Abradato

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Abradato ou Abradatas de Susa foi o governador da cidade de Susiana localizada no actual Irão, e que é mencionado na Ciropedia, alternativamente como inimigo e com aliado do rei Ciro, o Grande. Foi morto na guerra contra os Lídios, e sua mulher Panteia, matou-se para não lhe sobreviver.

Espólio dos assírios[editar | editar código-fonte]

A esposa de Abradato estava entre os espólios que Ciro havia capturado dos assírios; ele não estava nesta batalha, pois havia sido enviado pelo rei da Assíria para negociar uma aliança com a Báctria.[1]

Ciro entregou a guarda da esposa a Asaspes, um medo, seu amigo desde a infância,[2] e este ficou impressionado com a beleza dela, dizendo ser a mulher mortal mais bonita de toda a Ásia.[3] Araspas prometeu a Ciro que não faria nada com ela.[4]

Panteia e Araspas[editar | editar código-fonte]

Araspas, o encarregado de tomar conta de Panteia, se apaixonou por ela,[5] [6] e fez propostas amorosas a ela.[6] Araspas foi rejeitado e ameaçou estuprar Panteia, e só então ela pediu ajuda a Ciro.[7] Ciro riu da situação, porque Araspas havia dito que era superior à paixão,[8] mas o perdoou, considerando que ele era parcialmente responsável, por colocá-lo como guardião de uma criatura irresistível.[9]

Reencontro de Abradato e Panteia[editar | editar código-fonte]

Ciro enviou Araspas como espião aos lídios, e pediu para ele contar seu caso com Panteia de forma que parecesse que ele teve um problema com Ciro.[10] Panteia, achando que Araspas era um traidor, prometeu que, se ela fosse devolvida a Abradato, este se tornaria um amigo de Ciro, ainda mais do que era Araspas.[11]

Abradato veio com mil cavaleiros para se juntar a Ciro,[12] e se reencontrou com Panteia, que contou como Ciro havia se contido.[13]

Morte[editar | editar código-fonte]

Na batalha de Timbra,[carece de fontes?] entre Ciro, o Grande e Creso, rei da Lídia, ele era um dos comandantes das forças persas.[14] Sua missão era fazer a carga contra as linhas inimigas,[14] e ele havia pedido para ficar na linha de frente contra os inimigos,[15] posição que ele conseguiu por sorteio.[16] Na batalha, seus inimigos fugiram depois da sua carga,[17] e Abradato penetrou na falange egípcia,[18] mas foi cercado e morto, junto de seus companheiros.[19]

Ciro, quando soube da morte de Abradato, foi ao seu funeral,[20] e pegou a mão do general, mas a mão havia sido decepada pelo pulso.[21] Sua esposa disse que o resto do corpo estava no mesmo estado, e que ele havia morrido deste modo para mostrar a Ciro que ele era um amigo fiel.[22]

Ciro deu vários presentes a ela,[23] mas Panteia se matou, jogando-se sobre uma adaga, que se cravou no seu coração.[24] Em seguida, três eunucos se mataram da mesma forma.[25]

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]