Acelino Popó Freitas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Acelino Freitas)
Ir para: navegação, pesquisa
Acelino Freitas
Acelino Freitas
Deputado Federal pela  Bahia
Mandato 1 de fevereiro de 2011
até a atualidade
Vida
Nascimento 21 de setembro de 1975 (38 anos)
Salvador, BA
Dados pessoais
Partido PRB

Acelino "Popó" Freitas (Salvador, 21 de setembro de 1975) é um ex-pugilista brasileiro, tetracampeão mundial em duas categorias diferentes de boxe. Atualmente é Deputado Federal pela Bahia.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Acelino Freitas nasceu numa família pobre, de um bairro da periferia da capital baiana, a Cidade Nova, localizado na região da Baixa de Quintas, filho de Niljalma Freitas e Zuleica. Recebeu da mãe o apelido com que tornou-se conhecido, Popó, em referência ao barulho que Acelino fazia quando mamava. Foi alfabetizado por uma vizinha de bairro Neuraci.

Seu pai era também pugilista, assim como três dos seus irmãos, dos quais Luís Cláudio foi quem mais o incentivou a também ingressar na profissão, o que fez já aos 14 anos de idade.

Até o primeiro título mundial, morava com os pais e irmãos naquele casebre, de 6,75 m², que tinha panos como divisórias.

Com dois casamentos, e filhos com três mulheres diferentes, o baiano enfrentou no segundo (com Eliana Guimarães, filha do empresário André Guimarães) uma fase bastante difícil, que refletiu negativamente nos seus resultados sobre os ringues (causando sua primeira derrota na carreira) - a reconciliação veio habilitá-lo a novamente disputar um título, e vencer.

É pai de Rafael, Igor, Iago, Gustavo, Juan e Acelino Popó.

Seus treinamentos básicos são feitos na cidade natal, onde construiu um ginásio, voltado para a preparação de novos talentos. Mas, antes de cada luta, vai para os Estados Unidos, onde as instalações e materiais são muito mais apropriados.

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Popó se lançou candidato a deputado federal pela Bahia nas eleições de 2010 pelo Partido Republicano Brasileiro (PRB).

Inicialmente, não foi eleito como deputado, ficando na primeira suplência. Mas, devido à indicação do deputado Mário Negromonte (PP-BA) para o Ministério das Cidades, Popó herdou a vaga e foi diplomado como deputado federal da Bahia.[1]

Em 21 de novembro de 2012, votou favoravelmente ao parecer pela admissibilidade à Proposta de Emenda à Constituição 37/11, conhecida por PEC da Impunidade, em reunião deliberativa da Comissão Especial.[2]

Carreira no boxe[editar | editar código-fonte]

Acelino Freitas Boxing pictogram.svg
Informações pessoais
Apelido Popó
Categoria Super-Pena e Peso-Leve
Nacionalidade  brasileiro
Data de nascimento 21 de setembro de 1975 (38 anos)
Cidade natal Bahia Salvador, (BA)
Estilo Ortodoxo
Cartel
Lutas 41
Vitórias 39
Vitórias por nocaute 33
Derrotas 2
Empates 0
Medalhas
Jogos Pan-Americanos
Prata Mar del Plata 1995 Peso leve

Popó teve uma carreira vitoriosa, iniciada profissionalmente em 1995, e conquistou 4 títulos mundiais.[24]. Mede 1,65 m e pesava cerca de 70kg.

Popó iniciou sua carreira com 14 anos como amador. Foi campeão Baiano aos 14, campeão Norte-Nordeste aos 15 e Campeão Brasileiro aos 17 anos. Em 1995, foi convocado para a seleção Brasileira que disputaria os Jogos Pan-Americanos de 1995, em Mar Del Plata. Com a conquista da medalha de prata no Pan, Popó passou a lutar no boxe profissional.

Encerrou a carreira de pugilista profissional em junho de 2012, após sua vitória sobre o brasileiro Michael Oliveira.

Começo como profissional[editar | editar código-fonte]

Popó fez sua primeira luta no dia 14 de julho de 1995, vencendo por nocaute aos 34 segundos do primeiro round. Na sua sexta luta, Popó foi campeão do Mundo Hispano pela WBC (Conselho Mundial de Boxe).

