Abuso sexual de menor

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Abuso sexual de menores)
Ir para: navegação, pesquisa

Abuso sexual de menor, abuso sexual infantil ou abuso sexual de crianças é uma forma de abuso infantil em que um adulto ou adolescente mais velho usa uma criança para estimulação sexual.[1] [2] Formas de abuso sexual infantil incluem pedir ou pressionar a criança a se envolver em atividades sexuais (independentemente do resultado), exposição indecente (dos órgãos genitais, mamilos femininos, etc) para uma criança com a intenção de satisfazer os seus próprios desejos sexuais, ou para intimidar ou aliciar a criança, ter contato físico sexual com uma criança, ou usar uma criança para produzir pornografia infantil.[1] [3] [4]

Série de artigos sobre
Pedofilia
Controvérsia pedofilíaca
Questões legais
Crimes relacionados

Os efeitos do abuso sexual de crianças pode incluir depressão,[5] Transtorno de estresse pós-traumático,[6] ansiedade,[7] Transtorno de estresse pós-traumático complexo,[8] propensão a mais vitimização na idade adulta,[9] e lesão física em criança, entre outros problemas.[10] O abuso sexual por parte de um membro da família é uma forma de incesto e pode resultar em trauma psicológico mais sério e de longo prazo, especialmente no caso de incesto parental.[11]

Segundo a lei, "abuso sexual infantil" é um termo guarda-chuva que descreve infracções penais e cíveis na qual um adulto se envolve em atividade sexual com um menor ou explora um menor para propósito de gratificação sexual.[4] [12] A Associação Psiquiátrica Americana afirma que "crianças não podem consentir em atividade sexual com adultos", e condena qualquer ação por um adulto: "Um adulto que se envolve em atividade sexual com uma criança está realizando um ato criminoso e imoral que nunca pode ser considerado como um comportamento normal ou aceitável socialmente."[13]

Efeitos[editar | editar código-fonte]

Efeitos psicológicos[editar | editar código-fonte]

O abuso sexual infantil pode causar danos tanto a curto prazo quanto a longo prazo, incluindo psicopatologias mais tarde na vida.[10] [14] Indicadores e efeitos incluem depressão,[5] [6] [15] ansiedade,[7] transtornos alimentares,[16] baixa auto-estima,[16] somatização,[15] transtornos de sono,[17] [18] e transtornos dissociativo e de ansiedade incluindo estresse pós-traumático.[19] [20] Enquanto crianças podem apresentar comportamento regressivo, como sucção do polegar ou xixi na cama, o mais forte indicador de abuso sexual é a atitude sexual e inapropriado conhecimento e interesse sexual.[21] [22] As vítimas podem retirar-se das atividades escolares e sociais[21] e apresentar vários problemas de aprendizagem e comportamentais, incluindo crueldade contra animais,[23] [24] [25] déficit de atenção com hiperatividade (TDAH), Desvio de conduta e Transtorno desafiador opositivo (TDO).[16] Gravidez na adolescência e comportamentos sexuais de risco podem aparecer na adolescência.[26] Crianças vítimas de abuso sexual demonstram quase quatro vezes mais incidência de automutilação.[27]

Um efeito negativo a longo prazo bem documentado é a vitimização repetida ou adicional na adolescência e na idade adulta.[9] [28] A relação causal foi encontrada entre abuso sexual na infância e várias psicopatologias adultas, incluindo crime e suicídio,[29] [30] [31] [32] [33] [34] além de alcoolismo e abuso de drogas.[35] [28] [36] Homens que foram abusados sexualmente quando crianças aparecem mais freqüentemente no sistema de justiça criminal do que em um cenário de saúde mental clínico.[21] Um estudo que comparou mulheres já de meia-idade que foram abusadas ​​quando crianças com homens não abusados e encontrou custos significativamente mais elevados de saúde para as mulheres.[15] [37] Efeitos intergeracionais foram anotados, onde os filhos de vítimas de abuso sexual apresentaram mais problemas de conduta, problemas com colegas e problemas emocionais do que seus pares.[38]

Ainda não foi identificado um padrão característico de sintomas específicos[39] e há várias hipóteses sobre a causalidade dessas associações.[5] [40] [41]

Estudos descobriram que 51% a 79% das crianças abusadas sexualmente apresentam sintomas psicológicos.[32] [42] [43] [44] [45] O risco de dano é maior se o abusador é um familiar, se o abuso envolve relação sexual ou tentativa de relação sexual, ou se as ameaça ou força são usados.[46] O nível de dano também pode ser afetada por vários fatores, tais como a penetração, a duração e freqüência do abuso e uso de força.[10] [14] [47] [48] O estigma social do abuso sexual infantil pode combinar o dano psicológico a crianças,[48] [49] e os resultados adversos são menos prováveis ​​para as crianças abusadas que têm ambientes familiares suportivos.[50] [51]

Dissociação e Transtorno de estresse pós-traumático (TEPT)[editar | editar código-fonte]

Abuso infantil, incluindo o abuso sexual, especialmente abuso crônico de partida em idades precoces, foi encontrado estar relacionado com o desenvolvimento de níveis elevados de sintomas dissociativos, que inclui amnésia com relação as memórias de abuso.[52] Em casos de abuso sexual grave (penetração, vários autores, duração de mais de um ano), os sintomas dissociativos são ainda mais proeminentes.[53]

Besides Transtorno dissociativo de identidade (TDI) e Transtorno de estresse pós-traumático (TEPT), crianças vítimas de abuso sexual pode apresentar Transtorno de Personalidade Limítrofe (TPL) e distúrbios alimentares tais como bulimia nervosa.[54]

