube de destino e período Ref.
Z Brasil Lucas Silva Brasil União Barbarense, até 27/05/2014 [1]
LE Brasil Marcílio Brasil Botafogo-PB, até 30/11/2014 [2]
M Brasil Erivélton Brasil Central, até 30/11/2014 [3]
A Brasil Alvinho Brasil Remo, até 30/11/2014 [4]
A Brasil Felipe Alves Brasil São Luiz, até 06/05/2014 [5]

Empréstimos[editar | editar código-fonte]

Jogadores de empréstimos
Pos. Jogador Clube de origem e período Ref.
G Brasil Bruno Fuso Brasil Ponte Preta, até 31/12/2014 [6]
Z Brasil Diego Jussani Brasil São Bernardo, até 30/11/2014 [7]
Z Brasil Suéliton Brasil CSP, até 30/11/2014 [8]
LD Brasil Madson Brasil Bahia, até 30/11/2014 [9]
LD Brasil Patrick Brasil América Mineiro, até 31/12/2014 [10]
LD Brasil Renato Brasil Sport, até 31/12/2014 [11]
V Brasil Liel Brasil Penapolense, até 31/12/2014 [12]
A Brasil Beto Brasil Avaí, até 30/11/2014 [13]
A Brasil João Paulo Coreia do Sul Incheon United, até 30/11/2014 [14]

Transferências - Intertemporada[editar | editar código-fonte]

Legenda

Comissão Técnica[editar | editar código-fonte]

Comissão
Nome Função
Brasil Zé Teodoro Técnico
Brasil Zé do Carmo Auxiliar Técnico
Brasil Márcio Rocha Auxiliar Técnico
Brasil Flávio Paiva Preparador Físico
Brasil Ranielle Ribeiro Preparador Físico
Brasil Júlio Aranha Treinador de Goleiros
Brasil Leonardo Mota Médico
Brasil Roberto Vital Médico
Brasil Rodrigo Braga Médico
Brasil Gabriel Mentgs Nutricionista
Brasil Ronnie Peterson Fisioterapeuta
Brasil Júlio Vasquez Fisioterapeuta
Brasil Marcelo Henrique Fisiologista
Brasil Janilson Ribeiro Massagista
Brasil Wellington Cruz Massagista
Brasil João Bernardo Mordomo
Brasil Raimundo Gomes Mordomo
Brasil Cleber Romualdo Gerente de Futebol
Brasil Leonardo Queiroz Supervisor de Futebol


Diretoria[editar | editar código-fonte]

Comissão
Nome Função
Brasil Rubens Guilherme Dantas Presidente
Brasil Silvio de Araújo Bezerra Vice-presidente
Brasil Rogério Marinho Vice-presidente Administrativo e Financeiro
Brasil Paulo Tarcisio Vice-presidente de Patrimônio e Obras
Brasil Pe. Antonio Murilo Vice-presidente de Responsabilidade Social
Brasil Fred Menezes Vice-presidente de Esportes Olímpicos
Brasil José Wilson Vice-presidente Jurídico
Brasil Bira Marques Vice-presidente de Futebol
Brasil Paiva Torres Vice-presidente Comercial e de Marketing
Brasil Stênio Dantas Superintendente de Marketing
Brasil Íves Bezerra Presidente do Conselho Deliberativo
Brasil Fernando Vasconcelos Vice-Presidente do Conselho Deliberativo
Brasil Maria Pia Secretária do Conselho Deliberativo


Grandes Treinadores[editar | editar código-fonte]

