Abipones

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Abipones
População total

Considerado extinto como um povo[1]

Regiões com população significativa
Línguas
mataco-guaicuru[1]
Religiões
Religião tribal tradicional
Grupos étnicos relacionados
guaicurus
Distribuição aproximada das línguas no extremo meridional da América do Sul na Era dos Descobrimentos.

Os abipones (em espanhol: abipones, singular abipón) foram uma nação indígena da região do Gran Chaco, na Argentina. Pertenciam à família linguística guaicurus.[1] Eles deixaram de existir como um grupo étnico independente no início do século XIX.[2] Um pequeno número de sobreviventes estão assimilados à sociedade argentina.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Os abipones originalmente ocuparam a região do Gran Chaco na Argentina, no trecho inferior do rio Bermejo.[1] Eram originalmente um povo sazonalmente móveis de caçadores-coletores, pescadores e agricultores em um território de extensão limitada.[2]

Em 1641 os abipones já conheciam o cavalo, trazido pelo colonizador espanhol e abandonaram a agricultura para se dedicarem à criação de gado e cavalos. Nesse tempo, eles ainda viviam ao norte do rio Bermejo.[3] Tornaram-se temidos por seus vizinhos e pelos fazendeiros espanhóis, e até mesmo ameaçavam as principais cidades da região.[2] [3]

É provável que foram forçados a estabelecerem-se mais ao sul de seu território original pelos colonizadores espanhóis e por outras tribos nativas, como os tobas.[3] Finalmente concentraram-se no território argentino situado entre Santa Fé e Santiago del Estero,[4] entre o rio Bermejo, a norte, e o rio Salado, a sul.[3]

Antes da introdução do cavalo na região, eles subsistiam da caça, pesca, coleta de alimentos e apenas uma quantidade limitada de agricultura.[1] Com a cavalo, veio uma mudança regional e, em especial, na maneira abipone de sobreviver. Eles se afastaram da agricultura e se tornaram caçadores montados, de gado selvagem, ema, guanaco, cervo e queixada. Os cavalos também facilitaram suas incursões a fazendas espanholas e até mesmo a cidades de Assunção e Corrientes.[1]

A partir de 1710 uma forte presença militar espanhola na região começou gradualmente a impor sua autoridade sobre os abipones.[2] Em 1750 criaram-se missões jesuíticas entre eles (principalmente por Martin Dobrizhoffer, que atuou por dezoito anos como missionário no Paraguai[3] ), e eles foram cristianizados[3] e forçados a tornarem-se sedentários.[2] As missões tinham constantes atritos com os colonos espanhóis, e muitas vezes eram invadidas pelos tobas e pelos moobobis, outra tribo guerreira.[3]

Por volta de 1768 mais da metade da população dos abipones tinha sucumbido a doenças[2] e seu número não passava de 5.000.[5] A expulsão dos jesuítas pelos espanhóis naquele ano foi fatal para os abipones. Quando eles tentaram retomar o seu antigo estilo de vida, encontraram suas terras tradicionais ocupadas por colonos e outras nações.[2] Os tobas e os moobobis, auxiliados pelas doenças, destruíram-nos como uma nação no decorrer de menos de meio século.[3] Os sobreviventes foram assimilados pela população argentina.[2] Eles aprenderam a falar espanhol, e abandonaram seus antigos costumes.

Acredita-se que o último falante do abipón morreu no século XIX.[2]

Aparência e costumes[editar | editar código-fonte]

Segundo Martin Dobrizhoffer, que viveu entre eles por um período de sete anos,[4] os abipones eram pessoas de boa aparência, com olhos negros, nariz aquilino, e cabelos pretos espessos. Possuíam a maioria dos costumes dos guaicurus, incluindo o resguardo.[3] Raspavam os cabelos da testa até o alto da cabeça, como uma marca tribal. Os rostos, peitos e braços das mulheres eram tatuadas com figuras negras de formas variadas, e os lábios e as orelhas de ambos os sexos eram perfuradas.[5] Os homens eram bravos combatentes, e sua arma principal era o arco e a lança.[5] Mesmo as mulheres abipones eram tidas como agressivas e detinham um considerável poder nos ritos religiosos de seu povo.[2] Nas batalhas, os abipones usavam uma armadura feita de pele de anta sobre a qual a pele de uma onça era costurada.[5]

Os abipones eram bons nadadores e cavaleiros. Durante os cinco meses da época de cheias dos rios, viviam em ilhas ou mesmo em abrigos construídos nas árvores.[5]

Os abipones raramente casavam antes dos trinta anos, e eram singularmente castos.[5] Charles Darwin relatou que: "Com os abipones, quando um homem escolhe uma mulher, ele negocia com os pais o preço dela. Mas frequentemente acontece que a menina rescinde o que foi acordado entre os pais e o noivo, obstinadamente, rejeitando a simples menção do casamento. Muitas vezes ela foge e esconde-se, e assim ilude o noivo.""[6] O infanticídio era sistemático, nunca mais do que duas crianças eram criadas em uma família.[4] As crianças eram amamentadas por dois anos.[4]

Notas

  1. a b c d e f g "Abipón". Encyclopedia Britannica (15th) I: A-ak Bayes. (2010). Chicago, IL: Encyclopedia Britannica Inc.. 33. ISBN 978-1-59339-837-8 
  2. a b c d e f g h i j John Mackenzie; John Haywood; Simon Hall. Peoples, Nations and Cultures: An A-Z of the Peoples of the World, Past and Present. Reino Unido: Cassell, 2005. ISBN 978-0304365500
  3. a b c d e f g h i   "Missions among the Abipones". Enciclopédia Católica. (1913). Nova Iorque: Robert Appleton Company. 
  4. a b c d Encyclopaedia Britannica, 11.ª edição (1911).
  5. a b c d e f Martin Dobrizhoffer. Historia de Abiponibus (em latim). Viena: [s.n.], 1784.
  6. Charles Darwin. The Descent of Man. Reino Unido: Penguin Classics, 2004. ISBN 978-0140436310

Referências