Fatores de pesquisa[editar | editar código-fonte]

Porque o abuso sexual infantil ocorre muitas vezes ao junto a outras variáveis ​​possivelmente conjuntas, tais como ambiente familiar miserável e abuso físico,[55] alguns estudiosos afirmam que é importante controlar essas variáveis ​​em estudos que medem os efeitos do abuso sexual.[14] [40] [56] [57] Durante uma revisão da literatura relacionada em 1998, Martin e Fleming afirmaram "A hipótese apresentada neste trabalho é que, na maioria dos casos, o dano básico causado pelo abuso sexual em crianças é devido a capacidade da criança em desenvolver confiança, intimidade, agência e sexualidade, e que muitos dos problemas de saúde mental da vida adulta associados a histórias de abuso sexual infantil são efeitos de segunda ordem."[58] Outros estudos encontraram uma associação independente de abuso sexual de crianças com resultados psicológicos adversos.[7] [14] [40]

Efeitos físicos[editar | editar código-fonte]

Ferimentos[editar | editar código-fonte]

Dependendo da idade e tamanho da criança, bem como o grau de força utilizada, o abuso sexual infantil pode causar lacerações internas e sangramentos. Em casos severos, podem ocorrer danos em órgãos internos o que em alguns casos, pode causar a morte.[59] Herman-Giddens et al. encontraram seis casos certos e seis casos prováveis de morte devido a abuso sexual infantil na Carolina do Norte entre 1985 e 1994. As vítimas tinham idades entre 2 meses e 10 anos. As causas de morte incluíram trauma na genitália ou no reto e mutilação sexual.[60]

Infecções[editar | editar código-fonte]

O abuso sexual infantil pode causar infecções e doenças sexualmente transmissíveis.[61] Dependendo da idade da criança, devido à falta de suficiente lubrificação vaginal, as possibilidades de infecção são mais elevadas, sendo casos de vaginites.[61]

Danos neurológicos[editar | editar código-fonte]

A pesquisa têm mostrado que o estresse traumático, incluindo o estresse causado pelo abuso sexual, provoca mudanças notáveis ​​no funcionamento do cérebro e e seu desenvolvimento.[62] [63] Vários estudos têm sugerido que o abuso sexual infantil grave pode ter um efeito deletério sobre o desenvolvimento do cérebro. Ito et al. (1998) encontrou "assimetria hemisférica invertida e uma maior coerência no hemisfério esquerdo em indivíduos vítimas de abuso";[64] Teicher et al. (1993) found that an increased likelihood of "ictal temporal lobe epilepsy-like symptoms" in abused subjects;[65] Anderson et al (2002) registrou relaxamento transversal anormal de tempo no vermis cerebelar dos adultos abusados ​​sexualmente na infância;[66] Teicher et al. (1993) descobriram que o abuso sexual infantil está associado com uma redução da área de corpo caloso, vários estudos têm encontrado uma associação da redução do volume do hipocampo esquerdo com o abuso sexual de crianças;[67] e Ito et al. (1993) encontraram aumento de anormalidades eletrofisiológicas em crianças abusadas sexualmente.[68]

Incesto[editar | editar código-fonte]

O incesto entre a criança ou adolescente e um adulto aparentado tem sido identificado como a forma mais comum de abuso sexual de crianças, com enorme capacidade de dano à criança.[11] One researcher stated that more than 70% of abusers are immediate family members or someone very close to the family.[69] Outro pesquisador afirmou que cerca de 30% de todos os autores de abuso sexual têm algum parentesco com sua vítima, 60% dos agressores são amigos da família, como vizinhos, babá ou amigo da família e somente 10% dos agressores são estranhos.[29] O crime de abuso sexual infantil onde o autor têm algum grau e parentesco com a criança, seja por sangue ou casamento, é uma forma de incesto descrito como abuso sexual infantil intrafamiliar.[70]

A forma mais frequentemente relatados de incesto é entre pai-filha e padrasto-enteada, com a maioria dos relatórios restantes consistindo de mãe/madrasta e filha/filho.[71] O incesto pai-filho é relatado com pouca freqüência, no entanto, não se sabe se a real prevalência é menor ou se é sub-relatada por uma margem maior.[72] [73] Da mesma forma, alguns argumentam que o incesto entre irmãos pode ser tão comum, ou mais comum, que outros tipos de incesto: Goldman e Goldman[74] relatou 57% de incesto entre irmãos; Finkelhor relatou mais de 90%;[75] enquanto Cawson et al. mostram que o incesto entre irmãos foi relatado duas vezes mais que o incesto perpetrado por pais/padrastos.[76]

Prevalência de buso sexual infantil pelos pais é difícil de avaliar devido ao sigilo e privacidade, algumas estimativas indicam que 20 milhões de americanos foram vítimas de incesto dos próprios pais quando crianças.[71]

Tipos[editar | editar código-fonte]

O abuso sexual infantil inclui uma variedade de crimes sexuais, incluindo:

  • Agressão – um termo que define crimes onde um adulto toca um menor com o propósito de satisfação sexual, por exemplo, estupro (incluindo sodomia) e a penetração sexual com um objeto.[77]
  • Exploração – um termo que definem crimes em que um adulto vitimiza um menor para gratificação sexual, ou lucro, por exemplo, prostituindo uma criança[78] e criar ou traficar pornografia infantil.[79]
  • Aliciamento – define a conduta social de um potencial agressor sexual infantil que procura ter alguma aceitação de suas investidas, por exemplo, em um chat.