  • Brasil Ferdinando Teixeira – Por cinco vezes campeão estadual com o clube alvinegro (1984, 1995, 1999, 2007 e 2008.) o treinador potiguar entrou para história do ABC. Em 2007 a equipe não estava bem no Estadual e em pleno Frasqueirão o alvinegro foi goleado por 5 a 0 pela equipe do ASSU, então Ferdinando assumiu o comando do time alvinegro e posteriormente conquista o 49º título estadual do clube abcedista em um jogo histórico onde o ABC goleia seu maior rival por 5 X 2 no estádio Frasqueirão. Série C de 2007 a difícil competição tinha 64 clubes, numa campanha emocionante que seguiu indefinida até o final o ABC conseguiu o acesso para Série B - 2008 vencendo o último jogo contra o então campeão Bragantino por 2 X 1 no Frasqueirão terminando em 4° lugar no quadrangular final do campeonato, assim o ano de 2007 ficou eternizado na história do ABC e conhecido como "O Ano da Virada".
  • Brasil Leandro Campos – Um dos mais vitoriosos treinadores da história do futebol potiguar, Leandro Campos chega ao ABC em 2010 no início do segundo turno do campeonato potiguar, levando o clube a conquista invicta do turno e consequentemente à final do campeonato, vencendo a final contra a equipe do Corintians de Caicó por um placar total de 6 X 3. Na Série C, fez história ao conquistar o primeiro título de nível nacional do futebol potiguar levando o ABC a conquista do Campeonato Brasileiro da Série C de 2010. No mesmo ano com uma grande campanha levando o ABC ao vice-campeonato do "Nordestão 2010". No ano de 2011, vive situação curiosa, ao perder a final do primeiro turno diante do Santa Cruz-RN, Leandro acaba entregando seu cargo de treinador no clube, porém voltando uma semana após a decisão, pois o ABC não havia conseguido sucesso na contratação do seu substituto, assim acabando aceitando o pedido da diretoria alvinegra para o seu retorno. Conquista novamente de forma invicta o segundo turno, chegando a mais uma final de campeonato, novamente contra o Santa Cruz, dessa vez vencendo por um placar total de 3 X 2, levando o Mais Querido ao 52º título estadual de sua história. Na Série B, com uma irregular campanha, novamente entrega seu cargo de treinador após derrota na décima sexta rodada. Sendo substituído pelo treinador Guto Ferreira, que não conseguiu reverter a situação, logo sendo demitido com a pressão da torcida. Pouco tempo após, Leandro Campos volta ao ABC, aceitando um novo pedido e sendo bem aceito de volta pelo torcedor, dessa vez melhorando a campanha do ABC, terminando o campeonato em 10º colocado.
  • Brasil Roberto Fernandes - Conhecido por ter nunca perdido para o ABC na época que treinava o rival América de Natal, Roberto Fernandes fez história no alvinegro ao fazer um incrível campanha que tirou o time da zona de rebaixamento após 26 rodadas e garantindo a permanência do Mais Querido na Série B de 2014 e atingindo uma marca histórica de cinco vitórias seguidas na competição. Roberto Fernandes ainda conseguiu vitórias importantes contra grandes adversários como Palmeiras (3 a 2) e Chapecoense (2 a 0). A permanência veio numa vitória por 1 a 0 diante do Avaí, o gol marcado pelo meia Erick Flores. Roberto Fernandes ficou no ABC até 2014 quando foi demitido após um início irregular na temporada.
  • Brasil Vicente Farache – Vicente foi o treinador que comandou o time alvinegro em seu histórico Decacampeonato em 1932, 1933, 1934, 1935, 1936, 1937, 1938, 1939, 1940, 1941. E deu nome ao complexo esportivo do ABC.

Rivalidade[editar | editar código-fonte]

ABC versus América de Natal[editar | editar código-fonte]

O Grande Rival do ABC é o América de Natal, que juntos protagonizam o chamado Clássico Rei.[14]

O clássico entre o alvinegro e o alvirubro tem esse nome pois estas são as equipes de maior tradição e conquistas do Rio Grande do Norte, seja no cenário regional ou brasileiro.

Dados históricos
Estatísticas do Clássico Rei
Número de jogos 510
Vitórias do ABC 177
Vitórias do América 173
Empates 160
Número de gols 1299
Gols marcados pelo ABC 673
Gols marcados pelo América 626
Maior goleada ABC 8 x 1 América (Campeonato Potiguar) - 14 de outubro de 1945.
Última Partida ABC 2 x 0 América, (Campeonato Brasileiro - Série B: 2014) - 3 de Maio de 2014
Gols do ABC: Dênis Marques Gol marcado aos 57 minutos de jogo 57', Gol marcado aos 64 minutos de jogo 64'

ABC versus Alecrim[editar | editar código-fonte]

  • Numero de Jogos: 256
  • Vitorias do ABC: 156
  • Vitorias do Alecrim: 39
  • Empates: 61
  • Maior Goleada: ABC 6x1 Alecrim (Campeonato Potiguar 2011) e Alecrim 1x6 ABC (Campeonato Potiguar 2012)

Rankings[editar | editar código-fonte]

Ranking da CBF[editar | editar código-fonte]

  • Posição: 29º (4876 pontos)[15]

Ranking Placar[editar | editar código-fonte]

  • Posição: 25º (65 pontos)[16]

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre ABC Futebol Clube

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]