Abu Ma'shar al-Balkhi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Abū Ma'shar al-Balkhī
أبو معشر جعفر بن محمد بن عمر البلخي
Matemática, Astronomia, Astrologia, Filosofia
Trecho de um manuscrito de Abu Ma'shar em um tratado de astrologia datado de 850 d.C.
Dados gerais
Nacionalidade persa
Nascimento 10 de agosto de 787
Local Balkh, Coração[1]
Morte 9 de março de 886 (98 anos)
Local Wasit, Iraque
Atividade
Campo(s) Matemática, Astronomia, Astrologia, Filosofia
Influência(s) Aristóteles, al-Kindi
Influenciado(s) Sijzi, Alberto Magno, Roger Bacon, Pierre d'Ailly, Pico della Mirandola.[2]
Notas Idade de ouro islâmica

Abū Maʿshar, Jaʿfar ibn Muḥammad al-Balkhī (também conhecido por al-Falakī ou Ibn Balkhī, em árabe: أبو معشر جعفر بن محمد بن عمر البلخي; latinizado: Albumasar, Albusar, ou Albuxar) (Balkh, 10 de agosto de 787 - Wasit, 9 de março de 886)[3] foi um matemático, astrônomo, astrólogo e filósofo persa. Talvez, o maior astrólogo da corte abássida em Bagdá.[2] Não foi um inovador e como astrólogo não era intelectualmente preciso. Contudo, escreveu uma série de manuais práticos sobre astrologia que influenciaram profundamente a história intelectual muçulmana e, através das traduções, também a Europa Ocidental e o Império Bizantino.[3]

Vida[editar | editar código-fonte]

Abū Ma‘shar viveu em Bagdá. No início de seu trabalho, como um acadêmico, estudou o hadith. Foi somente após os quarenta e sete anos de idade que começou a estudar Astrologia.[4]

Astrologia e filosofia natural[editar | editar código-fonte]

Recebeu influência das obras de estudiosos gregos, Mesopotâmia, islâmicos e persas.[4] Richard Lemay argumentou que os escritos de Albumasar eram, muito provavelmente, a mais importante fonte original das teorias da natureza de Aristóteles para os estudiosos europeus, começando um pouco antes do meio do século XII.[5]

Foi somente no final do século XII, que os livros originais de Aristóteles sobre a natureza começaram a se tornar disponíveis em latim. As obras de Aristóteles sobre a lógica já eram conhecidos há mais tempo, e Aristóteles era geralmente reconhecido como "o mestre da lógica". Mas, durante o curso do século XII, Aristóteles foi transformado no "mestre dos que sabem", e em particular, um mestre da filosofia natural. O interesse especial no trabalho de Albumasar (ou Balkhi), sobre este tema, é um tratado sobre astrologia. Seu título em latim é Introductorium in Astronomiam, uma tradução do árabe Kitab al-mudkhal al-kabir ila 'ilm ahkam an-nujjum, escrito em Bagdá, em 848. Foi traduzido para o latim, primeiramente por João de Sevilha, em 1133 e, novamente, menos literal e resumido, por Hermam da Caríntia, em 1140. Amir Khusrow menciona que Abu Maʿshar foi até Benaras (Varanasi) e estudou astronomia lá por dez anos.[6]

Obras[editar | editar código-fonte]

Tradução para o latim do trabalho de Abu Ma'shar De Magnis Coniunctionibus ("Das grandes conjunções"), Veneza, 1515.

Seus trabalhos sobre astronomia não mais existem, mas a informação pode ainda ser extraída de resumos encontrados nas obras de astrônomos posteriores ou de suas obras sobre astrologia.[2]

Introdução à Astrologia[editar | editar código-fonte]

  • Kitāb al‐mudkhal al‐kabīr, uma introdução à Astrologia, que recebeu muitas traduções para o latim e o grego a partir do século XI. Teve influência significativa sobre filósofos ocidentais, como Alberto Magno.[2]
  • Kitāb mukhtaṣar al‐mudkhal, uma versão resumida da anterior, posteriormente traduzida para o latim por Adelardo de Bath.[2]

Astrologia histórica[editar | editar código-fonte]

  • Kitāb al‐milal wa‐ʾl‐duwal ("Livro sobre religiões e dinastias"), provavelmente sua obra mais importante, referendada nas grandes obras de Roger Bacon, Pierre d'Ailly e Pico della Mirandola.[2]
  • Fī dhikr ma tadullu ʿalayhi al‐ashkhāṣ al‐ʿulwiyya ("Sobre as indicações dos objetos celestes"),
  • Kitāb al‐dalālāt ʿalā al‐ittiṣālāt wa‐qirānāt al‐kawākib ("Livro das indicações das conjunções planetárias"),
  • Kitāb al‐ulūf ("Livro de milhares"), preservada apenas em resumos feitos por Sijzi.[2]
  • Kitāb taḥāwīl sinī al-‘ālam (Flores de Abu Ma'shar), utiliza horóscopos para examinar meses e dias do ano. Era um manual para os astrólogos. Foi traduzido no século XII por João de Sevilha.[4]

Genetliologia[editar | editar código-fonte]

  • Kitāb taḥāwil sinī al‐mawālīd ("Livro das revoluções dos anos de nascimento"), traduzido para o grego em 1000, e desta para o latim no século XIII.
  • Kitāb mawālīd al‐rijāl wa‐ʾl‐nisāʾ ("Livro de nascimentos de homens e mulheres"), que foi amplamente divulgado no mundo islâmico.[2]

Livros de traduções disponíveis em latim e grego[editar | editar código-fonte]

  • De magnis coniunctionibus, ed.-tradução K. Yamamoto, Ch. Burnett, Leiden, 2000, 2 vols. (texto em árabe e em latim)
  • De revolutionibus nativitatum, ed. D. Pingree, Leipzig, 1968 (texto em grego)
  • Liber florum traduzido por James Herschel Holden em Five Medieval Astrologers (Tempe, Az.: A.F.A., Inc., 2008): 13-66.
  • Introductorium maius, ed. R. Lemay, Napoli, 1995–1996, 9 vols. (texto em árabe e duas traduções em latim)
  • Ysagoga minor, ed.-trad. Ch. Burnett, K. Yamamoto, M. Yano, Leiden-Nova Iorque, 1994 (texto em árabe e em latim)

Notas

  1. The Arrival of the Pagan Philosophers in the North:A Twelfth Century Florilegium in Edinburgh University Library, Charles Burnett, Knowledge, Discipline and Power in the Middle Ages, ed. Joseph Canning, Edmund J. King, Martial Staub, (Brill, 2011), 83;"... escritor prolífico Abu Ma'shar Ja'far ibn Muhammad ibn 'Umar al-Balkhi, que nasceu em Coração em 787 d.C. e morreu em Wasit no Iraque, em 886 ..."
  2. a b c d e f g h Yamamoto 2007.
  3. a b Pingree 1970.
  4. a b c Flowers of Abu Ma'shar World Digital Library (1488).
  5. Richard Lemay, Abu Ma'shar and Latin Aristotelianism in the Twelfth Century, The Recovery of Aristotle's Natural Philosophy through Iranian Astrology, 1962.
  6. Introduction to Astronomy, Containing the Eight Divided Books of Abu Ma'shar Abalachus World Digital Library (1506).

Referências

Wikisource  "Albumazar". Encyclopædia Britannica (11th). (1911). Ed. Chisholm, Hugh. Cambridge University Press. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]