Conquistou o título latino da IBF (Federação Internacional de Boxe) ao derrotar o colombiano Arcelio Díaz no primeiro round. Na sua luta seguinte, já com um cartel de 9-0 (todas as vitórias por nocaute) e como campeão latino, Popó fez sua primeira luta fora do Brasil, na Costa Rica, também vencendo por nocaute. Em 1998 foi campeão brasileiro na categoria Super-leve. Em outubro de 1998 foi campeão do título NABO, titulo regional da WBO (Organização Mundial de Boxe), ao vencer o mexicano José Luis Montes por nocaute no primeiro round.

Em abril de 1999, defendeu o título NABO derrotando o mexicano Juan Ángel Macias por nocaute no oitavo round.

Primeiro título mundial[editar | editar código-fonte]

No dia 7 de agosto de 1999, com cartel de 20-0 (20 nocautes), Popó conquistaria seu primeiro título Mundial. A luta ocorreu na França contra o campeão, lutador do Cazaquistão, Anatoly Alexandrov, valendo o título Mundial Superpena da WBO.

Logo no começo da luta Popó tomou a iniciativa, procurando acertar alguma sequência que derrubasse o adversário. E ela veio com pouco mais de 1 minuto de luta com uma sequência seguida de um golpe de direita que levou o Campeão a Knockdown. O campeão se levantou, mas ja estava abalado pelo golpe de Popó que rapidamente voltou a golpear e derrubar denovo seu adversário que ficou inconsciente por 5 minutos.

Após a luta, Popó assinou contrato com a Showtime, e passou a ter suas lutas transmitidas para os Estados Unidos.

Defendendo o título[editar | editar código-fonte]

Da conquista do cinturão até janeiro de 2002 (data de sua luta de unificação), Popó defendeu seu título 6 vezes contra Anthony Martínez, Barry Jones, Javier Jauregui, Lemuel Nelson, Carlos Alberto Ramón Rios e Orlando Jesús Soto, vencendo todas por nocaute. Além de mais 3 lutas sem título em jogo contra Cláudio Victor Martinet (vencida por nocaute no terceiro round), Daniel Alicea (vencida por nocaute no primeiro round) e contra o ex-campeão mundial Alfred Kotey. Por decisão unânime, essa última luta quebrou o recorde de nocautes de Popó (até então Popó tinha vencido todas as suas 29 lutas por nocaute).

Popó Vs. Casamayor[editar | editar código-fonte]

Em 12 de janeiro de 2002, Freitas (30-0 na época) decidiu acertar uma luta de unificação de título dos Superpenas com o campeão mundial da WBA (Associação Mundial de Boxe) e campeão olímpico de boxe, Joel Casamayor (26-0 na época). Na disputa de unificação entre os 2 campeões invictos, um knockdown controverso e uma penalização para Casamayor por um golpe ilegal fizeram a diferença, e Popó venceu a dura luta por decisão unânime.

A luta começou com o brasileiro tomando a iniciativa e vencendo claramente os 3 primeiros rounds, mas no decorrer da luta o cubano equilibrou as ações e o que se viu foi uma das lutas mais disputadas do ano.

Em um confronto clássico de boxe entre o nocauteador Popó contra o boxer Casamayor, os papeis se inverteram e o cauteloso e inteligente Casamayor chegou a tomar a iniciativa em alguns rounds enquanto o agressivo Popó mostrou muita movimentação e variação de golpes.

Um golpe de Popó no 3º round, que acertou no ombro direito de Casamayor enquanto esse recuava, foi contado como knockdown pelo árbitro Joe Cortez e Casamayor sofreu uma penalização de 1 ponto por acertar Popó enquanto o juiz os separava de um clinch. Essa foi a diferença na contagens final no scorecards dos juízes. Anel Robert Byrd, Bill Graham e Dave Moretti deram pontuações idênticas de 114 a 112 para o brasileiro.

Popó era então bicampeão mundial superpena por 2 organizações: WBA e WBO.

Seguindo a grande vitória sobre Casamayor, Popó derrotou o invicto e número 1 do ranking da WBO, Daniel Attah, defendendo seu cinturão. Em seguida, venceu o mexicano Juan Carlos Ramírez por nocaute, defendendo seus 2 cinturões.

Popó Vs. Barrios[editar | editar código-fonte]

Em 9 de agosto de 2003, Popó fez uma das lutas mais memoráveis de sua carreira contra o argentino Jorge Rodrigo Barrios. Barrios tinha um cartel de 39-1-1 e era praticamente invicto já que sua única derrota havia sido por desqualificação. Estavam em jogo seus dois cinturões de Superpena da WBA e WBO.

Popó começou a luta muito bem e vencia tranquilamente a luta até o oitavo round, quando foi pego por um golpe do argentino que o derrubou. A partir daí, a luta tomou outro rumo, com Barrios tomando a iniciativa e procurando nocautear Popó.

