Aaron Swartz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wiki letter w.svg
Por favor melhore este artigo, expandindo-o. Mais informação pode ser encontrada no artigo «Aaron Swartz» na Wikipédia em inglês e também na página de discussão.
Aaron Swartz
Swartz em 2008
Nome completo Aaron Hillel Swartz
Nascimento 8 de novembro de 1986
Chicago
Morte 11 de janeiro de 2013 (26 anos)
Nova Iorque
Prémios Internet Hall of Fame (2013)

Aaron Hillel Swartz (Chicago, 8 de novembro de 1986  – Nova Iorque, 11 de janeiro de 2013) [1] foi um programador americano, escritor, organizador político e ativista na Internet. Swartz é co-autor da especificação RSS. Foi um dos fundadores do Reddit[2] e da organização ativista online Demand Progress. Era também membro do Centro Experimental de Ética da Universidade Harvard.

Em 6 de janeiro de 2011, Swartz foi preso pelas autoridades federais dos Estados Unidos, após usar a rede do MIT para descarregar sem cobrança grandes volumes de artigos da revista científica JSTOR,[3] [4] [5] acusado pelo governo dos EUA de crime de invasão de computadores - podendo pegar até 35 anos de prisão e multa de mais de um milhão de dólares - pelo fato de ter usado formas não convencionais de acesso ao repositório da revista.[6] Ele já havia sido processado antes por distribuir informações em domínio público que tinham seu acesso similarmente restrito, mas as acusações foram retiradas.[7]

Swartz era contrário à prática da JSTOR de compensar financeiramente as editoras, e não os autores, e de cobrar o acesso aos artigos, limitando o accesso para finalidade acadêmicas.[8] [9]

Dois anos depois, na manhã de 11 de janeiro de 2013, Aaron Swartz foi encontrado enforcado no seu apartamento em Crown Heights, Brooklyn - num aparente suicídio.[10] [11] [12] Após sua morte, a promotoria federal em Boston retirou as acusações contra ele.[13] [14] [1]

Vida e trabalho[editar | editar código-fonte]

Swartz em 2002 (com quinze anos) e Lawrence Lessig no almoço para o Creative Commons

Swartz nasceu em Chicago, Illinois, filho de Susan e Robert Swartz.[15] Sua família é judia.[16] Seu pai tinha uma empresa de software, a Mark Williams Company, e, desde pequeno, Swartz interessou-se por computação, estudando ardentemente aspectos da Internet e sua cultura.[17]

Aos 13 anos, Swartz ganhou o prêmio ArsDigita para jovens criadores de "websites não comerciais, úteis, educacionais e colaborativos". O prêmio incluía uma viagem para o Massachusetts Institute of Technology (MIT) e encontros com pessoas notáveis da Internet.

Aos 14 anos Swartz colaborou com especialistas em padrões de rede, como membro do grupo de trabalho que inventou a Especificação 1.0 do RSS. Sobre Swartz, a jornalista Virginia Heffernan escreveu no Yahoo! News: "Ele agitou sem cessar - e sem compensação financeira - o movimento em prol da cultura livre."[18]

W3C[editar | editar código-fonte]

Em 2001 Swartz juntou-se ao grupo de trabalho do RDF na World Wide Web Consortium (W3C),[19] onde foi o autor do RFC 3870, Application/RDF+XML Media Type Registration. O documento descreve um novo tipo de mídia para a web, “RDF/XML”, criado para suporte a Web semântica.[20]

Markdown[editar | editar código-fonte]

Swartz foi também co-autor do Markdown[21] [22] um padrão de marcação simplificada derivado de HTML e de seu tradutor html2text.

