ANA Aeroportos de Portugal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Aeroporto de Lisboa, com o logo da ANA, S.A.

Aeroportos de Portugal (ANA) é a autoridade dos aeroportos de Portugal. A ANA administra vários aeroportos, incluindo o maior aeroporto de Portugal, o Aeroporto da Portela em Lisboa. Está sediada na capital portuguesa e integra várias empresas do sector da aviação. Esta empresa nasceu em 1998 de uma alteração resultante da cisão da antiga Empresa Pública Aeroportos e Navegação Aérea em duas empresas distintas.

A empresa manteve o objectivo social de prestar serviço público aeroportuário de apoio à Aviação Civil passando o serviço público aeroportuário de apoio à navegação aérea civil a ser responsabilidade da Navegação Aérea de Portugal. O transporte aéreo continua a afirmar-se como um meio de transporte em expansão, assim sendo este grupo afirma-se estrategicamente, estando direcionado para a prestação de serviços com elevados padrões de qualidade, e com uma gestão orientada para o mercado e para a criação de valor.

Aeroporto do Porto

Os aeroportos de Lisboa (Portela), Faro, Porto (Francisco Sá Carneiro), Ponta Delgada (João Paulo II), Horta, Santa Maria e Flores têm a sua gestão, exploração e desenvolvimento a cargo da ANA, SA.

Empresas como a NAER (Novo Aeroporto), Portway (Handling de Portugal), ANAM (Aeroportos e Navegação Aérea da Madeira) e ADA (Administração de Aeroportos, em Macau), contam com uma participação da ANA Aeroportos de Portugal S.A. numa grande percentagem do seu capital.

História[editar | editar código-fonte]

1986-1989[editar | editar código-fonte]

Estamos nesta altura no final dos anos 80, e o tráfego aéreo mundial tem uma grande expansão económica. Esta foi para a ANA uma época de investimentos e de integração em órgãos internacionais. A sede da empresa e edifícios para os parceiros foram construídos, fizeram-se renovações em alguns aeroportos e sistemas de controle de tráfego aéreo. Actividades não aeroportuárias como estacionamentos, free shops, rent a car, foram desenvolvidas (História, 2006).

1986-1989[editar | editar código-fonte]

O fim dos anos 80 assistiu a uma forte expansão económica e do tráfego aéreo mundial e nacional. Para a ANA foi uma época de investimento nas infra-estruturas básicas, com a renovação dos sistemas de Controlo de Tráfego Aéreo e dos aeroportos de Lisboa, Porto e Faro. Cresceram também as altividades não aeroportuárias: free shops, rent a car, estacionamentos.

Data dessa altura a construção da sede da empresa e dos edifícios para os parceiros: transitários, concessionários e companhias aéreas. Foi ainda uma fase de integração em órgãos internacionais como o Eurocontrol, ICAA (Associação Internacional de Aeroportos Civis), ICAO (Organização Internacional de Aviação Civil) e AOCI (Conselho Internacional de Operadores Aeroportuários).

1990-1992[editar | editar código-fonte]

A década de 90 começou com a crise do Golfo, que teve um impacto na aviação e na economia mundial. Outras fontes de instabilidade foram a Guerra na Jugoslávia, a reunificação alemã e o desaquecimento da economia dos EUA. Estas circunstâncias significaram para a ANA o fim de um ciclo de investimentos autofinanciados, obrigando-a ao recurso ao crédito para suportar o seu desenvolvimento. Apesar dessas dificuldades, continuaram a ser reforçadas as infra-estruturas, com destaque para os aeroportos de Lisboa, Faro e Ponta Delgada e, na navegação aérea, o projecto Atlântico.

Em 1991 foi aprofundada a liberalização do mercado europeu, com o fim dos monopólios e do controlo tarifário, medidas que trouxeram grandes desafios. Para lhes fazer face, em 1992 a ANA procedeu a uma profunda reflexão, cujas palavras-chave – Cliente e Eficácia – nortearam o seu crescimento nos anos seguintes.

1993-1998[editar | editar código-fonte]

Dessa reflexão resultou uma reorientação da empresa no sentido da competitividade. Adoptou-se uma gestão descentralizada, que transferia capacidade de decisão para as várias áreas de negócio: os aeroportos, os centros de controlo de tráfego aéreo, a área de actividades comerciais e a área de estudos e projectos de infra-estrutura aeronáutica.

A estrutura organizativa ganhou simplicidade e eficácia. Foi instituída uma política tarifária capaz de atrair grandes clientes com uma melhor relação custo-benefício. Expandiu-se a rentabilização comercial dos aeroportos, com a atribuição de diversas concessões. Foi nesse período que a ANA afirmou a sua capacidade de prestar serviços a terceiros, no País e no exterior. Os aeroportos do Funchal e Macau foram os primeiros a confiar à empresa a sua gestão. O investimento em infra-estruturas prosseguiu, com melhoramentos nos vários aeroportos e na gestão do tráfego aéreo.

