Adílson Ramos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Adilson Ramos
Adilson Ramos.
Adilson Ramos.
Informação geral
Nome completo Adilson Ramos de Ataíde
Nascimento 7 de Abril de 1945 (69 anos)
Origem Rio de Janeiro
País  Brasil
Gênero(s) Romântico, MPB
Instrumento(s) Voz e Acordeon
Período em atividade 1960 até os dias atuais.
Outras ocupações compositor e empresario
Gravadora(s) Sideral, RCA Victor, Polydor, Continental, Copacabana, Movie Play, Polydisc/Sony, RCA(BMG), Som Livre, RGE, Sony, Warner, Polymusic, Paradox.
Afiliação(ões) Os Cometas.
Página oficial www.adilsonramos.com.br

Adilson Ramos de Ataíde (Rio de Janeiro, 7 de abril de 1945) é um cantor e compositor brasileiro.

De estilo romântico, sempre apresentou boa vendagem de discos, atuando em shows em todo o Brasil.

Iniciando sua carreira de cantor e compositor antes da Jovem Guarda, inspirou-se no rock de Paul Anka e Neil Sedaka e nos brasileiros Cauby Peixoto e Orlando Dias. Antes de seguir carreira solo, fez parte do grupo Os Cometas.

Sucessos[editar | editar código-fonte]

Outras composições[editar | editar código-fonte]

Discografia[editar | editar código-fonte]

A discografia de Adilson Ramos é longa e diversa, com 16 LPs, mais de 20 CDs e 2 DVDs.[2]

  • Seu primeiro disco, Olga, foi gravado em 1960.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Após fazer os primeiros sucessos na MPB, afastou-se em 1967, retornando em 1972 para, em 1977 gravar o disco que até hoje está no catálogo, com vários sucessos: Sonhar contigo, Sonhei com você, Duas flores, O relógio (versão de Nely B. Pinto da composição El reloj, de Roberto Cantoral), Tão somente uma vez (outra versão, de Solamente una viez), etc.

Em 1982, mudou-se para o Recife, onde reside até hoje.

Atualmente alterna sua atividade de cantor com a de industrial e comerciante.

Recordes de público[editar | editar código-fonte]

  • Em 1994 o show Anos dourados registrou um público de 45.000 pessoas.[3]
  • Em 1999, no Festival da Seresta, promovido pela Prefeitura do Recife, seu show foi visto por 52.000 pessoas.[4]
  • Em 2002, no Festival de inverno de Garanhuns, novamente arregimentou público de 52.000 pessoas.[carece de fontes?]
  • Em 2006 o Festival da Seresta", 12ª edição, foi visto por 45.000 pessoas [5]

Cidadão recifense[editar | editar código-fonte]

Adilson Ramos recebeu as condecorações de Cidadão Pernambucano[6] e Cidadão Recifense.[7]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]