Infogami, Reddit, Jottit[editar | editar código-fonte]

Swartz frequentou a Stanford University. Depois do verão de seu primeiro ano, ele participou do Y Combinator’s first Summer Founders Program onde iniciou sua empresa de software Infogami. A plataforma wiki da Infogami foi usada para suportear o projeto Open Library do portal Internet Archive e web.py web framework que Swartz havia criado,[23] mas ele sentiu que precisava co-fundadores para prosseguir. Os organizadores do Y-Combinator então sugeriram que a Infogami fizesse fusão com a Reddit,[24] [25] o que aconteceu em novembro de 2005

Em outubro de 2006, a Reddit foi adquirida pela Condé Nast Publications, proprietária da revista Wired.[17] [26] Swartz mudou com sua companhia de San Francisco para trabalhar na Wired.[17] Swartz achou a vida no escritório desagradável então deixou a empresa.[27]

Ativismo[editar | editar código-fonte]

Em 2008 Swartz fundou a Watchdog.net, “the good government site with teeth,” (o site do bom governo, com dentes) para agregar e visualizar dados sobre políticos.[28] No mesmo ano, ele escreveu um manifesto de grande circulação chamado Guerilla Open Access Manifesto.[29] [30] [31] [32] [33] [34] [35] [36]

Em 2010,[37] Swartz co-fundou a Demand Progress,[38] um grupo político de defesa para organizar as pessoas on-line para "agir contatando o Congresso e outros líderes, finaciar táticas de pressão e espalhar a palavra" sobre as liberdades civis, reformas do governo e outras questões.[39]

Durante o ano lectivo de 2010-11, Swartz realizou estudos de investigação sobre a corrupção política como um Lab Fellow no Laboratório de Pesquisas sobre Corrupção Institucional - Edmond J. Safra na Harvard[40] [41] [38]

O autor Cory Doctorow, em seu livro, Homeland, “baseou-se em conselhos de Swartz de estabelecer que seu protagonista poderia usar a informação já disponível sobre os eleitores para criar uma campanha política anti-establishment de raiz.”[42] Em um posfácio para a novela, Swartz escreveu: "estas ferramentas [de hacktivismo político] podem ser usadas por qualquer pessoa motivada e talentosa o suficiente... Agora cabe a você mudar o sistema... Diga-mse se posso ajudar. "[42]

Stop Online Piracy Act[editar | editar código-fonte]

Swartz em 2012, protestando contra a Stop Online Piracy Act (SOPA)

Swartz foi fundamental na campanha para impedir a passagem da emenda Stop Online Piracy Act (SOPA), que procurando combater a violação de direitos autorais na internet, foi recebida com críticas[43] No seguimento da derrota da proposta de lei, Swartz foi convidado para falar na F2C:O evento em Washington, D.C. Freedom to Connect 2012 em 21 de maio de 2012. O título da sua palestra era “Como Nós detivemos a SOPA” e ele informou a plateia:

Este projeto de lei de fechar sites inteiros. Essencialmente, impede os americanos de se comunicarem inteiramente com certos grupos ...

Liguei para todos os meus amigos e ficamos a noite toda criando um site para este novo grupo, Demand for Progress, com uma petição online contra essa lei nociva .... Nós conseguimos... 300 mil assinantes .... Nós nos reunimos com o pessoal de membros do Congresso e insistimos com eles .... E, mesmo assim, foi aprovada por unanimidade ...

E então, de repente, o processo parou. O senador Ron Wyden bloqueou esse projeto de lei.[44] [45]


Ele acrescentou: "Nós ganhamos essa luta, porque todo mundo foi o herói de sua própria história. Todo mundo teve seu trabalho de salvar esta liberdade fundamental ".[44] [45] Ele estava se referindo a uma série de protestos contra o projeto de lei por inúmeros sites que foi descrito pelo Electronic Frontier Foundation como o maior na história da Internet, com mais de 115 mil sites, alterando suas páginas.[46]

JSTOR[editar | editar código-fonte]