Descoberta do abuso[editar | editar código-fonte]

As crianças que recebem respostas de apoio após a descoberta apresentaram menos sintomas traumáticos e foram abusadas ​​por um período de tempo mais curto do que as crianças que não receberam apoio.[80] [81] Em geral, os estudos mostraram que as crianças precisam de apoio e recursos de redução do estresse após a descoberta de abuso sexual.[82] [83] As reações sociais negativas quanto a descoberta mostraram ser prejudiciais ao bem-estar da vítima.[84] Um estudo relatou que as crianças que receberam uma reação negativa da primeira pessoa a quem relataram o abuso - especialmente um membro próximo da família - tiveram piores escores como adultos em relação os sintomas gerais de trauma, sintomas de transtorno de estresse pós-traumático e de dissociação.[85] Outro estudo descobriu que na maioria dos casos, quando as crianças relatam um abuso, a pessoa a quem relataram não respondeu de forma eficaz, culpou ou rejeitou a criança e mostrou pouca ou nenhuma ação para parar o abuso.[83] A não-validação e as respostas não-favoráveis ​​ao relato por parte da figura de apego primário da criança podem indicar um distúrbio relacional anterior ao abuso sexual, um fator de risco para o abuso que pode continuar e ser também um fator de risco por suas conseqüências psicológicas.[86]

Tratamento[editar | editar código-fonte]

Criança e adolescente[editar | editar código-fonte]

As crianças muitas vezes são apresentadas para tratamento em uma de várias circunstâncias, incluindo investigações criminais, batalhas de custódia, comportamentos problemáticos e referências de agências de bem-estar da criança.[87]

As três principais modalidades de terapia com crianças e adolescentes são a terapia familiar, a terapia em grupo e a terapia individual. Qual curso será usado depende de uma série de fatores que devem ser avaliados caso a caso. Por exemplo, o tratamento de crianças pequenas geralmente requer um forte envolvimento dos pais então a terapia familiar pode ter mais benefícios. Os adolescentes tendem a ser mais independentes e podem se beneficiar de terapia individual ou em grupo. A modalidade também se desloca durante o curso do tratamento, por exemplo, a terapia de grupo é raramente usada nas fases iniciais, já que o assunto é muito pessoal e/ou embaraçoso.[87]

Os principais fatores que afetam tanto a patologia quanto a resposta ao tratamento incluem o tipo e a gravidade do ato sexual, sua freqüência, a idade em que ela ocorreu e a origem da família da criança. O médico Roland C. Summit havia definido as diferentes fases passadas pelas vítimas de abuso sexual infantil como Síndrome da acomodação do abuso sexual infantil (ou Síndrome de acomodação da criança abusada sexualmente). Ele sugeriu que as crianças que são vítimas de abuso sexual representam uma gama de sintomas que incluem sigilo, desamparo, encarceramento, acomodação, revelação adiada e conflitosa e retratação.[88] A síndrome constitui um esforço adaptativo que a criança faz de forma a garantir sua sobrevivência ao abuso sexual, todavia este processo acentua o sentimento de culpa da criança tornando mais difícil sua saída da situação abusiva.[89]

Vida adulta[editar | editar código-fonte]

Adultos com histórico de abuso sexual, muitas vezes se apresentam para tratamento com um problema de saúde mental secundário, que pode incluir o abuso de substâncias, transtornos alimentares, distúrbios de personalidade, depressão e conflitos em relacionamentos amorosos ou interpessoais.[90]

Geralmente a abordagem é se concentrar no problema atual, ao invés do próprio abuso. O tratamento é variado e depende de questões específicas da pessoa. Por exemplo, uma pessoa com histórico de abuso sexual que sofre de depressão grave seria tratada de depressão. No entanto, muitas vezes há uma ênfase na reestruturação cognitiva, devido à natureza profunda do trauma. Algumas técnicas mais recentes, tais como a EMDR (Dessensibilização e Reprocessamento por Movimentos Oculares) têm-se mostrado eficaz.[91]

Prevalência[editar | editar código-fonte]

A prevalência global de abuso sexual infantil foi estimada em 19,7% para as mulheres e 7,9% para os homens, de acordo com um estudo de 2009 publicado no Clinical Psychology Review que examinou 65 estudos de 22 países. Usando os dados disponíveis, a maior taxa de prevalência de abuso sexual infantil geograficamente foi encontrado em África (34,4%), principalmente por causa das altas taxas na África do Sul, a Europa apresentou a menor taxa de prevalência (9,2%), América e Ásia tiveram as taxas de prevalência entre 10,1% e 23,9%.[92] No passado, outros estudos concluíram similarmente que na América do Norte, por exemplo, cerca de 15% a 25% das mulheres e 5% a 15% dos homens foram sexualmente abusados quando eram crianças.[29] [93] [94]

A maioria dos infratores de abuso sexual são próximos de suas vítimas; cerca de 30% são parentes da criança, na maioria das vezes irmãos, pais, tios ou primos, cerca de 60% são outros conhecidos como "amigos" da família, babás ou vizinhos, estranhos são os infratores em cerca de 10% dos casos de abuso sexual infantil.[29] A maioria dos abusos sexuais e crianças é cometido por homens, os estudos mostram que as mulheres cometem 14% a 40% dos crimes relatados contra meninos e 6% dos crimes relatados contra meninas.[29] [93] [95] Algumas fontes indicam que a maioria dos infratores que abusam sexualmente de crianças pré-púberes são pedófilos,[96] mas alguns infratores não cumprem as normas de diagnóstico clínico de pedofilia.[97] [98]

Europa[editar | editar código-fonte]

Portugal[editar | editar código-fonte]

