Abelhamirim

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Pode encontrar ajuda no WikiProjeto Invertebrados.

Se existir um WikiProjeto mais adequado, por favor corrija esta predefinição. Este artigo está para revisão desde Maio de 2008.

Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde junho de 2009)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Como ler uma caixa taxonómicaAbelha Mirim
Taxocaixa sem imagem
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Arthropoda
Classe: Insecta
Ordem: Hymenoptera
Subordem: Apocrita
Superfamília: Apoidea
Família: Apidae
Género: Plebeia
Espécies
Ca. de 35 espécies

O termo abelhamirim é a designação comum a diversas espécies de abelhas sociais brasileiras, da subfamília dos meliponíneos, especialmente do gênero Plebeia. Caracterizam-se pelas pequenas dimensões corporais, geralmente inferior a 4 mm de comprimento (também chamadas de abelha-mosquito, mirim, mosquitinha, mosquitinho, mosquito e remela), pode remeter ainda, mais especificamente, à abelha Plebeia minima. Tal espécie possui cerca de 2,5 mm de comprimento, de coloração negra pouco reluzente e constrói um tubo fino de cera amarela na entrada de sua colmeia, abrigada em ocos de árvores ou quaisquer outras cavidades.O tamanho da pequena abelha é cerca de cinco vezes menor que uma moeda de 10 centavos.

É também denominada "alemãozinho", devido a sua alvura (cor laranja claro). Em algumas regiões do sul do Brasil, é confundida com a jataí-amarela. É cultivada por meliponicultores em pomares e até em sacadas de apartamento, pois é muito dócil e adapta-se muito bem ao ambiente das cidades onde existem muitas flores. Seu mel é muito nobre e custa aproximadamente cinco vezes que o mel das abelhas afro-brasileiras com ferrão. Seu cultivo mediante multiplicação de enxames com fins econômicos deve ser feito mediante licença do Ministério da Agricultura. Sua retirada das florestas e habitat natural é proibido. A comercialização de colmeias não licenciadas caracteriza tráfico de animais silvestres.

Algumas espécies[editar | editar código-fonte]

Fontes[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre insetos, integrado no Projeto Artrópodes é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.