A Missão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde julho de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
The Mission
A Missão (PT/BR)
 Reino Unido
1986 • cor • 126 min 
Direção Roland Joffé
Produção Fernando Ghia
David Puttnam
Roteiro Robert Bolt
Elenco Robert De Niro
Jeremy Irons
Liam Neeson
Género Drama
Idioma Inglês
Música Ennio Morricone
Cinematografia Chris Menges
Edição Jim Clark
Distribuição Warner Bros.
Lançamento 16 de maio de 1986 (Cannes)
Receita $ 17.218.023[1]
Página no IMDb (em inglês)

A Missão (no título original em inglês, The Mission) é um filme britânico de 1986, um drama histórico dirigido por Roland Joffé e com trilha sonora de Ennio Morricone.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

No final do século XVIII, Rodrigo Mendoza é um mercador de escravos espanhol[2] que faz da violência seu modo de vida, e ele mata o próprio irmão na disputa pela mulher que ama. Porém, o remorso leva-o a juntar-se aos jesuítas, nas florestas brasileiras. Lá, ele fará de tudo para defender os índios que antes escravizara.

Elenco principal[editar | editar código-fonte]

Applications-multimedia.svg A Wikipédia possui o


Contexto histórico[editar | editar código-fonte]

O contexto histórico do filme é o contexto da Guerra Guaranítica, que ocorreu entre (1750 - 1756 [3] ) e envolveu os índios guaranis e as tropas espanholas e portuguesas no sul do Brasil após a assinatura do Tratado de Madri, no dia 13 de janeiro de 1750[4] . Os índios guaranis da região dos Sete Povos das Missões recusam-se a deixar suas terras no território do Rio Grande do Sul e a se transferir para o outro lado do rio Uruguai, conforme ficara acertado no acordo de limites entre Portugal e Espanha.

Em decorrência do referido Tratado, o Império Português passou a exercer soberania também sobre os territórios de missões jesuíticas situadas a leste do Rio Uruguai. Ocorre que o Império Português permitia a escravização dos indígenas, que naquela região eram os guaranis, enquanto que, no Império Espanhol, todos os índios eram automaticamente súditos do Rei da Espanha, e, portanto, não podiam ser escravizados.

As missões jesuíticas (também conhecidas como reduções) daquela região eram modelos de sociedades autogestionadas, uma espécie de socialismo cristão[4] .

Em pleno século XVIII, mais de duzentos anos após a descoberta do Brasil, havendo falta de mão-de-obra, os índios eram caçados e forçados a servir como escravos nas plantações dos colonos Europeus. A Companhia de Jesus, ordem religiosa jesuíta, teria então por missão evangelizar os índios, e, uma vez convertidos à Fé Cristã, os índios estariam a salvo da escravidão. Já no século XVIII, em São Paulo e Minas Gerais, sendo a mão-de-obra escrava ainda muito procurada, e porque muitos índios locais já haviam migrado mais para o Sul, iniciou-se o processo de uso das entradas e bandeiras, incursões na mata de grupos de caçadores de novos escravos, na região das Missões jesuíticas. Aí se deu um confronto histórico, em que as Missões, com centenas de índios catequizados, que já conheciam a música clássica, a escrita, e a Bíblia, viriam a ser capturados eventualmente, em confrontos com os Bandeirantes. O filme retrata este período - da chegada dos bandeirantes às Missões. E o único apoio às Missões seria agora do Rei de Espanha (pois as Missões eram reduções espanholas). As cortes iluministas da Europa opuseram-se aos ensinamentos e influência da Companhia de Jesus, e é certo que as autoridades portuguesas viam certas vantagens em livrar-se da presença da mão religiosa nesta área, pretendendo escravizar as comunidades indígenas abrigadas sob a proteção das Missões. O filme culmina quando as coroas Portugal e Espanha, em conluio com o emissário do Papa, e após a celebração do Tratado de Madrid, procedem por à exclusão do catecismo dos índios por conta da pressão e da possível supressão da ordem jesuíta acusada de regicídio pelo Marquês de Pombal, ficando estes à mercê dos bandeirantes paulistas, e quando alguns jesuítas permanecem tentando defendê-los.

Principais prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

BAFTA Film Awards
  • Melhor Ator (coadjuvante/secundário) – Ray McAnally
  • Melhor edição – Jim Clark
  • Melhor trilha sonora – Ennio Morricone
David di Donatello Awards
  • Melhores produtores estrangeiros – Fernando Ghia, David Puttnam
Festival de Cannes
  • Palma de ouro – Roland Joffé
  • Grande prêmio técnico – Roland Joffé
Globo de Ouro
  • Melhor roteiro – Robert Bolt
  • Melhor trilha sonora original – Ennio Morricone
Oscar

Indicações[editar | editar código-fonte]

BAFTA Film Awards
  • Melhor Filme – Fernando Ghia, David Puttnam, Roland Joffé
  • Melhor direção – Roland Joffé
  • Melhor roteiro original – Robert Bolt
  • Melhor design de produção – Stuart Craig
  • Melhores efeitos visuais especiais – Peter Hutchinson
  • Melhor figurino – Enrico Sabbatini
  • Melhor fotografia – Chris Menges
  • Melhor som – Ian Fuller, Bill Rowe, Clive Winter
César
  • Melhor filme estrangeiro
Globo de Ouro
Oscar

Referências

  1. The Mission (1986) (em inglês) Box Office Mojo. Página visitada em 19 de julho de 2013.
  2. Jeffrey R. Cuellar. Film Review: The Mission (em inglês) Clioseye.sfasu.edu. Página visitada em 6 de fevereiro de 2012.
  3. Memorial do Rio Grande do Sul, Linha do Tempo [em linha]
  4. a b A supressão da Companhia de Jesus: episódio-chave de sua ação nas fronteiras da fé, acesso em 03 de abril de 2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]