Em Portugal a APAV (Apoio à vitima) coletou dados sobre 546 casos de abusos sexuais de 2012, onde 22.7% das vítimas são menores de 0 a 17 anos, a maioria do sexo feminino. São de assinalar, porém, as vítimas situadas nas faixas etárias entre os 11 e os 17 anos de idade em 8,2% (45 vítimas). [99]

Reino Unido[editar | editar código-fonte]

No Reino Unido, um estudo de 2010 estimou a prevalência de cerca de 5% para os meninos e 18% para as meninas[100] (não muito diferente de um estudo de 1985 que estimou cerca de 8% para os meninos e 12% das meninas[101] ). Mais de 23 mil incidentes foram registrados pela polícia do Reino Unido entre 2009 e 2010. As meninas eram seis vezes mais prováveis de serem atacadas do que os meninos com 86% dos ocorrendo contra elas.[102] [103]

América do Norte[editar | editar código-fonte]

Estados Unidos[editar | editar código-fonte]

As estimativas para os Estados Unidos variam amplamente. A revisão de literatura de 23 estudos encontrou taxas de 3% a 37% para os homens e de 8% a 71% para as mulheres, o que produziu uma média de 17% para os meninos e 28% para as meninas,[104] enquanto uma análise estatística com base em 16 estudos transversais estima a taxa em 7,2% para o sexo masculino e 14,5% para o sexo feminino.[94] O Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA informou 83.600 relatos comprovados de crianças abusadas sexualmente em 2005.[105] [106] Incluir incidentes que não foram relatados faria o número total ainda maior.[107] De acordo com Emily M. Douglas e David Finkelhor, "Vários estudos nacionais descobriram que crianças negras e brancas experimentaram níveis quase iguais de abuso sexual. Outros estudos, no entanto, descobriram que ambos negros e latinos têm um risco aumentado para a vitimização sexual".[108] [109]

América do Sul[editar | editar código-fonte]

Brasil[editar | editar código-fonte]

