A Última Tentação de Cristo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
The Last Temptation of Christ
A Última Tentação de Cristo (PT/BR)
 Estados Unidos
 Canadá

1988 • cor • 164 min 
Direção Martin Scorsese
Produção Barbara De Fina
Harry Ulfland
Roteiro Nikos Kazantzakis
Paul Schrader
Elenco Willem Dafoe
Harvey Keitel
Paul Greco
Steve Shill
Barbara Hershey
David Bowie
Género drama
Idioma inglês
Música Peter Gabriel
Cinematografia Michael Ballhaus
Lançamento  Estados Unidos
12 de agosto de 1988
Orçamento US$7 milhões
Receita US$8,373,585
Página no IMDb (em inglês)

A Última Tentação de Cristo (no original em inglês: The Last Temptation of Christ) é um filme norte-americano de 1988, do gênero drama, dirigido por Martin Scorsese e com roteiro de Paul Schrader baseado no romance homônimo de Níkos Kazantzákis, publicado em 1951. É estrelado por Willem Dafoe como Jesus Cristo, Harvey Keitel como Judas Iscariotes, Barbara Hershey como Maria Madalena, David Bowie como Pôncio Pilatos, e Harry Dean Stanton como Paulo. O filme foi inteiramente rodado nos Marrocos.

Como o romance, o filme retrata a vida de Jesus Cristo e de sua luta com várias formas de tentação, incluindo medo, dúvida, depressão, relutância e luxúria. Isso resulta no livro e filme retratando Cristo sendo tentado imaginando-se envolvido em atividades sexuais, uma noção que tem causado indignação de alguns cristãos. O filme inclui um aviso explicando que se afasta da interpretação bíblica comumente aceita da vida de Jesus, e não se baseia nos Evangelhos.

Scorsese recebeu uma indicação ao Oscar de melhor diretor, e o desempenho da Hershey como Maria Madalena lhe valeu um Globo de Ouro de Melhor Atriz Coadjuvante, enquanto o desempenho do Keitel como Judas Iscariotes lhe rendeu um prêmio Framboesa de Ouro de Pior Ator Coadjuvante.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

O filme começa com um homem sussurrando em desespero, "O sentimento começa. Muito suave, muito amável. Então inicia a dor. Garras deslizam sob a pele e dilaceram sua súbita. Pouco antes delas alcançarem meus olhos, se enterram. E eu me lembro. Primeiro, fiz jejum por três meses. Até cheguei a me chicotear antes de dormir. No início funcionava. Porém, a dor voltou. E as vozes também. Elas chamam-me pelo nome: Jesus." Jesus de Nazaré (Willem Dafoe) é um carpinteiro na Judeia ocupada por Roma, dividido entre seus próprios desejos e seu conhecimento de que Deus tem um plano para ele. Este conflito resulta em auto-aversão, e ele colabora com os romanos para crucificar revolucionários judeus.

Judas Iscariotes (Harvey Keitel), originalmente enviado para matar Jesus por colaboração,[1] ao invés suspeita que Jesus é o Messias e pede a ele para liderar uma revolução contra os romanos. Jesus responde que a sua mensagem é o amor à humanidade; depois Judas se junta a Jesus em seu ministério, mas ameaça matá-lo se ele se desviar do propósito de ser um revolucionário. Jesus também tem um relacionamento anterior não revelado com Maria Madalena (Barbara Hershey), uma prostituta judia, que pede a ele para ficar com ela, um pedido que ele considera antes de sair para uma comunidade monástica. Jesus, mais tarde, salva Maria de uma multidão que se reuniu para apedrejá-la por sua prostituição e por trabalhando no sabá. Jesus obriga a multidão a poupar a vida dela, perguntando "Quem aqui nunca pecou?", Com Jesus oferecendo duas pedras. Mais tarde, ele prega à multidão usando muitas das parábolas do Sermão da Montanha.

