A Sociedade do Espetáculo (álbum)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A Sociedade do Espetáculo
Álbum de estúdio de O Teatro Mágico
Lançamento 2011
Gravação 2011
Gênero(s) Folk rock, MPB, indie rock, rock progressivo
Duração 67:33
Gravadora(s) Independente
Cronologia de O Teatro Mágico
Último
Último
Segundo Ato
(2008)
Próximo
Próximo

A Sociedade do Espetáculo é o terceiro álbum da banda O Teatro Mágico. Assim como no álbum anterior, as letras discutem o cotidiano político/cultural das cidades, sem esquecer também do lado sentimental, como foi no primeiro CD (Entrada para Raros), resgatando um humanismo individual e coletivo, e provocando uma catarse com o forte tom de positivista que só sabe, quem já esteve em um show de O Teatro Mágico.[1]

Em pouco mais de 1 mês, o álbum já havia obtido mais de 300 mil downloads. Além disso, neste mesmo tempo, o álbum esteve mais de 6 horas entre os assuntos mais comentados do Twitter, mais de 200 mil vezes compartilhados no Facebook e mais de 500 posts no Tumblr[2] .

O Álbum[editar | editar código-fonte]

Cquote1.svg Esse é um álbum que consolida as questões da pluralidade, das parcerias e do colaborativo. (...) A construção da música que fizemos com o Leoni foi toda virtual. Gravei um pedaço da melodia, ele colocou a letra, troquei umas palavras e a gente mudou o tom. Depois, ele colocou a voz, mixamos e Nas margens de mim estava pronta. Tudo pela internet. Mas hoje, esse comportamento é muito comum. Com o Jeff também foi assim. Ele mandou Transição por e-mail, colocamos no CD e a participação dele estava pronta.[3] Cquote2.svg

O conceito deste disco tem inspiração no livro "La société du spectacle", do filósofo francês Guy Debord. No livro, o filósofo faz uma crítica teórica sobre a sociedade de consumo, a Sociedade ocidental e o capitalismo. Assim, desta obra, além do título, a banda tirou idéias, que podem ser percebidas nas letras das músicas,[4] e na capa, e na capa, onde desenhos lembram ilustres conhecidos, como Nelson Mandela, Fidel Castro, Karl Marx e Chapolin Colorado.[5]

O disco conta com as participações especiais de Sérgio Vaz, Pedro Munhoz, Alessandro Kramer, Nô Stopa, Leoni e do saxofonista da Dave Matthews Band, Jeff Coffin.[6]

Faixas[editar | editar código-fonte]

N.º Título Duração
1. "Proscênio"   0:34
2. "Além, Porém Aqui"   3:30
3. "Amanhã... Será?"   3:35
4. "Quermesse"   3:28
5. "Da Entrega"   5:01
6. "Transição"   3:48
7. "Eu Não Sei na Verdade Quem Eu Sou" (Part. Especial Alessandro Kramer) 5:22
8. "Nosso Pequeno Castelo"   4:16
9. "O Novo Testamento"   4:27
10. "Fiz Uma Canção Pra Ela"   3:54
11. "Felicidade" (Part. Especial Sérgio Vaz) 1:27
12. "O Que Se Perde Enquanto os Olhos Piscam"   4:01
13. "Tática e Estratégia"   4:30
14. "Folia no Quarto" (Part. Especial: Nô Stopa) 4:30
15. "Nas Margens de Mim" (Part. Especial: Leoni) 2:29
16. "Você Me Bagunça"   3:32
17. "Esse Mundo Não Vale o Mundo"   3:45
18. "Canção da Terra" (Part. Especial Pedro Munhoz) 3:56
19. "Até Quando"   1:36
Duração total:
01:07:33

O Teatro Mágico[editar | editar código-fonte]

Prêmios e Indicações[editar | editar código-fonte]

Músicas[editar | editar código-fonte]

Ano Música Prêmio Indicação Resultado Ref.
2012 "Nosso Pequeno Castelo" MTV Video Music Brasil (VMB) 2012 Hit do Ano Indicado [7]

Ligaçoes Externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. farofafa.com.br
  2. ambientemusical.net/ O Teatro Mágico comemora 300 mil downloads do novo álbum
  3. correiobraziliense.com.br/ Teatro Mágico lança CD/DVD e faz críticas ao racismo e a homofobia
  4. territoriodamusica.com Resenha de discos: O Teatro Mágico: A Sociedade do Espetáculo Acessado em 29/06/2012.
  5. mtv.uol.com.br
  6. correioweb.com.br Teatro Mágico lança o CD/DVD A sociedade do espetáculo Acessado em 29/06/2012.
  7. g1.globo.com Gaby Amarantos é grande vencedora do VMB 2012; veja lista completa
Ícone de esboço Este artigo sobre um álbum de O Teatro Mágico é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.