A Colônia Penal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Na Colônia Penal é um livro de Franz Kafka publicado em 1914.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

O livro faz uma análise crítica sobre o instituto da pena, analisando os seus limites, a impropriedade das penas baseadas em castigos corporais e ilustra com clareza e precisão a barbárie que constituíam as técnicas medievais na aplicação desses castigos punitivos.

Narra a história de um explorador que, durante visita a uma colônia francesa, presencia o sistema empregado na execução de um soldado acusado de insubordinação. O sistema que o condenou está baseado numa doutrina jurídica arbitrária, em que o acusado não tem direito à defesa. Quem administra essa "justiça maquinal" é um instrumento de tortura que escreve lentamente sobre a pele, no corpo do condenado, com agulhas de ferro, presas à uma estrutura de vidro, a sentença do crime que, muitas vezes, ele mesmo não sabe que cometeu.

Na colônia penal é também uma crítica à exaltação das máquinas e dos mecanismos usados com intuitos cruéis. O Oficial, personagem do livro, que é a favor do uso da Máquina de tortura para executar sentenças, fala desta como se tratasse de um "deus". Ele a adora como tal.

O funcionamento da máquina se justifica, na voz dos seus utilizadores, por ser uma máquina infalível, portanto seu julgamento nunca pode ser contestado. O livro é uma crítica aberto aos estados despóticos nos quais o processo judicial e o direito de liberdade não são respeitados e a todas formas de tortura.

Todo o livro gira em torno desta máquina. Observamos o descaso do oficial para com o Condenado - que, como já foi dito, não sabe o porquê de estar ali, nem sabe que foi acusado - e vemos o cuidado e a perícia com o aparelho de tortura usado para torturar e matar.

Quando o condenado estava para receber o suplício, porém, o explorador diz ao oficial o que pensa dos seus métodos de execução - fala que o método não o convenceu, e se dispôs a reportar ao comandante da colónia penal o seu desejo de suprimir a máquina - então o oficial manda livrar o condenado, e ele mesmo se auto-imola na máquina de execução. Esta começa a se desconjuntar, peça por peça, enquanto suas agulhas girando em falso terminam por trespassar o oficial:

"Não apresentava sinal algum da redenção prometida. O que outros teriam encontrado na máquina acabara por lhe ser negado. Os lábios se achavam apertados com firmeza, os olhos abertos, com a mesma expressão que tinham quando vivos, o olhar seguro de si, convencido. A testa se achava perfurada pela grande agulha de ferro" (KAFKA, 1969:100)


Franz Kafka é o grande nome da literatura moderna Alemã e esse livro é uma bela crítica à essa nova sociedade que usa os modernismos em prol de uma verdadeira desumanização do Homem.

Relações intertextuais[editar | editar código-fonte]

No livro “A República dos Argonautas” de Anna Flora, a narradora lê o livro “Na Colônia Penal”. Ela fica abismada com as crueldades que faziam com os escravos, mas, mesmo assim, não parava de ler.  A narradora percebe que as atrocidades que são retratadas no livro de Kafka não foram tão diferentes dos horrores da ditadura militar no Brasil.  

Ícone de esboço Este artigo sobre um livro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.