Jesus adquire discípulos, mas permanece incerto de seu papel. Ele visita João Batista, que o batiza, e naquela noite os dois discutem suas diferentes teologias e visões políticas. João acredita que é preciso primeiro ganhar a liberdade dos romanos para conseguir seu fim, enquanto Jesus afirma que o amor é mais importante e as pessoas devem tender a assuntos espirituais. Jesus, então, vai para o deserto para testar a conexão de Deus com ele, lá ele é tentado por Satanás como uma cobra, um leão, e um pilar de fogo (dublado por Barbara Hershey, Harvey Keitel, e Leo Marks), mas resiste a cada um deles e, em vez vislumbra-se com um machado, sendo instruído por João Batista, em resposta ao dilema de de Jesus em escolher o caminho do amor (simbolizado pelo coração) ou o caminho da violência (representada pelo machado). Ele retorna do deserto à casa de Marta e Maria de Betânia (ambas irmãs de Lázaro), que lhe restauram a saúde e tentam convencê-lo de que a maneira de agradar a Deus é ter uma casa, um casamento e filhos. Jesus, então, aparece aos seus discípulos à espera de arrancar o seu coração e os convida a segui-lo. Com a confiança recém-descoberta, ele restaura a visão a um cego, transforma a água em vinho, e ergue Lázaro (Tomas Arana) do mundo dos mortos.

Eventualmente, seu ministério atinge Jerusalém, onde Jesus realiza a Limpeza do Templo e lidera um pequeno exército para capturar o templo a força, mas pára na escadaria para aguardar um sinal de Deus pelo que ele deve fazer em seguida. Ele começa a sangrar pelas mãos, onde reconhece como um sinal de que ele deve morrer na cruz para trazer a salvação para a humanidade. Confiando em Judas, ele convence o último a lhe entregar aos romanos, apesar de Judas inclinar-se contrário. Jesus reúne os seus discípulos para o sêder da Páscoa, mais tarde conhecida como a Última Ceia; depois Judas lidera um contingente de soldados para prender Jesus no jardim do Getsêmani, identificando-o com um beijo. Na luta para defender seu mestre, Pedro (Victor Argo) corta a orelha de Malco; quando então Jesus o reata e se entrega aos soldados. Pôncio Pilatos (David Bowie) confronta Jesus e lhe diz que ele deve ser condenado à morte porque representa uma ameaça ao Império Romano. Ele é flagelado e, posteriormente, uma coroa de espinhos é colocada em sua cabeça. Ele então é crucificado.

Enquanto na cruz, Jesus conversa com uma jovem que alega ser seu anjo da guarda (interpretada por Juliette Caton). Ela diz a ele que, enquanto Filho de Deus, ele não é o Messias, e que Deus está satisfeito com ele, e quer que ele seja feliz. Ela o trás da cruz e, invisível para os outros, o leva até Maria Madalena, a quem ele se casa. Logo estão esperando um filho e vivem uma vida idílica; Maria, porém, morre de forma abrupta, e Jesus é consolado por seu anjo; por isso ele toma Maria e Marta, as irmãs de Lázaro, como suas esposas. Ele começa uma família com elas, tem muitos filhos, e vivem uma vida em paz. Jesus é a próxima visita de um homem mais velho que se depara com o apóstolo Paulo pregando sobre o Messias e tenta dizer a Paulo que ele é o homem sobre quem Paulo foi pregar. Paulo (que neste filme matou o Lázaro ressuscitado) o repudia, dizendo que, mesmo se Jesus não tivesse morrido na cruz, a sua mensagem era a verdade, e nada o impediria de o proclamar. Jesus o debate, afirmando que a salvação não pode ser fundada em mentiras.

Perto do fim de sua vida, um Jesus idoso convida seus antigos discípulos para seu leito de morte. Pedro, Natanael, e João cicatrizado visitam seu mestre quando Jerusalém está no auge da rebelião; depois Judas vem por último e revela que o anjo jovem que o retirou da crucificação era, na verdade, Satanás. Rastejando de volta através da cidade de Jerusalém em chamas, Jesus chega ao local de sua crucificação e implora a Deus para deixá-lo cumprir seu propósito e "deixá-lo ser o filho de Deus."

