Adelaide de Hohenlohe-Langenburg

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Adelaide
Princesa de Schleswig-Holstein
Princesa de Hohenlohe-Langenburg
Princess Adelheid of Hohenlohe-Langenburg.jpg
Adelaide
Governo
Consorte Frederico VIII de Schleswig-Holstein
Vida
Nascimento 20 de Julho de 1835
Morte 25 de Janeiro de 1900 (64 anos)
Filhos Frederico de Schleswig-Holstein
Augusta Vitória de Schleswig-Holstein
Carolina Matilde de Schleswig-Holstein
Geraldo de Schleswig-Holstein
Ernesto Gunther de Schleswig-Holstein
Luísa de Schleswig-Holstein
Feodora de Schleswig-Holstein
Pai Ernesto I de Hohenlohe-Langenburg
Mãe Feodora de Leiningen

Adelaide de Hohenlohe-Langenburg (20 de julho de 1835 - 25 de janeiro de 1900) foi uma sobrinha da rainha Vitória do Reino Unido.

Família[editar | editar código-fonte]

Adelaide era a quinta filha do príncipe Ernesto I de Hohenlohe-Langenburg e da princesa Feodora de Leiningen. Os seus avós paternos eram o príncipe Carlos Luís I de Hohenlohe-Langenburg e a condessa Amália de Solms-Baruth. Os seus avós maternos eram Emich Carlos, 2° Príncipe de Leiningen e a princesa Vitória de Saxe-Coburgo-Saalfeld. Após a morte do seu avô materno, a sua avó voltou a casar-se, desta vez com o príncipe Eduardo, duque de Kent, filho do rei Jorge III do Reino Unido. Desta união nasceu a futura rainha Vitória do Reino Unido, sua tia, visto ser meia-irmã da sua mãe, o que a tornava muito próxima em parentesco da família real britânica.[1]

Proposta de casamento de Napoleão III[editar | editar código-fonte]

Em 1852, pouco depois de Napoleão III se tornar imperador de França, este fez uma proposta de casamento aos pais de Adelaide. Apesar de o imperador francês nunca a ter conhecido, as vantagens políticas de tal união eram óbvias. Iria dar importância dinástica à linha Bonaparte e facilitar uma boa aliança política com a Grã-Bretanha, visto que Adelaide era sobrinha da rainha Vitória, além do facto de não ser um membro oficial da família real britânica, o que facilitaria a aceitação do pedido. Adelaide apenas se teria de converter ao catolicismo.

No entanto, a proposta horrorizou a rainha Vitória e enfureceu o príncipe Alberto que preferia não conferir tanta legitimidade e de forma tão rápida ao mais recente regime "revolucionário" francês - cuja durabilidade parecia duvidosa - e muito menos oferecer uma parente sua tão jovem para esse propósito. A corte britânica manteve-se em silêncio para com o Hohenlohe durante as negociações de casamento, pelo que estes não sabiam se a rainha estava entusiasmada ou sentia repulsa pela ideia de ter Napoleão como marido da sua sobrinha.

No final os pais de Adelaide acabaram por interpretar o silêncio britânico como um sinal de que não gostavam da proposta dos franceses para tristeza da sua filha de dezasseis anos. A pausa nas negociações pode ter sido apenas uma manobra para que os Hohenlohe conseguissem outras ofertas de França para que pudessem assegurar um futuro desafogado para a filha, mas antes de os seus ministros conseguirem fazer mais propostas, Napoleão acabou por desistir da proposta. Em vez disso o imperador casou-se com Eugénia de Montijo a quem já tinha pedido para ser sua amante, mas que o tinha recusado.[2]

Casamento e descendência[editar | editar código-fonte]

No dia 11 de setembro de 1856 Adelaide casou-se com o duque Frederico VIII de Schleswig-Holstein. Tiveram sete filhos:

Referências

  1. Marlene A. Eilers, Queen Victoria's Descendants (Baltimore, Maryland: Genealogical Publishing Co., 1987), page 149
  2. Diesbach, Ghislain de (1967). Secrets of the Gotha. translated from the French by Margaret Crosland. London: Chapman & Hall. pp. 134–136.
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Adelaide de Hohenlohe-Langenburg