A uma fase de expansão económica e do tráfego, com intensa concorrência entre destinos e aeroportos, a ANA respondeu com um contínuo crescimento, coroado no ano da Expo 98 com um desempenho recorde, tanto em volume de negócios como no resultado líquido e nos investimentos. No final de 1998 a ANA Aeroportos, EP cindia-se em duas novas empresas, às quais deixava um legado de infra-estruturas, bons indicadores económicos e sociais e uma cultura de competitividade. Nascem a ANA - Aeroportos de Portugal, SA, voltada para a gestão aeroportuária, e a NAV, EP, para a navegação aérea.

1999-2004[editar | editar código-fonte]

A ANA, SA nascia num contexto de acelerada globalização, com um movimento cada vez mais intenso de bens e pessoas. A sua competitividade e a do País dependiam das respostas a essa nova realidade. Uma dessas respostas foi uma nova visão estratégica, que definiu a ANA como um grupo de referência nos serviços aeroportuários. Um grupo que integrava, entre outras empresas, a Portway, a operar desde 2000 no handling, e a NAER, criada em 1998 para levar à frente o novo aeroporto de Lisboa.

A construção do novo aeroporto fora decidida pelo Governo português não só para responder à anunciada saturação da Portela, mas para dotar o País de um pólo atlântico de ligação à Europa. Em 1999 foi definida a sua localização, e em 2000 o seu modelo: uma parceria público-privada, a articular com a privatização da própria ANA.

Entretanto, prosseguiram a expansão da Portela, com vistas a alcançar a sua plena capacidade, enquanto o Aeroporto Sá Carneiro ganhou um novo plano de desenvolvimento, vocacionando-se para servir todo o Nordeste ibérico. O Aeroporto da Madeira, uma proeza da engenharia, abriu o arquipélago às grandes aeronaves. E prosseguiria a remodelação do Aeroporto de Faro, visando convertê-lo no melhor aeroporto turístico da Península.

Essa orientação para a expansão e competitividade sofreu um sério revés com o 11 de Setembro. A crise na economia e na aviação levaram a uma forte perda de receitas, agravada pelo aumento dos custos com a segurança. A instabilidade internacional e as dificuldades económicas do País vieram pôr em causa os grandes projectos como o do novo aeroporto de Lisboa, suspenso pelo Governo em 2004.

Nesse contexto, ganhou ainda mais relevância a adopção de uma estrutura mais leve e com menores custos, capaz de partilhar recursos e procedimentos entre todo o grupo. Essa reestruturação, ocorrida entre 2002 e 2004, foi mais um passo na criação das condições indispensáveis à privatização.

2004, não tendo trazido a esperada retoma, foi o ano em que o tráfego nos aeroportos da ANA voltou a crescer. Para isso contribuiu o Euro 2004, mas também uma bem-sucedida estratégia comercial, com preços e incentivos flexíveis que atraíram novas companhias aéreas, em particular as low cost.

Privatização 2012[editar | editar código-fonte]

Em 27 de Dezembro 2012 o Governo português decidiu que a Vinci foi a vencedora do concorrido processo de privatização, tendo oferecido 3.080 milhões de euros.[1] No 21 de Fevereiro 2013 realizou-se assinatura do contrato promessa de compra, o Estado recebeu um sinal de 100 milhões de euros e ainda as garantias bancárias que atestam que a Vinci tem capacidade para pagar o restante valor.[2] [3] [4] O negócio terá agora de ser analisado pela Autoridade da Concorrência e da Direcção-Geral da Concorrência da União Europeia.[5]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. http://www.publico.pt/economia/noticia/vinci-paga-3080-milhoes-de-euros-para-comprar-a-ana-1578783#/0
  2. Estado assina amanhã contrato com a Vinci Diário Económico (20 de Fevereiro de 2013). Página visitada em 20 de Fevereiro de 2013.
  3. Governo assina amanhã contrato de venda da ANA Dinheiro Vivo (20 de Fevereiro de 2013). Página visitada em 20 de Fevereiro de 2013.
  4. Governo e Vinci assinam acordo de venda da ANA amanhã Jornal de Negócios (20 de Fevereiro de 2013). Página visitada em 20 de Fevereiro de 2013.
  5. RAQUEL ALMEIDA CORREIA (21 de Fevereiro de 2013). Venda da ANA “é um símbolo do empenho do Governo”, diz Vítor Gaspar Público. Página visitada em 22 de Fevereiro de 2013.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre Logística é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.