Jesus, então, encontra-se mais uma vez na cruz, tendo superado a "última tentação" de escapar da morte, ser casado e criar uma família, e do desastre que se seguiu, que teria, consequentemente, abrangido a humanidade. Nu e sangrento, Jesus grita em êxtase antes de sua morre, "Tudo está consumado!", e a tela pisca em branco.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Produção[editar | editar código-fonte]

Martin Scorsese queria fazer uma versão cinematográfica da vida de Jesus desde a infância. O diretor optou pelo romance A Última Tentação no final de 1970, que ele entregou a Paul Schrader para fazer a adaptação. A Última Tentação era originalmente para ser o acompanhamento de Scorsese de O Rei da Comédia; a produção foi prevista para começar em 1983 pela Paramount, com um orçamento de cerca de 14 milhões de dólares e filmado em Israel. O elenco original incluía Aidan Quinn como Jesus, Sting como Pôncio Pilatos, Ray Davies, como Judas Iscariotes,[2] e Vanity como Maria Madalena. A gestão da Paramount e sua controladora, o Gulf+Western cresceu desconfortável devido ao orçamento e as imagem e cartas de protesto recebidas de grupos religiosos. O projeto entrou em recuperação e finalmente foi cancelado em dezembro de 1983. Scorsese em vez passou a fazer After Hours.[3]

Em 1986, a Universal Studios tornou-se interessada no projeto. Scorsese ofereceu-se para rodar o filme em 58 dias por 7 milhões de dólares, e a Universal deu sinal verde à produção. O crítico e roteirista Jay Cocks trabalhou com Scorsese para revisar o roteiro de Schrader. Aidan Quinn passou no papel de Jesus, e Scorsese reformulou o personagem com Willem Dafoe. Sting também passou no papel de Pilatos, mais está foi reformulado com David Bowie. As filmagens começaram em outubro de 1987. A sessão local nos Marrocos (a primeira de Scorsese) foi difícil, e as dificuldades se agravaram com a programação apressada. "Nós trabalhamos em um estado de emergência", lembrou Scorsese.[4] Cenas tiveram de ser improvisadas e trabalhado em conjunto com pouca deliberação, levando o diretor a desenvolver uma estética minimalista sobre o filme. As filmagens se embrulharam até 25 de dezembro de 1987.

Música[editar | editar código-fonte]

A trilha sonora do filme, composta por Peter Gabriel, recebeu uma indicação ao Globo de Ouro de melhor trilha sonora original, em 1988, e foi lançada em CD com o título Passion: Music for The Last Temptation of Christ, que ganhou um Grammy em 1990 para Melhor Álbum New Age.[5] A própria trilha do filme ajudou a popularizar a música mundial. Gabriel posteriormente compilou um álbum chamado Passion – Sources, incluindo material adicional por vários músicos que o inspiraram a compor a trilha sonora, ou que ele amostrou para a trilha sonora.

Lançamento[editar | editar código-fonte]

O filme estreou em 12 de agosto de 1988.[6] Foi exibido mais tarde, como parte do Festival de Veneza em 7 de setembro de 1988.[7] Em resposta a aceitação do filme como parte da programação do festival de cinema, o diretor Franco Zeffirelli tirou o filme Young Toscanini do programa.[8]

Ataque no teatro Saint Michel, Paris[editar | editar código-fonte]

Em 22 de outubro de 1988, um grupo fundamentalista cristão francês lançou coquetéis molotov no interior do teatro parisiense Saint Michel enquanto ele estava mostrando o filme. Este ataque feriu treze pessoas, quatro das quais foram severamente queimadas.[9] [10] O teatro Saint Michel foi fortemente danificado,[10] e reaberto três anos mais tarde, após a restauração. Após o ataque, um representante da distribuidora do filme, a United International Pictures, disse: "Os inimigos do filme em grande parte venceram. Eles massacraram o sucesso do filme, e eles têm medo do público." Jack Lang, ministro da Cultura da França, foi para o teatro St.-Michel após o incêndio, e disse: "A liberdade de expressão está ameaçada, e não devemos ser intimidados por tais atos."[10] O Arcebispo de Paris, Jean-Marie Cardeal Lustiger, disse: "Um não tem o direito de chocar a sensibilidade de milhões de pessoas pelas quais Jesus é mais importante que o pai ou a mãe."[10] Após o incêndio, ele condenou o ataque, dizendo: "Vocês não se comportam como cristãos, mas como inimigos de Cristo. Do ponto de vista cristão, não se defende Cristo com armas. O próprio Cristo proibiu isso."[10] O líder da Solidariedade Cristã Mundial, um grupo católico que havia prometido parar o filme de ser mostrado, disse: "Nós não hesitaremos em ir para a prisão, se for necessário."[10]