De acordo com autoridades estaduais e federais, Swartz usou a JSTOR, um repositório digital,[47] para fazer download de uma grande quantidade de revistas científicas e artigos através da rede de internet do MIT entre as últimas semanas de 2010 e começo de 2011. Até então, Swartz era um pesquisador da Universidade de Harvard, a qual lhe forneceu uma conta da JSTOR.[48] Visitantes do "open campus" do MIT são autorizados a acessar a JSTOR através da rede da universidade.[49]

As autoridades alegaram que Swartz fez download dos documentos através de um notebook conectado a um switch de rede em um bastidor de acesso restrito pelo MIT.[50] [48] [51] [52] [53] A porta do bastidor foi mantida destrancada, segundo reportagens da imprensa.[49] [54] [55]

Prisão[editar | editar código-fonte]

Na noite de 6 de janeiro de 2011, Swartz foi preso próximo ao campus de Harvard pela polícia do MIT e agentes secretos do Estados Unidos. Ele foi indiciado no Tribunal do Distrito de Massachusetts por duas acusações estaduais: arrombamento e invasão com intenção de cometer um crime.[56] [50] [53] [57] [58]


Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou secção está a ser traduzido. Ajude e colabore com a tradução.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b Cai, Anne (January 12, 2013). Aaron Swartz commits suicide The Tech. Massachusetts Institute of Technology. Página visitada em January 12, 2013.
  2. Reddit co-creator Aaron Swartz dies from suicide (em inglês) Chicago Tribune (13 de janeiro de 2013). Página visitada em 15 de janeiro de 2013.
  3. Kirschbaum, Connor (3 de agosto de 2011). Swartz indicted for JSTOR theft The Tech. Massachusetts Institute of Technology.
  4. Police Log The Tech. Massachusetts Institute of Technology (18 de fevereiro de 2011).
  5. Schwartz, John. "Open-Access Advocate Arrested for Huge Download", The New York Times, The New York Times Company, July 19, 2011. Página visitada em January 12, 2013.
  6. Moody, Glyn (July 11, 2011). How Should We Liberate Knowledge? Computer World UK. IDG Inc.. Página visitada em January 14, 2013.
  7. Lee, Timothy B., The inside story of Aaron Swartz's campaign to liberate court filings, Ars Technica, 8 de fevereiro de 2013. Acessado 8 de março de 2013.
  8. Swartz “Steals” for Science. Página visitada em Jan 13, 2013.
  9. The inspiring heroism of Aaron Swartz. Página visitada em Jan 13, 2013.
  10. Thomas, Owen. "Family of Aaron Swartz Blames MIT, Prosecutors For His Death", Business Insider, January 12, 2013. Página visitada em January 12, 2013.
  11. "Aaron Swartz, internet freedom activist, dies aged 26", BBC News Online, 2013-01-13. Página visitada em 2013-01-13.
  12. Aaron Swartz, Tech Prodigy and Internet Activist, Is Dead at 26 News. Time. Página visitada em January 13, 2013.
  13. "Feds dismiss charges against Swartz", 3 News NZ, January 15, 2013.
  14. Farivar, Cyrus (2013-01-14). Government formally drops charges against Aaron Swartz Ars Technica. Página visitada em January 14, 2013.
  15. Aaron Swartz dies at 26; Internet folk hero founded Reddit Los Angeles Times (12 de janeiro de 2013). Página visitada em 15 de janeiro de 2013.
  16. שלמון, נצח (13 de janeiro de 2013). ההאקר היהודי המפורסם תלה את עצמו (em hebráico) Israel Life USA. Página visitada em 15 de janeiro de 2013.
  17. a b c Aaron Swartz. How to get a job like mine (em inglês) Aaron Swartz: just the facts, sir. Jottit.com. Página visitada em 15 de janeiro de 2013.
  18. Heffernan, Virginia (12 de janeiro de 2013). Aaron Swartz, 1986-2013: a computer hacker who is now a political martyr Yahoo! News. Página visitada em 15 de janeiro de 2013.
