Abbas Kiarostami

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Abbas Kiarostami
عباس کیارستمی
Abbas Kiarostamiem em 2008
Nascimento 22 de junho de 1940 (73 anos)
Teerã
Nacionalidade Irã iraniana
Ocupação Diretor de cinema, produtor e roteirista
Outros prêmios
Palma de Ouro, 1997

Abbas Kiarostami (em persa Loudspeaker.svg? عباس کیارستمی, Teerã, 22 de junho de 1940) é um cineasta, diretor, roteirista, produtor, fotógrafo e escritor iraniano, ganhador da Palma de Ouro em 1997 pelo filme Gosto de Cereja.

Vida e obra[editar | editar código-fonte]

Após ter terminado a licenciatura em Belas-Artes pela Universidade de Teerão, resolveu dedicar-se à cinematografia, primeiro como assistente de realização, depois como realizador.

Estreou-se com o filme Nan Va Koutcheh em 1970. Rapidamente, Kiarostami se destacou pela visão realista que oferecia sobre a sociedade iraniana. Em Mossafer (O Viajante, 1974), construiu uma brilhante parábola sobre um rapaz que abandona a sua aldeia natal e percorre sozinho perto de 500 quilómetros para ir assistir a um jogo de futebol em Teerão. Contudo, o filme que projectaria a sua carreira a nível internacional foi Khane-ye Doust Kodjast? (Onde é a Casa do Amigo?, 1987), onde realça a história de um menino natural de uma aldeia pobre, que foge de casa para procurar um companheiro de turma, na ânsia de lhe devolver um caderno.

A partir daí, os filmes de Kiarostami passaram a ser presença constante em grandes festivais de cinema: Zendegi va digar hich (E a Vida Continua, 1991) foi um brilhante retrato do trágico terramoto que assolou o Irão em 1991. Venceu a Palma de Ouro do Festival de Cannes com Ta'm e Guilass (O Sabor da Cereja, 1997), um filme que funciona como um acto de glorificação à vida, centrado na figura de um taxista suicida que tenta encontrar alguém que proceda à sua sepultura.

O seu projecto seguinte voltou a merecer reconhecimento mundial: Bad Ma Ra Khahad Bord (O Vento Levar-nos-á, 1999) procurou retratar a vida quotidiana duma forma pouco convencional, tendo sido agraciado com o Leão de Ouro no Festival de Veneza. Em seguida, enveredou pelo campo da longa-metragem documental, com ABC Africa (2001), onde aflorou a questão da Sida.

Nunca deixando de ser um realizador visionário, procurou seguidamente apresentar uma nova visão da mulher iraniana contemporânea em Ten (2002), um filme profundamente marcado pelo intimismo e pela discussão filosófica.

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Ano
Título original
Título no Brasil
Título em Portugal
Observações
2010 Copie Conforme Cópia Fiel Cópia Certificada
2008 Roonevesht barabar asl ast
2008 Sociétes Secrètes Sociedades Secretas As Sociedades Secretas
2007 Chacun son cinéma Cada um com Seu Cinema
2005 Tickets Ticket
2002 Dah Dez
2001 ABC Africa ABC Africa
1999 Bad Ma Ra Khahad Bord O Vento nos Levará O Vento Levar-nos-á Leão de Ouro no Festival de Veneza
1997 Ta'm e Guilass Gosto de Cereja O Sabor da Cereja Palma de Ouro do Festival de Cannes
1995 Lumière et compagnie Lumière e Companhia Com outros diretores
1994 Zire darakhatan zeyton Através das Oliveiras
1991 Zendegi va digar hich Vida e Nada Mais (E a Vida Continua)
1990 Nema-ye Nazdik Close-up
1987 Khane-ye Doust Kodjast? Onde Fica a Casa do Meu Amigo? Onde É a Casa do Amigo?
1984 Avaliha
1983 Dandan Dard
1983 Hamshahri
1982 Hamsarayan

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre cinema iraniano ou um cineasta iraniano, integrado ao projeto sobre Cinema, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre cineastas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.