No décimo primeiro round, um direto de Barrios levou Popó a knockdown. Popó cuspiu seu protetor bucal para ganhar tempo após a contagem do árbitro. Até o final do round, Barrios tentou de todas as formas nocautear Popó que se defendia. Porém no final do round, bem ao soar do gongo, Popó acertou um direto que levou Barrios a um knockdown que é lembrado até hoje pelos que viram a luta.

A luta recomeçou no round 12 com Popó determinado a decidir a luta e derrubando Barrios mais uma vez. O argentino se levantou, mas uma nova combinação do brasileiro fez Barrios cair de novo e o juiz interromper a luta, dando vitória ao brasileiro.

Popó conseguia então o título de supercampeão Superpena da WBO, uma honraria que é concedida para lutadores que defendem seu cinturão por 10 vezes.

Popó Vs. Grigorian[editar | editar código-fonte]

Após anos defendendo seus títulos de Superpena, Popó (34-0 na época), dia 3 de janeiro de 2004, voltaria a categoria Peso leve e desafiaria o supercampeão da WBO, o lutador do Uzbequistão [:en:Artur Grigorian|Artur Grigorian] (36-0 na época). Artur era invicto, campeão desde 1996 e já havia defendido seu título por 16 vezes.

Em uma luta que se esperava ser muito disputada, Popó pareceu não sentir a readaptação ao peso novo e em uma atuação incrível, derrubando o adversário no quarto round e mais 3 vezes (os outros 3 knockdowns contados foram questionáveis), dominou o campeão a luta toda, vencendo por uma merecida decisão unânime (115-108, 116-107 e 116-107).

Popó se tornava campeão mundial pela terceira vez. Sustentando 2 títulos mundiais de Superpena (WBA e WBO) e agora como campeão mundial Peso Leve pela WBO.

Logo após sua vitória, Popó foi considerado o Lutador do ano de 2003 pela WBA.

Primeira derrota: Popó vs. Corrales[editar | editar código-fonte]

Popó (35-0) sofreu sua primeira derrota na dia 7 de agosto de 2004, na primeira defesa do seu título dos Peso pena contra o Americano Diego Corrales (38-2 na época).

Após dominar claramente os 7 primeiros rounds, Popó aparentemente cansado foi pego por um Cruzado do Americano que o levou ao chão.

No nono round, quando tentava se recuperar do oitavo, ao tentar uma sequência na linha de cintura, tomou um contra golpe que novamente o fez cair, ao cuspir o protetor bucal, o arbitro penaliza Popó tirando um ponto. mesmo assim na contagem dos arbitros, e com a penalização sofrida, a contagem ate o nono round estava disputada ( Terry Price 86-83 Corrales, Franklin Mcneil 85-83 Freitas, Greg leon 86-84 Corrales).

No começo do décimo round, Popó sofre novo Knockdown e após se levantar opta por abandonar o combate.

Além de perder a invencibilidade, Popó perdia seu cinturão da categoria Peso Leve da WBO.

Após a derrota[editar | editar código-fonte]

Depois de sofrer sua primeira derrota, Popó fez 2 lutas no brasil. vencendo o Argentino David Saucedo por pontos em Dezembro de 2004, e depois derrotando Fabian Salazar, do Panamá por nocaute no primeiro round em Julho de 2005.

Popó Vs. Zahir Raheem[editar | editar código-fonte]

Am Abril de 2006, Popó(37-1 na época) reconquistaria seu título mundial dos Pesos Leves pela WBO que estava vago. Em luta contra o americano Zahir Raheem ( 27-1 na época). Raheem vinha de uma vitória incrivel sobre a lenda mexicana Erik Morales.

A luta desde o seu começo foi muito equilibrada, cheia de movimentação com os 2 lutadores em ótima forma. Durante os 12 rounds, popó e Raheem trocaram jabs e combinações em um ritmo incrivel.

Ao final da luta o brasileiro venceu em decisão dividida dos juizes ( 115-113 Raheem, 115-113 freitas, 116-112 Freitas )

Popó conquistava pela quarta vez um título mundial, e reconquistava seu título de Peso leve da WBO.

Após a conquista, Popó anunciou sua aposentadoria. Pouco tempo depois, Popó anunciou que voltaria a lutar.

