A Gloriosa Família

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A Gloriosa Família é um romance do autor angolano Pepetela, publicado pela Dom Quixote em 1997.

O romance conta a história da família de Baltasar Van Dum, um flamengo que traficava escravos durante o período em que os holandeses dominavam a colónia. Para escrever o livro, Pepetela pesquisou nos arquivos de Amesterdão, Antuérpia e Vaticano durante sete anos, baseando-se, também, na História Geral das Guerras Angolanas, escrita em 1680 por António de Oliveira de Cadornega. 1

Enredo[editar | editar código-fonte]

O romance é composto de 12 capítulos e a ação situa-se nos anos entre 1642 e 1648. O narrador é um mestiço mudo que é um dos escravos favoritos de Van Dum. Além de Van Dum e do narrador, há muitos outros personagens no livro, a maioria sendo os filhos de Van Dum. Uma divisão existe entre os filhos legítimos de Van Dum e da sua esposa oficial, uma princesa africana chamada Dona Inocência, e os filhos naturais dele com outras mulheres, escravas da casa, que são chamados "os filhos do quintal."

Informação histórica[editar | editar código-fonte]

Como já se foi referido, o romance tem lugar durante a ocupação holandesa de Angola. A família Van Dum do livro possui paralelos significativos com a família angolana contemporânea Van Dúnem, uma das mais proeminentes em Angola.2

Interpetação crítica[editar | editar código-fonte]

Muitos críticos observam no romance ao mesmo tempo uma celebração e uma crítica da sociedade crioula de Angola. Fernando Arenas escreve sobre a maneira como o romance cria uma perspectiva pós-moderna para as teorias do antropólogo brasileiro Gilberto Freyre, no fim das contas criticando a sociedade escravista que foi a raiz da sociedade angolana contemporânea.3 Stephen Henighan descreve o romance como uma obra que ilustra tanto os lados admiráveis, como os aspetos repreensíveis da cultura crioula. Embora a família Van Dum seja culturalmente adaptável e se mostre inclusiva para com pessoas de outras raças, os seus membros também são responsáveis pelo comércio dos escravos no interior do país.4

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Silva, Rodrigues da. "Acreditar é Preciso." Jornal de Letras 7 de maio, 1997. p. 8.
  2. Henighan, Stephen. "'Um James Bond Subdesenvolvido': The Ideological Work of the Angolan Detective in Pepetela's Jaime Bunda Novels." Portuguese Studies. 22:1 (2006), pp.135-152."
  3. Arenas, Fernando. "(Post)colonialism, Globalization, and Lusofonia or The 'Time-Space' of the Portuguese-Speaking World". 2005. UC Berkeley: Institute of European Studies. Dec. 1, 2009 <http://escholarship.org/uc/item/0vh0f7t9>
  4. Henighan, "Jaime Bunda."

Ligações externas[editar | editar código-fonte]