A Tonga da Mironga do Kabuletê

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

"A tonga da mironga do kabuletê" é uma canção escrita pelo poeta Vinícius de Moraes e pelo músico Toquinho.

A expressão[editar | editar código-fonte]

Na composição, os autores informam, sem que seja comprovado, que a expressão seria uma espécie de xingamento em língua nagô. Na época, o Brasil era governado por uma ditadura e essa era a oportunidade de protestar sem que os militares compreendessem.1 2

De acordo com o Novo Dicionário Banto do Brasil, de Nei Lopes, estas palavras significam o seguinte: (1) tonga (do Quicongo), "força, poder"; (2) mironga (do Quimbundo), "mistério, segredo" (Houaiss acrescenta: "feitiço"); (3) cabuletê (de origem incerta), "indivíduo desprezível, vagabundo" (também empregado para designar um pequeno tambor que vai preso em um cabo, usado na percussão brasileira).

  • "Tonga", segundo o Dicionário Aurélio, pode ser uma palavra angolana para "terra a ser lavrada" ou "lavoura". É, ainda samtomensismo depreciativo, a designar descendentes de lusos, ou de serviçais, nascidos nas ilhas.
  • "Mironga" é, em candomblé e na macumba, "feitiço, sortilégio, bruxedo".
  • "Cabuleté", no mesmo léxico, é "indivíduo reles, desprezível, vagabundo".

A despeito do significado literal, a expressão foi escolhida pelo poeta Vinícius de Moraes pela sua sonoridade, sem valor semântico, mas com alto valor sugestivo. É uma inovação linguística que se instalou na cultura popular brasileira.

Sucesso[editar | editar código-fonte]

Lançada nos anos 1970 pela dupla, foi um de seus maiores sucessos, cantada ainda pelo sambista Monsueto, sendo, durante aqueles anos, uma expressão de uso bastante popular, à qual não se emprestava nenhum significado particular.

Contexto[editar | editar código-fonte]

Dizem os versos:

Você que ouve e não fala,
Você que olha e não vê,
Eu vou lhe dar uma pala,
Você vai ter que aprender:
A tonga da mironga do kabuletê.

Depois, a canção diz que o ouvinte deve "viver na tonga da mironga", para encerrar mandando-o para a "tonga da mironga"…

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Versão de Toquinho sobre a expressão "a tonga da mironga do kabuletê". O compositor ouviu a expressão, pela primeira vez, quando estava na casa de Vinícius de Moraes em Salvador, na Bahia. A então esposa do poetinha, a baiana Gesse Gessy, havia acabado de chegar do Mercado Modelo, onde a expressão teria sido ouvida pela primeira vez, dita por alguém.

As falas indecifráveis, no início, no meio e no final da versão original da música, são de autoria do sambista Monsueto, que sugerem ser ditas em nagô (Língua iorubá).

Em 2004 a canção foi regravada por Daniela Mercury em Carnaval Eletrônico, seu sétimo álbum de estúdio.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma canção é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.