Segunda derrota: Popó Vs. Diaz[editar | editar código-fonte]

EM 28 de Abril de 2007, Popó sofre sua segunda derrota em luta de unificação de títulos da categoria Peso Leve. Popó ( 38-1 na época ) campeão peso leve da WBO, enfrentou Juan Diaz ( 31-0 na época ) campeão mundial peso leve da WBA.

Popó começou a luta dominando os primeiros rounds mas logo Diaz começou a fazer prevalecer sua força ( Diaz tinha 23 anos, enquanto Popó tinha 31. ).

No quinto round Diaz conectou boa sequência que quase levou o Brasileiro a Knockdown.

No fim do oitavo round, depois de receber muitos golpes, Popó decide no corner pouco antes do começo do nono assalto abandonar a luta. Diaz se torna campeão unificado Peso leve da WBA e WBO.

Após essa luta, Popó anuncia sua aposentadoria.

O retorno[editar | editar código-fonte]

Depois de se aposentar, Popó se tornou Deputado Federal pela Bahia. Em 2011, decide fazer uma luta de exibição para seu filho mais novo que nunca o tinha visto lutar. Popó começa a treinar para uma luta de exibição que marcaria sua despedida definitiva do esporte.

Popó então recebe um desafio do jovem lutador Brasileiro Michael Oliveira (17-0) para uma luta. Após negociações, ficou definido que o combate seria no dia 2 de Junho no Conrad Casino em Punta del Este, Uruguai.

Após muita promoção e rivalidade criada entre os 2 lutadores, Popó nocauteou Michael em uma luta dominada do começo ao fim. Popó começou a luta tomando a iniciativa e acertando bons golpes no primeiro round. Michael respondeu no segundo round com um gancho de esquerda que fez Popó recuar, mas no final do terceiro round, Popó acertou ótimos golpes levando Michael ao primeiro Knockdown da luta. Dai em diante, o que se viu foi um passeio do ex-campeão que ao contrario do que se pensava, não cansou e se movimentou muito com combinações e esquiva em dia, evitando todas as investidas de Michael.

No Nono round, depois de muito castigo, Michael foi a Knockdown mais 2 vezes, e o arbitro deu aquela que seria a ultima luta de Popó por encerrada por nocaute tecnico no nono round.

Dias após a luta, Michael lançou mais um desafio, desta vez para uma revanche no Brasil e Popó aceitou. Em função da aposentadoria, esse luta não acontecerá.

Cartel[editar | editar código-fonte]

