Ad caeli Reginam

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Ad caeli Reginam (Rainha do Céu) É uma encíclica do Papa Pio XII, de 11 de outubro de 1954, sobre a Realeza de Maria e a instituição de sua festa.

A Tradição[editar | editar código-fonte]

Nesta encíclica o Sumo Pontífice recorda os documentos antigos da Igreja que expressam a dignidade régia de Maria. Recorda as palavras do Arcanjo Gabriel e as de sua prima Isabel, que se inclinou diante dela e a saudou como "Mãe do meu Senhor".

Lembra ainda Santo Efrém,no Hino de B. Maria, São Gregório Nazianzeno que a chama de Mãe do Rei de todo o universo", "Mãe virgem, que deu à luz o Rei do todo o mundo". Cita ainda São Jerônimo, Santo Epifânio, e Santo André Cretense que diz: Rainha de todo o gênero humano, porque, fiel à significação do seu nome, se encontra acima de tudo quanto não é Deus.

Menciona no mesmo sentido São Germano[desambiguação necessária], Santo Ildefonso de Toledo e São João Damasceno que a proclama rainha, protetora e senhora de todas as criaturas. São Martinho I, Papa do século VII, chamou de "gloriosa Senhora nossa, sempre virgem", e recorda ainda os escritos de Santo Agatão e do Papa Gregório II.

A Coração da Virgem Maria pela Santíssima Trindade, por Rubens

Pio XII cita o Papa Sisto IV que na Carta Apostólica Cum paeexcelsa a chama de rainha e o Papa Bento XIV no mesmo sentido na Carta Apostólica Gloriosae Dominae. E diz: Santo Afonso de Ligório, tendo presente todos os testemunhos dos séculos precedentes, pôde escrever com a maior devoção: "Porque a virgem Maria foi elevada até ser Mãe do Rei dos reis, com justa razão a distingue a Igreja com o título de Rainha"

Liturgia e Arte[editar | editar código-fonte]

O Papa recorda nesta parte que a liturgia antiga, desde os Padres da Igreja tanto no oriente como ocidente, sempre "cantou as glórias de Maria". Menciona a liturgia dos armênios, a liturgia bizantina, o Missal Etíope, o Breviário Romano e o "hino ad Laudes" da Festa da Assunção. A arte cristã desde o Concílio de Éfeso representa Maria como rainha e imperatriz.

Teologia[editar | editar código-fonte]

Emblem of the Papacy SE.svg

Série de artigos sobre
Mariologia católica
Murillo immaculate conception.jpg

Maria, mãe de Jesus
Devoção

HiperduliaImaculado CoraçãoSete AlegriasSete DoresTítulosSanto RosárioEscapulário do CarmoDireito Canônico

Orações marianas famosas

Ave MariaMagnificatAngelusInfinitas graças vos damosLembrai-vosSalve-rainha

Dogmas e Doutrinas

Mãe de DeusPérpetua VirgindadeImaculada ConceiçãoAssunçãoMãe da IgrejaMedianeiraCorredentoraRainha do Céu

Aparições
Crenças reconhecidas ou dignas de culto
GuadalupeMedalha Milagrosa
La SaletteLourdesFátimaCaravaggioProuille


Maria na arte


Doutrina da Igreja Católica

O principal argumento em que se funda a dignidade régia de Maria, afirma, é sem dúvida a maternidade divina. Segundo certa analogia, pode-se afirmar, diz, também que a bem-aventurada virgem Maria é rainha, não só porque é Mãe de Deus mas ainda porque, como nova Eva, foi associada ao novo Adão.

Afirma citando S. João Damasceno, S. Germano e São Sofrónio que é infinita a diferença entre os servos de Deus e a sua Mãe. A teologia se apoia ainda no Papa Pio IX, na Ineffabilis Deus, em Leão XIII na encíclica Adiutricem populi em que é dito que foi concedido à virgem Maria um poder "quase ilimitado" e, em Pio X que na encíclica Ad diem illum acrescenta que Maria desempenha missão de rainha "como por direito materno".

Adverte contra o risco de se cair nesta matéria em duplo erro. Evitar opiniões sem fundamento que ultrapassem com exageros os limites da verdade e evitar, de outro lado, a "excessiva estreiteza ao considerar a quase divina dignidade da Mãe de Deus".

Conclui pedindo que Maria interceda pelos perseguidos por causa da religião, a que chama de "Igreja do silêncio" e que a instituição da festa de "Maria, Rainha e Medianeira da paz" poderá contribuir para que se conserve, consolide e torne perene a paz dos povos.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligação externa[editar | editar código-fonte]