No Brasil a violência sexual em crianças de 0 a 9 anos é o segundo maior tipo de violência nessa faixa etária, ficando pouco atrás de notificações de negligência e abandono, os dados são do sistema de Vigilância de Violências e Acidentes (VIVA) do Ministério da Saúde. A maior parte das agressões ocorreram na residência da criança (64,5%). Em relação ao meio utilizado para agressão, a força corporal/espancamento foi o meio mais apontado (22,2%), atingindo mais meninos (23%) do que meninas (21,6%). Em 45,6% dos casos o provável autor da violência era do sexo masculino. Grande parte dos agressores são pais e outros familiares, ou alguém do convívio muito próximo da criança e do adolescente, como amigos e vizinhos.[110]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Child Sexual Abuse Medline Plus U.S. National Library of Medicine, (2008-04-02).
  2. (August 1999) "Guidelines for psychological evaluations in child protection matters. Committee on Professional Practice and Standards, APA Board of Professional Affairs". The American Psychologist 54 (8): 586–93. DOI:10.1037/0003-066X.54.8.586. PMID 10453704.
  3. Martin J, Anderson J, Romans S, Mullen P, O'Shea M. (1993). "Asking about child sexual abuse: methodological implications of a two stage survey". Child Abuse & Neglect 17 (3): 383–92. DOI:10.1016/0145-2134(93)90061-9. PMID 8330225.
  4. a b Child sexual abuse definition from the NSPCC (em inglês)
  5. a b c Roosa MW, Reinholtz C, Angelini PJ. (February 1999). "The relation of child sexual abuse and depression in young women: comparisons across four ethnic groups". Journal of Abnormal Child Psychology 27 (1): 65–76. PMID 10197407.
  6. a b Widom CS, DuMont K, Czaja SJ. (January 2007). "A prospective investigation of major depressive disorder and comorbidity in abused and neglected children grown up". Archives of General Psychiatry 64 (1): 49–56. DOI:10.1001/archpsyc.64.1.49. PMID 17199054.
  7. a b c Levitan RD, Rector NA, Sheldon T, Goering P. (2003). "Childhood adversities associated with major depression and/or anxiety disorders in a community sample of Ontario: issues of co-morbidity and specificity". Depression and Anxiety 17 (1): 34–42. DOI:10.1002/da.10077. PMID 12577276.
  8. Roth, S.; Newman, E.; Pelcovitz, D.; Van Der Kolk, B.; Mandel, F. S. (1997). "Complex PTSD in victims exposed to sexual and physical abuse: Results from the DSM-IV Field Trial for Posttraumatic Stress Disorder". Journal of traumatic stress 10 (4): 539–555. doi:10.1002/jts.2490100403. PMID 9391940
  9. a b (2000) "Child Sexual Abuse and Revictimization in the Form of Adult Sexual Abuse, Adult Physical Abuse, and Adult Psychological Maltreatment". Journal of Interpersonal Violence 15 (5): 489. DOI:10.1177/088626000015005003. (em inglês)
  10. a b c Dinwiddie S, Heath AC, Dunne MP, et al.. (Janeiro 2000). "Early sexual abuse and lifetime psychopathology: a co-twin-control study". Psychological Medicine 30 (1): 41–52. DOI:10.1017/S0033291799001373. PMID 10722174. (em inglês)
  11. a b Courtois, Christine A.. Healing the incest wound: adult survivors in therapy. New York: Norton, 1988. p. 208. ISBN 0-393-31356-5.
  12. The Sexual Exploitation of Children, Chart 1: Definitions of Terms Associated With the Sexual Exploitation (SEC) and Commercial Sexual Exploitation of Children (CSEC) (p. 4), University of Pennsylvania Center for Youth Policy Studies, U.S. National Institute of Justice, Agosto de 2001.
  13. American Psychological Association (June 9, 1999). APA Letter to the Honorable Rep. DeLay (R-Tx). Press release. (em inglês)
  14. a b c d Nelson EC, Heath AC, Madden PA, et al.. (February 2002). "Association between self-reported childhood sexual abuse and adverse psychosocial outcomes: results from a twin study". Archives of General Psychiatry 59 (2): 139–45. DOI:10.1001/archpsyc.59.2.139. PMID 11825135.
  15. a b c Arnow BA. (2004). "Relationships between childhood maltreatment, adult health and psychiatric outcomes, and medical utilization". The Journal of Clinical Psychiatry 65 Suppl 12: 10–5. PMID 15315472.
  16. a b c Walsh, K.; DiLillo, D.. In: K.. The psychology of teen violence and victimization. Santa Barbara, CA: Praeger, 2011. 203–216 pp. vol. 1. ISBN 0-313-39375-3.
  17. Noll, J. G., Trickett, P. K., Susman, E. J., & Putnam, F. W.. (2006). "Sleep disturbances and childhood sexual abuse". Journal of Pediatric Psychology, 31 (5): 469–480. DOI:10.1093/jpepsy/jsj040.
  18. Steine, I. M., Krystal et al. (2012). "Insomnia, nightmare frequency, and nightmare distress in victims of sexual abuse: The role of perceived social support and abuse characteristics". Journal of Interpersonal Violence 27 (9): 51827–1843. DOI:10.1177/0886260511430385.
  19. Widom CS. (August 1999). "Posttraumatic stress disorder in abused and neglected children grown up". The American Journal of Psychiatry 156 (8): 1223–9. PMID 10450264.
  20. (2005-08-05) "Dissociation Often Precedes PTSD In Sexually Abused Children". Psychiatric News 40 (15): 34. American Psychiatric Association.
  21. a b c Understanding child sexual abuse: education, prevention, and recovery. American Psychological Association
  22. Faller, Kathleen Coulborn. Child Sexual Abuse: Intervention and Treatment Issues. [S.l.]: Diane Publishing, 1993. p. 6. ISBN 0-7881-1669-X.
  23. Frank R. Ascione Cruelty to animals in normative, sexually abused, and outpatient psychiatric samples of 6- to 12-year-old children Anthrozoös 16.3 (2003): 194–212. Ver também:
    ...[em um estudo por William N. Friedrich de] 271 casos de abuso sexual fundamentados em crianças de 2 a 12 anos de idade e 879 crianças que não sofreram abuso... a crueldade aos animais esteve presente em 34,8% dos meninos que sofreram abuso sexual e 27,5% das meninas vítimas de abuso sexual, as taxas [eram] de 7 e a 8 vezes superiores às taxas para as crianças que não sofreram abuso. Ascione, Children and animals: exploring the roots of kindness and cruelty Purdue University Press April 1, 2005, p. 118.
  24. J McClellan et al Clinical characteristics related to severity of sexual abuse: A study of seriously mentally ill youth Child Abuse & Neglect 19.10 (1995): 1245–1254
  25. WN Friedrich et al Behavior problems in sexually abused young children Journal of Pediatric Psychology, 11.1 (1986): 47–57
  26. Tyler, K.A.. (2002). "Social and emotional outcomes of childhood sexual abuse: A review of recent research". Aggression and Violent Behavior 7 (6): 567–589. DOI:10.1016/S1359-1789(01)00047-7.
  27. Noll, J. G et al. (2003). "Revictimization and self-harm in females who experienced childhood sexual abuse: Results from a prospective study". Journal of Interpersonal Violence 18 (12): 1452–1471. DOI:10.1177/0886260503258035.
  28. a b Melissa A. Polusny and Victoria M. Follette. "Long-term correlates of child sexual abuse: Theory and review of the empirical literature". Applied and Preventive Psychology 4 (3, Summer 1995, Pages 143–166). Elsevier Ltd..
  29. a b c d e Julia Whealin, Ph.D. (2007-05-22). Child Sexual Abuse National Center for Post Traumatic Stress Disorder, US Department of Veterans Affairs.
  30. Freyd JJ, Putnam FW, Lyon TD, et al.. (April 2005). "Psychology. The science of child sexual abuse". Science 308 (5721): 501. DOI:10.1126/science.1108066. PMID 15845837.
  31. Dozier, M., Stovall, K.C., & Albus, K.. In: J. Cassidy & P. Shaver. Handbook of Attachment. NY: Guilford Press, 1999. 497–519 pp. ISBN 1-57230-826-5.
  32. a b Kendall-Tackett KA, Williams LM, Finkelhor D. (January 1993). "Impact of sexual abuse on children: a review and synthesis of recent empirical studies". Psychological Bulletin 113 (1): 164–80. DOI:10.1037/0033-2909.113.1.164. PMID 8426874. also published in Hertzig, Margaret E.; Ellen A. Farber. Annual progress in child psychiatry and child development 1994. [S.l.]: Psychology Press, 1994. 321–356 pp. ISBN 0-87630-744-6.
  33. Gauthier L, Stollak G, Messé L, Aronoff J. (July 1996). "Recall of childhood neglect and physical abuse as differential predictors of current psychological functioning". Child Abuse & Neglect 20 (7): 549–59. DOI:10.1016/0145-2134(96)00043-9. PMID 8832112.
  34. Briere J. (April 1992). "Methodological issues in the study of sexual abuse effects". Journal of Consulting and Clinical Psychology 60 (2): 196–203. DOI:10.1037/0022-006X.60.2.196. PMID 1592948.
  35. Childhood Sex Abuse Increases Risk for Drug Dependence in Adult Women NIDA Notes, National Institute of Drug Abuse, volume 17, no. 1 National Institutes of Health (April 2002).
  36. Brown D. (2000). "(Mis) representations of the long-term effects of childhood sexual abuse in the courts". Journal of Child Sexual Abuse 9 (3–4): 79–107. DOI:10.1300/J070v09n03_05. PMID 17521992.
  37. Bonomi AE, Anderson ML, Rivara FP, et al.. (March 2008). "Health care utilization and costs associated with childhood abuse". Journal of General Internal Medicine 23 (3): 294–9. DOI:10.1007/s11606-008-0516-1. PMID 18204885.
  38. Roberts, R., O'Connor, T., Dunn, J., and Golding, J.. (2004). "The effects of child sexual abuse in later family life; mental health, parenting and adjustment of offspring". hild Abuse & Neglect 28 (5): 525–545. DOI:10.1016/j.chiabu.2003.07.006.
  39. Fergusson, D.M. & Mullen, P.E.. Childhood sexual abuse: An evidence based perspective. Thousand Oaks, California: Sage Publications, 1999. ISBN 0-7619-1136-7.
  40. a b c Kendler KS, Bulik CM, Silberg J, Hettema JM, Myers J, Prescott CA. (October 2000). "Childhood sexual abuse and adult psychiatric and substance use disorders in women: an epidemiological and cotwin control analysis". Archives of General Psychiatry 57 (10): 953–9. DOI:10.1001/archpsyc.57.10.953. PMID 11015813.
  41. Briere J, Elliott DM. (April 1993). "Sexual abuse, family environment, and psychological symptoms: on the validity of statistical control". Journal of Consulting and Clinical Psychology 61 (2): 284–8; discussion 289–90. DOI:10.1037/0022-006X.61.2.284. PMID 8473582.
  42. (1989) "The Impact of Child Sexual Abuse On Victims' Adjustment". Sexual Abuse: A Journal of Research and Treatment 2: 29. DOI:10.1177/107906328900200102.
  43. Mannarino AP, Cohen JA. (1986). "A clinical-demographic study of sexually abused children". Child Abuse & Neglect 10 (1): 17–23. DOI:10.1016/0145-2134(86)90027-X. PMID 3955424.
  44. Tong L, Oates K, McDowell M. (1987). "Personality development following sexual abuse". Child Abuse & Neglect 11 (3): 371–83. DOI:10.1016/0145-2134(87)90011-1. PMID 3676894.
  45. (1987) "The Effects of Sexual Abuse on Children: A Multidimensional View". Journal of Interpersonal Violence 2 (4): 380. DOI:10.1177/088626058700200404.
  46. Bulik CM, Prescott CA, Kendler KS. (November 2001). "Features of childhood sexual abuse and the development of psychiatric and substance use disorders". The British Journal of Psychiatry 179 (5): 444–9. DOI:10.1192/bjp.179.5.444. PMID 11689403.
  47. Beitchman JH, Zucker KJ, Hood JE, daCosta GA, Akman D, Cassavia E. (1992). "A review of the long-term effects of child sexual abuse". Child Abuse Negl 16 (1): 101–18. DOI:10.1016/0145-2134(92)90011-F. PMID 1544021.
  48. a b Browne A, Finkelhor D. (January 1986). "Impact of child sexual abuse: a review of the research". Psychological Bulletin 99 (1): 66–77. DOI:10.1037/0033-2909.99.1.66. PMID 3704036.
