A Tragédia da Rua das Flores

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A Tragédia da Rua das Flores
Autor (es) Eça de Queirós
Idioma português
País  Portugal
Lançamento 1980
Cronologia
Último
Último
O Crime do Padre Amaro
O Primo Basílio
Próximo
Próximo

"Era no Teatro da Trindade, representa-se o Barba Azul. Tinha começado o segundo acto e o Coro de Cortesãos saía, recuando em semícirculos, com os espinhaços vergados, quando, num camarote sobre o balcão, à esquerda, o ranger ferrugento de uma fechadura perra, uma cadeira arrastada, fizeram erguer aqui e além, alguns olhares distraidos. Uma senhora alta, de pé, desapertava devagar os fechos de prata de uma longa capa de seda negra forrada de peles escuras, tinha ainda o capuz descido sobre o rosto e os seus olhos negros e grandes , que as olheiras de um brilho ligeiro, ou desenhadas ou naturais, fazia parecer mais profundas, mais se dsetacavam num rosto aquilino e oval, levementeamaciado de pó de arroz. (...)"

Tragédia da Rua das Flores (1980)

A Tragédia da Rua das Flores é um romance póstumo de Eça de Queirós escrito entre 1877 e 1878 e publicado em 1980.

O texto foi adaptado para um seriado da televisão de Portugal, com título homónimo, a sua direção ficou a cargo de Ferrão Katzenstein [1] .

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Relata a história do incesto entre uma mãe, Genoveva, e o seu filho, Vítor de 23 anos, o qual abandonou ainda recém-nascido [2] .

Referências

  1. In Infopédia. A Tragédia da Rua das Flores Porto: Porto Editora. Visitado em 14-12-2010.
  2. C.I.T.I. Centro de Investigação para Tecnologias Interactivas. A Tragédia da Rua das Flores - Resumo Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa. Visitado em 14-12-2010.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre literatura é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.