O ataque foi posteriormente atribuído a um grupo fundamentalista cristão ligado a Bernard Antony, um representante do partido de extrema-direita Frente Nacional ao Parlamento Europeu, em Estrasburgo, e os seguidores do arcebispo Marcel Lefebvre foram excomungados.[9] Lefebvre foi excomungado pela Igreja Católica em 2 de julho de 1988. Houveram ataques semelhantes contra teatros incluído grafites, desencadeando botijões de gás lacrimogêneo e bombas de mau cheiro, e agressões à cinéfilos.[9] Pelo menos nove pessoas que se acreditam serem membros do grupo fundamentalista católica foram presos.[9] O historiador Rene Remond disse que os católicos de extrema-direita, "São o componente mais resistente da Frente Nacional e são motivados mais pela religião do que pela política. Eles tem uma filosofia política coerente, que não mudou nos últimos 200 anos: Que é a rejeição da revolução, da república e do modernismo."[9]

Controvérsia[editar | editar código-fonte]

A sequência final homônima de A Última Tentação de Cristo retrata Jesus crucificado — tentado pelo o que acaba sendo Satanás na forma de uma bela criança andrógina — passando por um sonho ou realidade alternativa onde ele desce da cruz, casa-se com Maria Madalena (e mais tarde Maria e Marta), e vive a sua vida como um homem completamente mortal. Ele entende no seu leito de morte que foi enganado por Satanás e implora a Deus para deixá-lo "ser o filho [de Deus]", no ponto em que ele se encontra mais uma vez sobre a cruz. Em outros pontos do filme, Jesus é retratado como a construção de cruzes para os romanos, sendo atormentado pela voz de Deus, e lamentando os muitos pecados que ele acredita que cometeu.

Devido a estes desvios das narrativas evangélicas — e, especialmente, uma breve cena em que Jesus e Maria Madalena consumam o casamento — vários grupos fundamentalistas cristãos organizaram protestos e boicotes ao filme antes e após o seu lançamento. Um protesto, organizado por uma estação de rádio religiosa californiana, reuniu 600 manifestantes de piquete na sede da empresa-mãe da Universal Studios, a MCA;[11] um dos manifestantes vestiu-se como presidente da MCA Lew Wasserman e fingiu dirigir unhas pelas mãos de Jesus em uma cruz de madeira.[6] Bill Bright da Campus Crusade for Christ ofereceu-se para comprar o filme negativo da Universal, a fim de destruí-lo.[11] Os protestos foram eficazes em convencer várias cadeias de cinema a não exibir o filme; uma dessas cadeias, General Cinemas, mais tarde se desculpou com Scorsese por faze-lo.[6]

Em alguns países, incluindo a Turquia, México, Chile e Argentina, o filme foi proibido ou censurado por vários anos. Até julho de 2010, o filme continua a ser proibida nas Filipinas e Singapura.[12]

Mídia doméstica[editar | editar código-fonte]

Embora A Última Tentação tenha sido lançado em VHS e Laserdisc, muitas locadoras de vídeo, incluindo o então dominante Blockbuster Video, recusou-se a levá-lo a locação como resultado da recepção controversa do filme.[13] Em 1997, a Criterion Collection emitiu uma edição especial de A Última Tentação em VHS, que a Criterion relançou em DVD em 2000 e em disco Blu-ray na Região A, em março de 2012.[14]

Recepção[editar | editar código-fonte]

O filme tem sido apoiada de forma positiva pelos críticos de cinema e alguns líderes religiosos. A revisão agregador Rotten Tomatoes relata que 83% de 48 críticos de cinema deram ao filme uma revisão positiva, com uma avaliação média de 7,3 em 10.[15] Metacritic, que atribui uma pontuação média ponderada de 100 a opiniões de críticos convencionais, que dá ao filme uma pontuação de 80 com base em 18 comentários.[16]

Em sua análise, Roger Ebert, que deu ao filme quatro de quatro estrelas, escrevendo que Scorsese e o roteirista Paul Schrader "pagou a Cristo o elogio de tirar ele e sua mensagem a sério, e eles fizeram um filme que não o liga a uma castrada imagem berrante, a partir de um cartão religioso. Aqui ele é carne e sangue, lutando, questionando, perguntando a si mesmo e seu Pai, que é o caminho certo, e finalmente, depois de um grande sofrimento, ganhando o direito de dizer, na cruz: 'Está feito.'"[17] Ebert mais tarde incluiu o filme em sua lista de "Grandes Filmes".[18]