  19. RDFCore Working Group Membership W3 (December 1, 2002). Página visitada em 2013-01-15.
  20. Swartz, A. (September 2004). Request for Comments No. 3870, ‘application/rdf+xml’ Media Type Registration Network Working Group. The Internet Society. "A media type for use with the Extensible Markup Language serialization of the Resource Description Framework.…  [It] allows RDF consumers to identify RDF/XML documents…."
  21. Gruber, John. Markdown Daring Fireball. Página visitada em 23 January 2013.
  22. Markdown Aaron Swartz: The Weblog. (March 19, 2004).
  23. Grehan, Rick (August 10, 2011). Pillars of Python: Web.py Web framework InfoWorld.. Página visitada em January 12, 2013.
  24. Swartz, Aaron (2007). Introducing Infogami Infogami. CondeNet. Cópia arquivada em 2007-12-24.
  25. A passion for your users brings good karma: (Interview with) Alexis Ohanian, co-founder of reddit.com StartupStories. (November 11, 2006). Cópia arquivada em 2007-08-23.
  26. Breaking News: Condé Nast/Wired Acquires Reddit Techcrunch. (October 31, 2006).
  27. Lenssen, Philipp (2007). A Chat with Aaron Swartz Google Blogoscoped.. Página visitada em May 11, 2010. Cópia arquivada em April 27, 2010.
  28. Klein, Sam (July 24, 2011). Aaron Swartz vs. United States The Longest Now. Weblogs at Harvard Law School. "He founded watchdog.net [act.watchdog.net, © 2012 Demand Progress] to aggregate … data about politicians – including where their money comes from."
  29. Murphy, Samantha. "‘Guerilla activist’ releases 18,000 scientific papers", July 22, 2011. “In a 2008 ‘Guerilla Open Access Manifesto,’ Swartz called for activists to ‘fight back’ against services that held academic papers hostage behind paywalls.”
  30. Norton, Quinn. "Life inside the Aaron Swartz investigation", March 3, 2013. Página visitada em 2013-03-08.
  31. Anonymous hacks MIT Web sites to post Aaron Swartz tribute, call to arms The Washington Post.. Página visitada em 2013-01-13.
  32. Joanna Kao. "Anonymous hacks MIT", 16 January 2013. Página visitada em 21 January 2013.
  33. Reilly, Ryan J., Aaron Swartz Prosecutors Weighed 'Guerilla' Manifesto, Justice Official Tells Congressional Committee, Huffington Post, 22 February 2013. Retrieved 2 March 2013.
  34. Masnick, Mike, DOJ Admits It Had To Put Aaron Swartz In Jail To Save Face Over The Arrest, techdirt, 25 February 2013. Retrieved 2 March 2013.
  35. McVeigh, Karen, Aaron Swartz's partner accuses US of delaying investigation into prosecution, The Guardian, 1 March 2013. Página visitada em 2 março de 2013.
  36. Guerilla Open Access Manifesto (em inglês).
  37. Eckersley, Peter. Farewell to Aaron Swartz, an Extraordinary Hacker and Activist Deeplinks Blog. Electronic Frontier Foundation.
  38. a b Who is Aaron Swartz, the JSTOR MIT Hacker? (em inglês).
  39. Our Mission Demand Progress..
  40. Seidman, Bianca (Julho 22, 2011). Internet activist charged with hacking into MIT network (em inglês) Public Broadcasting Service.
  41. Lab Fellows 2010-2011: Aaron Swartz Edmond J. Safra Center for Ethics.. "Durante o ano de bolsista, ele irá realizar estudos experimentais e etnográficos do sistema político para preparar uma monografia sobre os mecanismos da corrupção política."
  42. a b ‘Homeland,’ by Cory Doctorow.
  43. "Swartz' death fuels debate over computer crime", Janeiro 13, 2013. “JSTOR's attorney, Mary Jo White — formerly the top federal prosecutor in Manhattan — had called the lead Boston prosecutor in the case and asked him to drop it, said Peters.”
  44. a b How we stopped SOPA (May 21, 2012). "[T]he ‘Combating Online Infringement and Counterfeiting Act’ … was introduced on September 20th, 2010….  And [then] it began being called PIPA, and eventually SOPA."
