Abu Bakr

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde outubro de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Abu Bakr
Abu Bakr para a multidão em Meca
Nascimento 570
Meca
Morte 23 de agosto de 634 (64 anos)
Medina

Abdullah ibn Abi Qhuhafah (em árabe: عبد الله بن أبي قحافة, translit.: ʿAbd Allāh ibn Abī Quḥāfah), mais conhecido por sua alcunha, Abu Bakr, Abu Becre ou Abu-Béquer[1] (em árabe: ابو بكر الصديق; Meca, ca. 570 d.C.Medina, 23 de agosto de 634 d.C.) foi um dos companheiros de Maomé (sahaba). Foi o primeiro califa (632 d.C.-634) do Islão. O seu cognome é Al-Siddiq, "o Verídico". Rico e honrado comerciante da Meca, foi um dos primeiros a acreditar em Maomé como profeta e o único que o acompanhou na Hégira.

Abu pertencia a um clã menor da poderosa tribo dos curaixitas (Quraysh) de Meca, na qual também se incluía Maomé, seu amigo desde a infância. A sua família dedicava-se ao comércio.

O seu nome verdadeiro era Abdul Ka'aba, "escravo da Kaaba", mas o profeta Maomé mudou-o para Abdullah, "escravo de Allah", quando este se converteu ao Islão. Ficou contudo conhecido como Abu Bakr devido ao seu gosto por criar dromedários (abu, "pai", bakr, "dromedário", abu bakr, "pai de dromedários").

De acordo com alguns pontos de vista, Abu Bakr foi o primeiro homem convertido ao Islão, alegação que é contestada por historiadores muçulmanos que atribuem a primeira conversão masculina ao filho adoptivo do profeta, Zayd ibn Harithah.

Quando Maomé emigrou de Meca para Medina em 622 (a Hégira), como forma de fugir à perseguição movida a si e aos seus discípulos, Abu acompanhou-o, tendo colocado a sua fortuna pessoal ao serviço do Islão. Umas das suas filhas, Aicha, tornou-se noiva de Maomé ainda em Meca, mas o casamento só se consumou depois da chegada a Medina.

Após a morte de Maomé, que não nomeou um sucessor, a comunidade dos crentes convocou a Nidwa (Assembleia), onde se encontravam representados todos os clãs e tribos. Os medinenses propunham que fosse nomeado um membro da sua cidade e outro da cidade de Meca, mas a proposta foi rejeitada por se temer que colocasse em causa a coesão da comunidade.

Abu Bakr foi eleito chefe dos crentes com o título de "califa" (sucessor), em larga medida graças ao apoio de Omar, que viria a designar como seu sucessor no seu leito de morte. Para os muçulmanos xiitas, esta honra deveria ter recaído no primo e genro de Maomé, Ali.

Apesar de só ter exercido o califado durante dois anos, a sua actuação foi determinante uma vez que consolidou, na Arábia, a nova religião, que após a morte de Maomé tinha entrado numa fase de instabilidade. Algumas tribos que se tinham ligado ao Islão recusavam-se agora a reconhecer a soberania de Abu Bakr, alegando que, com a morte do profeta Maomé, a aliança política e religiosa havia terminado. Esses beduínos recusavam-se a pagar a contribuição de purificação estabelecida pela religião (zakat), atacaram Medina, e alguns tinham regressado ao politeísmo. Para além disso, vários homens apresentavam-se como profetas sucessores de Maomé.

Abu Bakr submeteu as tribos beduínas rebeldes através da diplomacia e do recurso à força militar, ajudado pelo seu general Khalid ibn al-Walid, naquilo que ficou conhecido como guerras da apostasia (Ridda). Ele considerava igualmente perigosa para a comunidade islâmica a presença dos dois impérios que na época cercavam a Arábia, o Império Bizantino e o Império Persa Sassânida, tendo ordenado a expansão nesses territórios, facto que contudo só viria a ser concretizado no califado do seu sucessor Omar.

Abu Bakr encontra-se sepultado no recinto da Mesquita do Profeta, em Medina (Masjid al-Nabawi), juntamente com Maomé e Omar.

Referências

  1. STEWART, D. Antigo Islã. Tradução de Iracema Castello Branco. Rio de Janeiro. Livraria José Olympio Editora. 1979. p. 20.
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Abu Bakr