A Day Without a Mexican

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde abril de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Um Dia Sem Mexicanos
Day without mexican.jpg
Poster EUA
Estados Unidos
México
Espanha

 • cor • 100 min. min 
Direção Sergio Arau
Produção Isaac Artenstein
Roteiro Sergio Arau
Yareli Arizmendi
Sergio Guerrero
Sarah Polley
Elenco Yareli Arizmendi
Caroline Aaron
Melinda R. Allen
Fernando Arau
Maureen Flanningan
John Getz
Eduardo Palomo
Muse Watson
Gênero drama , comédia, fantasia
Idioma Inglês e Espanhol
Música Juan Colomer
Molotov
Direção de fotografia Alan Caudillo
Edição Daniel Fort
Shaula Vega (uncredited)
Distribuição Altavista Films
Televisa Cine
Lançamento May 14, 2004
Orçamento USD $ 1,500,000,ºº
Receita USD $ 4,175,200,ºº
Site oficial
Página no IMDb (em inglês)

UM DIA SEM MEXICANOS é um filme dirigido por Sérgio Arau.

Estreou no dia 14 de maio de 2004, em lançamento limitado a todo o sul da Califórnia, e a partir de 17 de Setembro em salas de cinema de Chicago, Texas, Florida e cidade de Nova Iórque.

A história se passa na Califórnia, nos Estados Unidos. Este é um dos estados do país com maior percentual de latinos (nascidos em países latino-americanos ou descendentes destes). Latinos são, por diversas vezes, recrutados para a grande parcela dos trabalhos de menor remuneração nos Estados Unidos, no que se costuma dizer "trabalhos que os Americanos não querem fazer". Contudo, compõem uma das principais forças de trabalho do país, sendo, em algúns casos, preferidos para funções que exigem qualificação nas áreas já comumente ocupadas por latinos, mesmo que norte-americanos nativos pleiteem o cargo aceitando menores salários.

Um dia um denso nevoeiro cobre as fronteiras do estado de forma que atravessar de carro, avião ou qualquer outro meio de transporte seja arriscado demais, ao mesmo tempo em que inexplicavelmente as linhas de comunicação, como telefone, televisão e internet, mesmo por satélite, também se tornam inoperantes. Não bastasse esse cenário de clausura, outro fenômeno, ainda mais surpreendente, atinge a região: dia a dia pessoas vão desaparecendo, repentina e misteriosamente, mesmo à luz do dia e estando ao lado de outras pessoas, deixadas sem entenderem o que aconteceu. Com o passar do tempo todos vão descobrindo que algo há em comum entre todos os desaparecidos. Passa-se então a uma luta desesperada para recuperar pessoas queridas e impedir a perda de outras tantas que, reconhecidamente ou não, são importantes para o Estado e para o País.

Este foi o último filme do ator Eduardo Palomo, que faleceu devido a um ataque do coração, pouco antes do filme estrear.

[1]

[2]

[3]

[4]

Ícone de esboço Este artigo sobre um filme é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.