Acre (Israel)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Acre
City of Acre, Israel (aerial view, 2005).jpg
O velho Acre visto de cima
Hebraico עַכּוֹ
Árabe عكّا
Governo Cidade
Distrito Norte
Coordenadas 32° 55′ N 35° 05′ E
População 46.000 (2007)
Jurisdição 13.533 dunams (13,533 km²)
Prefeito Shimon Lankry
Website www.akko.org.il
Pix.gif Cidade Antiga de Acre *
Welterbe.svg
Património Mundial da UNESCO

Accoharbour.jpg
Porto de Acre
País  Israel
Tipo Cultural
Critérios ii, iii, v
Referência 1042
Região** Ásia e Oceania
Coordenadas 32° 55′ N 35° 5′ E
Histórico de inscrição
Inscrição 2001  (25ª sessão)
* Nome como inscrito na lista do Património Mundial.
** Região, segundo a classificação pela UNESCO.

Acre (em hebraico: עַכּוֹ, transl. Akko; em árabe: عكّا, ʻAkkā),[1] é uma cidade de Israel, situada na região da Galileia, a norte da Baía de Haifa, na costa do Mediterrâneo localizada num promontório próximo do Monte Carmelo. Possui 45.000 habitantes.

História[editar | editar código-fonte]

Idade Antiga[editar | editar código-fonte]

Segundo Estrabão, o nome antigo da cidade era Ace, mas à sua época a cidade se chamava Ptolemais.[2]

Chamou-se Accho no Antigo Testamento e Ptolemais no Novo Testamento.

Idade Média[editar | editar código-fonte]

Khan al-Umdan.

A Cidade Antiga de Acre, um porto histórico rodeado por muralhas na Galileia, é povoada desde o periodo fenício. A actual cidade é caracteristicamente uma cidade fortificada datando dos séculos XVIII e XIX, com tipicos elementos urbanos como a cidadela, mesquitas, caravançarais e banhos. O que resta da cidade das cruzadas, datando de 1104 a 1291 permanece quase intacto, providenciado uma excepcional imagem do planejamento urbano e das estruturas da capital do Reino de Jerusalém.

Na época dos cruzados esta cidade foi uma antiga fortaleza e fez parte do reino de Jerusalém, tendo sido denominada São João de Acre. Também se escreve São João de Akko.

Em 1110 a cidade foi reconquistada pelos cruzados, sendo novamente invadida por Saladino em 1187, para voltar a ser ocupada por Ricardo Coração de Leão em 1191, que a entregou aos Cavaleiros de São João de Jerusalém.

Idade Contemporânea[editar | editar código-fonte]

A cidade fez parte do Mandato Britânico da Palestina após a Primeira Guerra Mundial, que usaram uma antiga fortaleza para prender e executar membros de vários grupos judeus clandestinos.[3] Em 4 de maio de 1947, a organização paramilitar sionista Irgun tentou resgatar vários destes presos; apesar de poucos haverem escapado, a operação teve um enorme efeito moral (o filme Exodus é baseado neste episódio).[3]

A cidade foi conquistada por Israel em 17 de maio de 1948, quando a maioria dos árabes fugiram.[3]

Geminações[editar | editar código-fonte]

Acre possui as seguintes cidades-gémeas:

Referências

  1. Outras grafias e nomes utilizados historicamente para a cidade incluem Accho, Acco e (ortografia Bahá'í) `Akká, ou, anteriormente, Aak, Ake, Akre, Akke, Ocina, Antiochia Ptolemais (em grego: Αντιόχεια της Πτολεμαΐδος), Antiochenes, Ptolemais Antiochenes, Ptolemais ou Ptolemaïs, Colonia Claudii Cæsaris e St.-Jean d'Acre ("São João de Acre").
  2. Estrabão, Geografia, Livro XVI, 2.25
  3. a b c Jewish Virtual Library, Acco [em linha]
Imagem: Cidade Antiga de Acre A Cidade de Acre (Israel) inclui o sítio Cidade Antiga de Acre, Património Mundial da UNESCO. Welterbe.svg
Ícone de esboço Este artigo sobre história israelense e judaica é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.