Escritores em NNDB afirmaram que "o roteiro de Paul Schrader e desempenho de Willem Dafoe fizeram talvez o mais honestamente como Cristo retrato de Jesus jamais filmado."[19]

O crítico cristão de cinema Steven D. Greydanus condenou o filme, escrevendo: "Venenoso moral e espiritualmente, também é inútil como arte ou de entretenimento, pelo menos, em qualquer teoria da arte como um objeto de apreciação. Como um artefato de realização técnica, pode ser bem feito; mas como um filme, é desprovida de mérito redentor."[20] Uma revisão associada à Catholic News Service afirma que A Última Tentação "falha devido a inadequação artística ao invés de preconceito anti-religioso".[21]

Principais prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Applications-multimedia.svg A Wikipédia possui o

Oscar 1989 (EUA)

Globo de Ouro 1989 (EUA)

  • Indicado na categoria de melhor trilha sonora para cinema e melhor atriz coadjuvante de cinema (Barbara Hershey).

Framboesa de Ouro 1989 (EUA)

  • Indicado na categoria de pior ator coadjuvante (Harvey Keitel).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Veja Sicário ou Zelota.
  2. Revelado em entrevista à Mark Lawson em Front Row, BBC Radio 4, 23 de setembro de 2008.
  3. Steel, Dawn. . "From Great Neck to Hollywood The Playe" (em inglês). New York Magazine 26 (35): 100. New York Media, LLC. ISSN 0028-7369. Página visitada em 30 de março de 2014.
  4. National Coalition against Censorship (U.S.). Censorship News: A Newsletter of the National Coalition Against Censorship. The Coalition, 1993. pp. 12.
  5. Ankeny, Jason. Passion (em inglês). All Media Guide. All Music. Página visitada em 31 de março de 2014.
  6. a b c Kelly, M. (1991). Martin Scorsese: A Journey. Nova Iorque, Thunder's Mouth Press.
  7. Venice Festival Screens Scorsese's 'Last Temptation' (em inglês). Times Wire Services. Los Angeles Times (09 de setembro de 1988). Página visitada em 29 de março de 2014.
  8. Zeffirelli Protests 'Temptation of Christ' (em inglês). The New York Times (03 de agosto de 1988). Página visitada em 29 de março de 2014.
  9. a b c d e Markham, James M. (09 de novembro de 1988). Religious War Ignites Anew in France (em inglês). New York Times. Página visitada em 29 de março de 2014.
  10. a b c d e f Greenhouse, Steven (25 de outubro de 1988). Police Suspect Arson In Fire at Paris Theater (em inglês). New York Times. Página visitada em 29 de março de 2014.
  11. a b WGBH (1988). Culture Shock Flashpoints: Martin Scorsese's The Last Temptation of Christ (em inglês). Public Broadcasting Systems. Página visitada em 30 de março de 2014.
  12. Certification page no Internet Movie Database
  13. Martin Scorsese, et al.. The Last Temptation of Christ [audio commentary] [Laserdisc/DVD/Blu-ray Disc]. Nova Iorque: The Criterion Collection. (em inglês) Acessado em durante 1997.
  14. Katz, Josh (15 de dezembro de 2011). Criterion Blu-ray in March: Scorsese, Kalatozov, Hegedus & Pennebaker, Baker, Lean (Updated) (em inglês). Blu-ray.com.
  15. The Last Temptation of Christ (em inglês). Flixster. Rotten Tomatoes. Página visitada em 30 de março de 2014.
  16. The Last Temptation of Christ (em inglês). CBS Interactive. Metacritic. Página visitada em 30 de março de 2014.
  17. Ebert, Roger (07 de novembro de 1998). The Last Temptation of Christ (em inglês). Chicago Sun-Times. Página visitada em 30 de março de 2014.
  18. Great Movies Roger Ebert
  19. Martin Scorsese Biography
  20. Steven, D. Greydanus. The Last Temptation of Christ: An Essay in Film Criticism and Faith (em inglês). Decentfilms.com. Página visitada em 30 de março de 2014.
  21. Last Temptation of Christ, The (em inglês). Old.usccb.org. Página visitada em 30 de março de 2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]