41 lutas - 39 vitórias (33 nocautes, 6 decisões por pontos) e 2 derrotas (2 nocautes)
Resultado Data Local Adversário Tipo Assaltos (total) / Tempo Observações
Vitória 14 de julho de 1995 Brasil Salvador-BA Brasil Adriano José Soares KO 1
Vitória 14 de agosto de 1995 Brasil Salvador-BA Brasil Valdevino Monteiro KO 1 (4)
Vitória 18 de setembro de 1995 Brasil Salvador-BA Brasil Manoel Oliveira da Cruz KO 2
Vitória 14 de novembro de 1995 Brasil Salvador-BA Brasil Marco de Lima TKO 3
Vitória 2 de abril de 1996 Brasil Salvador-BA Paraguai Ralph Riveros TKO 2 (6)
Vitória 16 de agosto de 1996 Brasil Salvador-BA Brasil Gutemberg Ferreira TKO 2 (12) Campeão da WBC Mundo Hispano de peso leve
Vitória 1º de fevereiro de 1997 Brasil Salvador-BA Brasil Hamilton Cerqueira KO 4
Vitória 18 de março de 1997 Brasil Salvador-BA Brasil Antônio Maria do Nascimento KO 2
Vitória 22 de abril de 1997 Brasil Salvador-BA Colômbia Arcelio Diaz TKO 1 (12) Campeão da IBF Latino de peso leve
Vitória 10 de maio de 1997 Costa Rica San José Estados Unidos Johnny Montantes TKO 1 (8), 2:39
Vitória 27 de junho de 1997 Estados Unidos Miami
(Mahi Shrine Temple)
Panamá Hilario Guzman TKO 8 (10), 1:57
Vitória 2 de setembro de 1997 Estados Unidos Baton Rouge
(Belle Casino)
Porto Rico Edwin Vazquez TKO 7 (12)
Vitória 19 de novembro de 1997 Brasil Salvador-BA Argentina Gustavo Rodolfo Sayaavedra KO 1
Vitória 29 de maio de 1998 Brasil Salvador-BA Brasil Rildo José de Oliveira TKO 1 (12) Campeão Brasileiro de peso leve
Vitória 8 de junho de 1998 Estados Unidos Anaheim
(Arrowhead Pond)
México Rafael Olvera KO 3 (10), 1:58
Vitória 14 de agosto de 1998 México Mexicali
(Auditorio del Estado)
Porto Rico Juan Gutiérrez TKO 1
Vitória 15 de setembro de 1998 Brasil São Paulo-SP
(Ginásio Baby Barioni)
Brasil Francisco Thomas da Cruz TKO 2 (12) Manteve o cinturão de Campeão Brasileiro de peso leve
Vitória 16 de outubro de 1998 México Tijuana
(Teatro Mutualista)
México Jose Luis Montes TKO 1 (12) Campeão da WBO NABO de peso superpena
Vitória 19 de dezembro de 1998 Reino Unido Liverpool
(Everton Park Sports Centre)
Reino Unido Peter Buckley TKO 4
Vitória 2 de abril de 1999 México Tijuana
(Grand Hotel)
México Juan Angel Macias TKO 8 (12) Manteve o cinturão da WBO NABO de peso superpena
Vitória 7 de agosto de 1999 França Le Cannet
(La Palestre)
Cazaquistão Anatoly Alexandrov[3] KO 1 (12), 1:41 Campeão da WBO de peso superpena. Alexandrov permaneceu inconsciente durante 5 minutos.
Vitória 26 de outubro de 1999 Brasil Salvador-BA
(Estádio da Fonte Nova)
Nicarágua Anthony Martinez[4] TKO 2 (12), 1:20 Manteve o cinturão da WBO de peso superpena
Vitória 18 de dezembro de 1999 Brasil Salvador-BA
(Estádio da Fonte Nova)
Argentina Claudio Victor Martinet[5] KO 3 (10)
Vitória 15 de janeiro de 2000 Reino Unido Doncaster
(Doncaster Dome)
Reino Unido Barry Jones[6] TKO 8 (12), 0:50 Manteve o cinturão da WBO de peso superpena
Vitória 18 de março de 2000 Brasil São Paulo-SP
(Credicard Hall)
México Javier Jauregui[7] KO 1 (12), 1:25 Manteve o cinturão da WBO de peso superpena
Vitória 10 de junho de 2000 Estados Unidos Detroit
(Fox Theater)
Estados Unidos Lemuel Nelson[8] TKO 2 (12), 2:59 Manteve o cinturão da WBO de peso superpena
Vitória 23 de setembro de 2000 Canadá Rama
(Casino Rama)
Argentina Carlos Alberto Ramón Rios[9] TKO 9 (12), 1:18 Manteve o cinturão da WBO de peso superpena
Vitória 16 de dezembro de 2000 Reino Unido Sheffield
(Sheffield Arena)
Porto Rico Daniel Alicea[10] TKO 1 (10), 1:01
Vitória 27 de janeiro de 2001 Brasil Brasília-DF
(Ginásio Nilson Nelson)
Panamá Orlando Soto[11] KO 1 (12), 2:13 Manteve o cinturão da WBO de peso superpena
Vitória 29 de setembro de 2001 Estados Unidos Miami
(Miccosukee Resort & Gaming)
Gana Alfred Kotey[12] Decisão por pontos
(unânime)
10 (10)
Vitória 12 de janeiro de 2002 Estados Unidos Las Vegas
(Cox Pavilion)
Cuba Joel Casamayor[13] Decisão por pontos
(unânime)
12 (12) Campeão da WBA de peso superpena. Manteve o cinturão da WBO de peso superpena
Vitória 3 de agosto de 2002 Estados Unidos Phoenix
(Dodge Theater)
Nigéria Daniel Attah[14] Decisão por pontos
(unânime)
12 (12) Manteve os cinturões da WBA e WBO de peso superpena
Vitória 15 de março de 2003 Estados Unidos Chicago
(UIC Pavilion)
México Juan Carlos Ramirez[15] TKO 4 (12), 0:19 Manteve os cinturões da WBA e WBO de peso superpena
Vitória 9 de agosto de 2003 Estados Unidos Miami
(Miami Arena)
Argentina Jorge Rodrigo Barrios[16] TKO 12 (12), 0:50 Manteve os cinturões da WBA e WBO de peso superpena, os quais ficaram vagos após esta luta. Com a décima defesa de cinturão, recebeu o título de "supercampeão" da Organização Mundial de Boxe[17]
Vitória 3 de janeiro de 2004 Estados Unidos Mashantucket
(Foxwoods Resort)
Uzbequistão Artur Grigorian[18] Decisão por pontos
(unânime)
12 (12) Campeão da WBO de peso leve
Derrota 7 de agosto de 2004 Estados Unidos Mashantucket
(Foxwoods Resort)
Estados Unidos Diego Corrales[19] TKO 10 (12), 1:24 Perdeu o cinturão da WBO de peso leve
Vitória 11 de dezembro de 2004 Brasil São Paulo-SP
(Ginásio do Ibirapuera)
Argentina Fernando David Saucedo[20] Decisão por pontos
(unânime)
10 (10)
Vitória 16 de julho de 2005 Brasil Salvador-BA
(Ginásio Antônio Balbino)
Panamá Fabian Salazar[21] KO 1 (10)
Vitória 29 de abril de 2006 Estados Unidos Mashantucket
(Foxwoods Resort)
Estados Unidos Zahir Raheem[22] Decisão por pontos
(dividido)
12 Campeão da WBO de peso leve (título vago)
Derrota 28 de abril de 2007 Estados Unidos Mashantucket
(Foxwoods Resort)
Estados Unidos Juan Díaz Desistência 9 (12)
Vitória 2 de junho de 2012 Uruguai Punta del Este
(Conrad Casino)
Brasil Michael Oliveira[23] TKO 9 (10) Segunda aposentadoria

