A Senhoria (Roald Dahl)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Merge-arrows 2.svg
Foi proposta a fusão deste artigo ou se(c)ção com Kiss Kiss (livro). Por favor crie o espaço de discussão sobre essa fusão e justifique o motivo aqui; não é necessário criar o espaço em ambas as páginas, crie-o somente uma vez. Perceba que para casos antigos é provável que já haja uma discussão acontecendo na página de discussão de um dos artigos. Verifique ambas (1, 2) e não se esqueça de levar toda a discussão quando levar o caso para a central. (desde abril de 2012)
A Senhoria
The Landlady
Autor (es) Roald Dahl
Idioma inglês
Género Conto
Linha de tempo da história Não muito tempo após a Segunda Guerra Mundial (1959, provavelmente)
Espaço onde decorre a história Bath, Inglaterra
Lançamento 28 de novembro de 1959

A Senhoria (no inglês original, The Landlady) é o título de um conto escrito por Roald Dahl em 1959.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

A história centra-se num jovem e ingénuo rapaz de dezassete anos, Billy Weaver, que havia entrado no mundo do trabalho recentemente. Quando a história começa, Billy acaba de chegar a Bath ao cair da noite. O propósito da sua viagem é um encontro com um gerente de uma filial da empresa londrina não-especificada para a qual trabalha. Dado o avançado da hora, Billy Weaver procura um lugar onde poderia passar a noite, e é-lhe recomendada uma estalagem local, o 'The Bell and Dragon'. Enquanto caminha para a estalagem, Billy encontra um 'bed-and-breakfast' que lhe parece muito mais acolhedor onde, devido a uma súbita e intensa curiosidade, decide entrar. Billy toca à campainha, e uma senhoria de meia-idade abre-lhe a porta imediatamente, como se estivesse estado à sua espera. Ela trata-o amigável e generosamente, dando-lhe um andar inteiro para ocupar e cobrando muito menos do que seria de esperar. Billy apercebe-se que a senhoria é ligeiramente excêntrica quando ela lhe revela que é seletiva e que, por isso, mesmo com os seus preços baixos, não é muito frequente receber hóspedes.

Quando chega ao seu quarto, Billy constata que a cama estava feita de modo a que um hóspede se pudesse deitar, e que havia uma botija de água quente dentro dos lençóis. A senhoria pede-lhe que desça até à sala de estar no rés-do-chão para assinar o livro de visitas como manda a lei. Billy desce e repara que só outros dois hóspedes haviam ficado no bed-and-breakfast, Christopher Mulholland e Gregory W. Temple. As datas das suas assinaturas demonstravam que haviam chegado há mais de dois anos atrás. Billy pensa que os nomes lhe soam, por qualquer motivo, familiares, mas não se lembra porquê. A senhoria interrompe a análise de Billy com chá e biscoitos de gengibre, mas Billy pergunta-lhe se os hóspedes eram famosos. A senhoria diz que não. A senhoria faz uma observação acerca de um dos hóspedes, e refere-se a ele no passado, o que leva Billy a perguntar se eles tinham partido do bed-and-breakfast há pouco tempo. A senhoria responde que ambos os hóspedes ainda lá estão, acomodados no andar acima do de Billy. Billy, então, repara que o papagaio e o cão que antes tinha visto na sala não estão vivos e que estão embalsamados. A senhoria diz-lhe que foi ela mesmo que os embalsamou, e que embalsamava todos os seus animais de estimação depois de morrerem. A senhoria oferece-lhe mais chá, mas Billy recusa, por não gostar muito do seu vago sabor a amêndoas amargas (uma das características do cianeto). Billy pergunta se não tinham havido mais hóspedes nos últimos dois anos, ao que a senhoria lhe responde "Não, meu querido. Só você."