  49. (2003) "The 'sexually abused child': Potential mechanisms of adverse influences of such a label". Aggression and Violent Behavior 8 (6): 645. DOI:10.1016/S1359-1789(02)00101-5.
  50. Romans SE, Martin JL, Anderson JC, O'Shea ML, Mullen PE. (January 1995). "Factors that mediate between child sexual abuse and adult psychological outcome". Psychological Medicine 25 (1): 127–42. DOI:10.1017/S0033291700028154. PMID 7792348.
  51. Spaccarelli S, Kim S. (September 1995). "Resilience criteria and factors associated with resilience in sexually abused girls". Child Abuse & Neglect 19 (9): 1171–82. DOI:10.1016/0145-2134(95)00077-L. PMID 8528822.
  52. Chu JA, Frey LM, Ganzel BL, Matthews JA. (May 1999). "Memories of childhood abuse: dissociation, amnesia, and corroboration". The American Journal of Psychiatry 156 (5): 749–55. PMID 10327909.
  53. Draijer N, Langeland W. (March 1999). "Childhood trauma and perceived parental dysfunction in the etiology of dissociative symptoms in psychiatric inpatients". The American Journal of Psychiatry 156 (3): 379–85. DOI:10.1016/j.biopsych.2003.08.018. PMID 10080552.
  54. Hornor, G.. (2010). "Child sexual abuse: Consequences and implications". Journal of Pediatric Health Care 24 (6): 358–364. DOI:10.1016/j.pedhc.2009.07.003.
  55. Mullen PE, Martin JL, Anderson JC, Romans SE, Herbison GP. (January 1996). "The long-term impact of the physical, emotional, and sexual abuse of children: a community study". Child Abuse & Neglect 20 (1): 7–21. DOI:10.1016/0145-2134(95)00112-3. PMID 8640429.
  56. (Fall 1995) "Does childhood sexual abuse cause adult psychiatric disorders? Essentials of methodology". Journal of Psychiatry & Law 23 (3): 363–81.
  57. Levitt EE, Pinnell CM. (April 1995). "Some additional light on the childhood sexual abuse-psychopathology axis". The International Journal of Clinical and Experimental Hypnosis 43 (2): 145–62. DOI:10.1080/00207149508409958. PMID 7737760.
  58. Fleming J, Mullen PE, Sibthorpe B, Bammer G. (February 1999). "The long-term impact of childhood sexual abuse in Australian women". Child Abuse & Neglect 23 (2): 145–59. DOI:10.1016/S0145-2134(98)00118-5. PMID 10075184.
  59. (2004) "Child Sexual Abuse: A Public Health Issue". The Justice Professional 17: 107. DOI:10.1080/08884310420001679386.
  60. Herman-Giddens ME, Brown G, Verbiest S, et al.. (August 1999). "Underascertainment of child abuse mortality in the United States". JAMA 282 (5): 463–7. DOI:10.1001/jama.282.5.463. PMID 10442662.
  61. a b De Jong AR. (1985). "Vaginitis due to Gardnerella vaginalis and to Candida albicans in sexual abuse". Child Abuse & Neglect 9 (1): 27–9. DOI:10.1016/0145-2134(85)90088-2. PMID 3872154.
  62. Developing Mind, Daniel Siegel, Guilford Press, 1999
  63. Maia Szalavitz; Perry, Bruce. The boy who was raised as a dog: and other stories from a child psychiatrist's notebook: what traumatized children can teach us about loss, love and healing. New York: Basic Books, 2006. ISBN 0-465-05652-0.
  64. Ito Y, Teicher MH, Glod CA, Ackerman E. (1998). "Preliminary evidence for aberrant cortical development in abused children: a quantitative EEG study". The Journal of Neuropsychiatry and Clinical Neurosciences 10 (3): 298–307. PMID 9706537.
  65. Teicher MH, Glod CA, Surrey J, Swett C. (1993). "Early childhood abuse and limbic system ratings in adult psychiatric outpatients". The Journal of Neuropsychiatry and Clinical Neurosciences 5 (3): 301–6. PMID 8369640.
  66. Anderson CM, Teicher MH, Polcari A, Renshaw PF. (2002). "Abnormal T2 relaxation time in the cerebellar vermis of adults sexually abused in childhood: potential role of the vermis in stress-enhanced risk for drug abuse". Psychoneuroendocrinology 27 (1–2): 231–44. DOI:10.1016/S0306-4530(01)00047-6. PMID 11750781.
  67. Teicher MH. (March 2002). "Scars that won't heal: the neurobiology of child abuse". Scientific American 286 (3): 68–75. DOI:10.1038/scientificamerican0302-68. PMID 11857902.
  68. Ito Y, Teicher MH, Glod CA, Harper D, Magnus E, Gelbard HA. (1993). "Increased prevalence of electrophysiological abnormalities in children with psychological, physical, and sexual abuse". The Journal of Neuropsychiatry and Clinical Neurosciences 5 (4): 401–8. PMID 8286938.
  69. Barabara E. Bogorad, Psy.D., A.B.P.P.,Founder and Former Director, Sexual Abuse Recovery Program Unit South Oaks Hospital, New York. Sexual Abuse:Surviving the Pain The American Academy of Experts in Traumatic Stress, Inc..
  70. (1990) "Decision-Making Of The District Attorney: Diverting Or Prosecuting Intrafamilial Child Sexual Abuse Offenders". Criminal Justice Policy Review 4 (3): 249. DOI:10.1177/088740349000400304.
  71. a b Turner, Jeffrey S.. Encyclopedia of relationships across the lifespan. Westport, Conn: Greenwood Press, 1996. p. 92. ISBN 0-313-29576-X.
  72. Meyer, Isabel Denholm; Dorais, Michel. In: Isabel Denholm. Don't tell: the sexual abuse of boys. Montreal: McGill-Queen's University Press, 2002. p. 24. ISBN 0-7735-2261-1.
  73. Courtois, Christine A.. Healing the incest wound: adult survivors in therapy. New York: Norton, 1988. ISBN 0-393-31356-5.
  74. Goldman JD, Padayachi UK. (May 1997). "The prevalence and nature of child sexual abuse in Queensland, Australia". Child Abuse & Neglect 21 (5): 489–98. DOI:10.1016/S0145-2134(97)00008-2. PMID 9158908.
  75. Finkelhor, D. (1979). Sexually victimised children. New York: Free Press
  76. Cawson, Pat; Wattam, Corinne; Brooker, Sue. In: Pat. Child Maltreatment in the United Kingdom: A Study of the Prevalence of Child Abuse and Neglect. London: National Society for the Prevention of Cruelty to Children, 2000. ISBN 978-1-84228-006-5.