  45. a b Freedom to Connect: Aaron Swartz (1986–2013) on Victory to Save Open Internet, Fight Online Censors.
  46. Russian Times, http://rt.com/news/sopa-postponed-anonymous-piracy-337/ 
  47. Terms and Conditions of Use JSTOR. ITHAKA (January 15, 2013). "JSTOR's integrated digital platform is a trusted digital repository providing for long-term preservation and access to ... scholarly materials: journal issues ...; manuscripts and monographs; ...; spatial/geographic information systems data; plant specimens; ..."
  48. a b Indictment, USA v. Swartz, 1:11-cr-10260, No. 2 (D.Mass. July 14, 2011) MIT (July 14, 2011). Página visitada em January 23, 2013. Superseded by Superseding Indictment, USA v. Swartz, 1:11-cr-10260, No. 53 (D.Mass. September 12, 2012) Docketalarm.com (September 12, 2012). Página visitada em January 23, 2013.
  49. a b MacFarquhar, Larissa. "Requiem for a dream: The tragedy of Aaron Swartz", March 11, 2013. “[Swartz] wrote a script that instructed his computer to download articles continuously, something that was forbidden by JSTOR's terms of service.... He spoofed the computer's address.... This happened several times. MIT traced the requests to his laptop, which he had hidden in an unlocked closet.”
  50. a b Predefinição:Cite court
  51. Lindsay, Jay. "Feds: Harvard fellow hacked millions of papers", July 19, 2011. Página visitada em January 15, 2013.
  52. JSTOR Statement: Misuse Incident and Criminal Case JSTOR. Página visitada em January 12, 2013.
  53. a b Cohen, Noam. "How M.I.T. ensnared a hacker, bucking a freewheeling culture", January 20, 2013, p. A1. “‘Suspect is seen on camera entering network closet' [in an unlocked building].... Within a mile of MIT ... he was stopped by an MIT police captain and [U.S. Secret Service agent] Pickett.”
  54. Peters, Justin. "The Idealist: Aaron Swartz wanted to save the world. Why couldn't he save himself?", February 7, 2013. “The superseding indictment ... claimed that Swartz had ‘contrived to break into a restricted-access wiring closet at MIT.' But the closet door had been unlocked—and remained unlocked even after the university and authorities were aware that someone had been in there trying to access the school's network.”
  55. Merritt, Jeralyn (January 14, 2013). MIT to conduct internal probe on its role in Aaron Swartz case TalkLeft (blog). Att'y Jeralyn Merritt. "The wiring closet was not locked and was accessible to the public. If you look at the pictures supplied by the Government, you can see graffiti on one wall."
  56. Gerstein, Josh (July 22, 2011). MIT also pressing charges against hacking suspect Politico.. "[Swartz's] alleged use of MIT facilities and Web connections to access the JSTOR database ... resulted in two state felony charges for breaking into a ‘depository' and breaking & entering in the daytime, according to local prosecutors."
  57. Hak, Susana. "Compilation of December 15, 2010–January 20, 2011", Hak–De Paz Police Log Compilations, MIT Crime Club, January 26, 2011, p. 6. “January 6, 2:20 p.m., Aaron Swartz, was arrested at 24 Lee Street as a suspect for breaking and entering....”
  58. Singel, Ryan. "Rogue academic downloader busted by MIT webcam stakeout, arrest report says", Wired, February 27, 2011. “Swartz is accused ... of stealing the articles by attaching a laptop directly to a network switch in ... a ‘restricted' room, though neither the police report nor the indictment [mentions] a door lock or signage indicating the room is off-limits.”
Erro de citação: O elemento <ref> definido em <references> não tem um atributo de nome.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Aaron Swartz