A Carga da Brigada Ligeira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A Carga da Brigada Ligeira
The Charge of the Light Brigade
 Estados Unidos
1936 • P&B • 115 min 
Realização 20 de outubro de 1936
Direção Michael Curtiz
Jack Sullivan (assistente de direção)
B. Reeves Eason (2ª unidade)
Produção Samuel Bischoff
Hal B. wallis (produção executiva)
Jack L. Warner
Roteiro Michael Jakoby
Rowland Leigh
Alfred Tennyson (poema)
Elenco Errol Flynn
Olivia de Havilland
Patric Knowles
C. Henry Gordon
David Niven
Género aventura
Idioma inglês
Música Max Steiner
Cinematografia Sol Polito
Edição George Amy
Distribuição Warner Brothers
Página no IMDb (em inglês)

A Carga da Brigada Ligeira[1] [2] (The Charge of the Light Brigade) é um filme estadunidense de 1936 dos gêneros aventura histórica e guerra dirigido por Michael Curtiz. Produção de Samuel Bischoff, com Hal B. Wallis como produtor executivo. Roteiro de Michael Jacoby e Rowland Leigh, de uma história de Michael Jacoby baseada no poema The Charge of the Light Brigade de Alfred Tennyson. A trilha musical é de Max Steiner e a edição de Sol Polito.

O enredo do filme é vagamente baseado no episódio famoso denominado Carga da Brigada Ligeira, ocorrido na Batalha de Balaclava, em 25 de Outubro de 1854, durante a Guerra da Crimeia.

Elenco Principal[editar | editar código-fonte]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Olivia de Havilland e Patrick Knowles em cena do trailer do filme

Em 1854 o major Geoffrey Vickers e seu irmão, Capitão Perry Vickers, estão estacionados na cidade (fictícia) de Chukoti na Índia, juntamente com o Vigésimo Sétimo Regimento de Lanceiros do Exército Colonial da Índia Britânica (Raj Britânico). Os irmãos amam a mesma mulher: Elsa.

Em uma visita oficial do rajá Surat Khan, Geoffrey salva a vida dele. Mais tarde, o rajá massacra os habitantes de Chukoti (principalmente os que apoiavam os lanceiros) e se alia ao Império Russo que lutava contra os britânicos na Guerra da Crimeia. Contudo, Khan poupa Elsa e Geoffrey em função de seu débito com o lanceiro.

O triângulo amoroso e a vingança dos lanceiros é resolvida na Batalha de Balaclava.

Detalhes da produção[editar | editar código-fonte]

O filme seria originariamente sobre um episódio ocorrido na cidade de Cawnpore durante a Revolta dos Sipais ou Sipaios. Quando foi descoberto que a rebelião ocorrera três anos após a Batalha de Balaclava, o nome de Cawnpore (atual Kanpur) foi mudado para Chukoti e a rebelião se tornou um levante contra o governante fictício Surat Khan, do país imaginário do Suristão (referências vagas à Turquia). Suristão é, na verdade, um nome antigo da língua Pérsia para Síria. Niven comenta a mudança em seu livro sobre Hollywood.[4]

O episódio real da Carga da Brigada Ligeira não foi a vingança contra Surat Khan mas o resultado de uma disputa entre Lorde Cardigan e Lorde Raglan. A Batalha de Balaklava não resultou na queda de Sebastopol, como é citado de forma errada no filme. Os "Vigésimos Sétimos Lanceiros" são igualmente fictícios. Somente após 1941 é que surgiu uma unidade no Exército Britânico com essa denominação.

A famosa carga da cavalaria foi montada por Michael Curtiz e o especialista em sequências de ação B. Reeves Eason, com o apoio da fotografia de Sol Polito e da música de Max Steiner[5] . O texto do poema de Tennyson é sobreposto à cena da Carga, acompanhado da música de fundo de Max Steiner. Nessa sequência, o diretor Michael Curtiz, que não falava muito bem o inglês, ordenou "Bring on the empty horses" (Tragam os cavalos vazios), quando ele deveria dizer "riderless horses" (cavalos sem montaria). David Niven usou a frase como título do seu livro sobre Hollywood.[6]

Muitos cavalos morreram nas cenas de guerra, forçando o Congresso Americano a tomar medidas de segurança em favor dos animais nos filmes.

As locações do filme foram em Agoura Hills, Califórnia.

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

  • Jack Sullivan venceu o Oscar de melhor diretor-assistente de 1936[7] . O filme foi indicado, também, para Melhor Som e Melhor Canção Original.

Notas e referências

  1. 70 Anos de Cinema (BR)
  2. Cinema Sapo (PT)
  3. Crauford Kent no IMDB
  4. NIVEN, David. Bring On The Empty Horses, 1978
  5. MATTOS, A. C. Gomes. Galeria de Estrelas: Errol Flynn. [S.l.: s.n.], 1985. ISBN Cinemin n. 15, pp. 21 - 32.
  6. Idem, ibidem, 1978
  7. ALBAGLI, Fernando. Tudo sobre o Oscar. [S.l.: s.n.], 1988. ISBN Edições Cinemin, p. 30.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]