  77. (May 2001) "Child Abuse Reported to the Police". Juvenile Justice Bulletin. U.S. Office of Juvenile Justice and Delinquency Prevention.
  78. (June 2004) "Prostitution of Juveniles: Patterns From NIBRS". Juvenile Justice Bulletin. U.S. Office of Juvenile Justice and Delinquency Prevention.
  79. Child Sexual Exploitation: Improving Investigations and Protecting Victims, Massachusetts Child Exploitation Network, U.S. Office of Juvenile Justice and Delinquency Prevention, January, 1995.
  80. (2000) "Positive reaction to disclosure and recovery from child sexual abuse". Journal of Child Sexual Abuse 9 (1): 29–51. DOI:10.1300/J070v09n01_03.
  81. (2005) "The Role of Disclosing Child Sexual Abuse on Adolescent Adjustment and Revictimization". Journal of Child Sexual Abuse 14 (2): 25–47. DOI:10.1300/J070v14n02_02. PMID 15914409.
  82. Arata, C. (1998). To tell or not to tell: Current functioning of child sexual abuse survivors who disclosed their victimization. Child Maltreatment, 3(1), 63.71.
  83. a b (1999) "Responding to children's disclosure of familial abuse: what survivors tell us". Child Welfare 2 (78): 259–282.
  84. (2003) "Social reactions to child abuse disclosure: A critical review". Journal of Child Sexual Abuse 12 (1): 89–121. DOI:10.1300/J070v12n01_05. PMID 16221661.
  85. (1994) "Reactions to disclosure of childhood sexual abuse: the effect on adult symptoms". Journal of Nervous and Mental Disease 182 (11): 618–624. DOI:10.1097/00005053-199411000-00004. PMID 7964669.
  86. Schechter DS, Brunelli SA, Cunningham N, Brown J, Baca P (2002). Mother-daughter relationships and child sexual abuse: A pilot study of 35 mothers and daughters (ages 1-9 years). Bulletin of the Menninger Clinic, 66(1), 39-60. [1]
  87. a b Cynthia Winn; Anthony J. Urquiza. Treatment For Abused And Neglected Children: Infancy To Age 18 – User Manual Series. [S.l.]: Diane Pub Co, 2004. ISBN 0-7881-1661-4.
  88. Summit, Roland C.. (January 1983). "The child sexual abuse accommodation syndrome". Child Abuse & Neglect 7 (22). PMID 6605796.
  89. Lígia Alexandra da Silva Carvalho, A valoração do testemunho da criança vítima de abuso sexual intra-familiar no contexto da avaliação forense, abril de 2007, Universidade do Porto, Mestrado em Ciências Forenses
  90. (2009) "The relationship between childhood sexual abuse and sexual dysfunction in Jamaican adults". J Child Sex Abus 18 (3): 247–66. DOI:10.1080/10538710902902679. PMID 19856732.
  91. (2004) "Assessing the long-term effects of EMDR: results from an 18-month follow-up study with adult female survivors of CSA". J Child Sex Abus 13 (1): 69–86. DOI:10.1300/J070v13n01_04. PMID 15353377.
  92. Prevalence of Child Sexual Abuse in Community and Student Samples: A Meta-Analysis Journalist's Resource.org.
  93. a b Finkelhor D. (1994). "Current information on the scope and nature of child sexual abuse". The Future of Children 4 (2): 31–53. DOI:10.2307/1602522. PMID 7804768.
  94. a b Gorey KM, Leslie DR. (April 1997). "The prevalence of child sexual abuse: integrative review adjustment for potential response and measurement biases". Child Abuse & Neglect 21 (4): 391–8. DOI:10.1016/S0145-2134(96)00180-9. PMID 9134267.
  95. Dube SR, Anda RF, Whitfield CL, et al.. (June 2005). "Long-term consequences of childhood sexual abuse by gender of victim". American Journal of Preventive Medicine 28 (5): 430–8. DOI:10.1016/j.amepre.2005.01.015. PMID 15894146.
  96. (1990) "Legal, social, and biological definitions of pedophilia". Archives of Sexual Behavior 19 (4): 333–342. DOI:10.1007/BF01541928. PMID 2205170. (em inglês)
  97. Laws, Dr. Richard; William T. O'Donohue. 'Sexual Deviance: Theory, Assessment, and Treatment'. [S.l.]: Guilford Press, 1997. 175–193 pp. ISBN 1-57230-241-0. (em inglês)
  98. Blaney, Paul H.; Millon, Theodore. In: Paul H.. Oxford Textbook of Psychopathology (Oxford Series in Clinical Psychology). 2nd. ed. [S.l.]: Oxford University Press, USA, 2009. 528 pp. ISBN 0-19-537421-5.
  99. Estatísticas APAV - Violência Sexual - 2012
  100. Radford ; Lorraine ; Corral ; Susana ; Bradley ; Christine ; Fisher ; Helen ; Bassett ; Claire ; Howat ; Nick and Collishaw ; Stephan (2011). Child abuse and neglect in the UK today (PDF) NSPCC.
  101. Baker, AW; Duncan, SP. (1985). "Child sexual abuse: a study of prevalence in Great Britain". Child Abuse and Neglect 9 (4): 457–67. DOI:10.1016/0145-2134(85)90054-7. PMID 4084825.
  102. "NSPCC says child sex abuse has risen to 64 crimes a day" BBC News. 26 May 2011. Retrieved February 4, 2012.
  103. "60 sex offences against children a day - NSPCC" BBC News. 25 de janeiro de 2010
  104. Rind, B; Tromovitch, P., & Bauserman, R.. (1998). "A meta-analytic examination of assumed properties of child sexual abuse using college samples". Psychological Bulletin 124 (1): 22–53. DOI:10.1037/0033-2909.124.1.22. PMID 9670820.
  105. ACF Questions and Answers Support Administration on Children and Families US Department of Health and Human Services.
  106. Child Maltreatment 2005 Administration on Children and Families US Department of Health and Human Services.
  107. Child Sexual Abuse Facts for Families, No. 9 American Academy of Child and Adolescent Psychiatry (May 2008).
  108. Child Sexual Abuse Fact Sheet. (PDF). Emily M. Douglas and David Finkelhor.
  109. "Correlates of Adolescent Reports of Sexual Assault: Findings From the National Survey of Adolescents". (PDF). Child Maltreatment Volume:8 Issue:4 Dated:Novembro de 2003 páginas 261 a 272
  110. Portal da Saúde do Ministério da Saúde, Abuso sexual é o segundo maior tipo de violência,22/05/2012, Vanessa Teles, da Agência Saúde – ASCOM/MS