Referências

  1. Popó herda vaga na Câmara após Negromonte ser confirmado como ministro. Folha.com (21 de dezembro de 2012).
  2. Relatório de Votação. Câmara dos Deputados (11 de abril de 2013.).
  3. Acelino Popó deixa russo na lona e ganha o título mundial JC Online, acessado em 14 de junho de 2009
  4. Triunfo em Salvador Época, acessado em 14 de junho de 2009
  5. Popó garante seu 23º nocaute A Notícia, acessado em 14 de junho de 2009
  6. Popó não esperava luta tão dura contra o galês JC Online, acessado em 13 de junho de 2009
  7. Popó busca agora a unificação dos títulos Gazeta On Line, acessado em 13 de junho de 2009
  8. Popó ganha nos EUA e mantém título mundial Diario de Pernambuco, acessado em 13 de junho de 2009
  9. Popó vence argentino e mantém cinturão dos superpenas Folha Online, acessado em 13 de junho de 2009
  10. Popó vence por nocaute e mantém título dos superpenas Diário de Cuiabá, acessado em 13 de junho de 2009
  11. Popó vence e agora quer a unificação de títulos Diário de Cuiabá, acessado em 13 de junho de 2009
  12. Popó vence por pontos pela primeira vez Terra, acessado em 13 de junho de 2009
  13. Popó unifica os títulos mundiais Babado, acessado em 13 de junho de 2009
  14. Popó derrota Attah e quer a tríplice coroa Época, acessado em 13 de junho de 2009
  15. Popó mantém cinturões JB Online, acessado em 13 de junho de 2009
  16. Popó mantém coroa ao nocautear Barrios no 12º round JB Online, acessado em 13 de junho de 2009
  17. Popó recebe cinturão de supercampeão da OMB Terra, acessado em 13 de junho de 2009
  18. Popó vence Grigorian e conquista mais um título mundial UOL Esporte, acessado em 13 de junho de 2009
  19. Popó cai 3 vezes, perde título e invencibilidade Terra, acessado em 13 de junho de 2009
  20. Popó derrota por pontos o argentino Saucedo UOL, acessado em 13 de junho de 2009
  21. Boxe: Popó nocauteia panamenho no primeiro rounde Yahoo! Esportes, acessado em 13 de junho de 2009
  22. Popó conquista mais um título e muda história do boxe no Brasil O Estado de S.Paulo, acessado em 13 de junho de 2009
  23. Popó nocauteia Michael Oliveira e se despede do boxe em grande estilo Sportv, acessado em 3 de junho de 2012

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Acelino Freitas


Precedido por
Anatoly Alexandrov
Campeão dos Super-Penas (WBO)
1999–2003
Sucedido por
Vago, preenchido por
Diego Corrales
Precedido por
Joel Casamayor
Campeão dos Super-Penas (WBA)
2002–2003
Sucedido por
Vago, preenchido por
Yodsanan Sor Nanthachai
Precedido por
Artur Grigorian
Campeão dos Pesos Leves (WBO)
2004
Sucedido por
Diego Corrales
Precedido por
Vago, preenchido por
Diego Corrales
Campeão dos Pesos Leves (WBO)
2006–2007
Sucedido por
Juan Diaz