Acarus siro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Se procura ácaros utilizados na produção de queijos ou que os deterioram, veja Ácaro-do-queijo.


Como ler uma caixa taxonómicaAcarus siro
Acarus siro (aumentado 400x)

Acarus siro (aumentado 400x)
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Arthropoda
Subfilo: Chelicerata
Classe: Arachnida
Subclasse: Acarina
Superordem: Acariformes
Ordem: Sarcoptiformes
Subordem: Oribatida
Superfamília: Acaroidea
Família: Acaridae
Género: Acarus
Espécie: A. siro
Nome binomial
Acarus siro
Sinónimos

Acarus siro Linnaeus, 1758, conhecido pelo nome comum de ácaro-da-farinha, é um ácaro da família dos acarídeos que infesta cereais armazenados, farinhas e outros produtos ricos em matéria orgânica. Constitui uma séria praga em estruturas de armazenamento de cereais,[2] [3] sendo a espécie de ácaro mais comum entre as muitas que infestam cereais e farinhas.[4] A espécie é frequentemente referida como Tyroglyphus farinae, uma designação taxonomicamente obsoleta.[1]

Descrição[editar | editar código-fonte]

A. siro tem o corpo esbranquiçado a acinzentado, com patas e rostro rosados. Os machos medem entre 0,33 e 0,43 mm de comprimento, enquanto as fêmeas medem entre 0,36 e 0,66 mm, sendo um dos poucos ácaros que podem ser vistos a olho nu. Até à generalização da observação com microscópios e lupas na segunda metade do século XVII, era designado por tiroglifo e considerado o animal mais pequeno que existia, característica que o tornou notável.

Blaise Pascal consagra ao tiroglifo algumas das suas mais belas linhas, não hesitando em ver no minúsculo animal um reflexo inverso da infinitude do Universo (Pensées, Br. 72, Lafuma 199)[5] , Na mesma linha de pensamento escreveu mais tarde Nicolas Malebranche,[6] enquanto Jean de La Fontaine o evoca em várias fábulas[7] . A primeira descrição conhecida deste ácaro deve-se ao humanista provençal Nicolas-Claude Fabri de Peiresc (1580-1637).

Sendo o ácaro mais comum em alimentos, A. siro pode contaminar os produtos infestados com alérgenos e transferir microorganismos patogénicos. Os alimentos fortemente contaminados adquirem um cheiro adocicado enjoativo e um sabor que os torna impalatáveis. Quando alimentados com produtos infestados, os animais domésticos mostram apetite reduzido, diarreia, inflamação do intestino delgado e redução do crescimento.

A. siro é intencionalmente inoculado na superfície dos queijos do tipo Mimolette e Artison para melhorar o seu sabor e textura,[8] razão pela qual a espécie é por vezes referida como ácaro-do-queijo, designação que partilha com diversas outras espécies (tanto adjuvantes no fabrico de queijos específicos, como deletérias).

Notas

  1. a b International Rice Research Institute. IRRN. [S.l.]: IRRI, 1 January 1989. 39– pp. Visitado em 14 April 2010.
  2. J. A. Dunn, B. B. Thind, C. Danks & J. Chambers. (April 2008). "Rapid method for the detection of storage mites in cereals: feasibility of an ELISA based approach". Bulletin of Entomological Research 98 (2): 207–213. DOI:10.1017/S0007485308005634. PMID 18279566.
  3. L. M. I. Webster, R. H. Thomas & G. P. McCormack. (2004). "Molecular systematics of Acarus si s. lat., a complex of stored food pests". Molecular Phylogenetics and Evolution 32 (3): 817–822. DOI:10.1016/j.ympev.2004.04.005.
  4. Jerome Goddard. Physician's guide to arthropods of medical importance. [S.l.]: CRC Press, 30 March 2007. 248– pp. ISBN 978-0-8493-8539-1. Visitado em 14 April 2010.
  5. Qu'est-ce qu'un homme dans l'infini ? (...) Qu'un ciron, par exemple, lui offre dans la petitesse de son corps des parties incomparablement plus petites, des jambes avec des jointures, des veines dans ces jambes, du sang dans ces veines, des humeurs dans ce sang, des gouttes dans ces humeurs, des vapeurs dans ces gouttes. (Pensées, XXII Connaissance générale de l'homme)
  6. Em De la Recherche de la vérité, I, ch. 6, I, p. 55 sq. na edição da Pléiade
  7. La Besace, La Souris métamorphosée en fille.
  8. Melnyk, J.P.. (August 2010). "Identification of cheese mite species inoculated on Mimolette and Milbenkase cheese through cryogenic scanning electron microscopy". Journal of Dairy Science 93 (8): 3461–3468. DOI:10.3168/jds.2009-2937. PMID 20655414.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]