Adelmo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Santo Adelmo
Vitral mostrando Adelmo, instalado na abadia de Malmesbury em 1938
Bispo de Sherborne
Nascimento ca. 639 em Wessex
Morte 25 de maio de 709 (70 anos) em Doulting, Somerset
Veneração por Igreja Ortodoxa
Igreja Católica
Comunhão Anglicana
Principal templo Abadia de Malmesbury, atualmente destruída.
Festa litúrgica 25 de maio
Atribuições monge tocando harpa; ou bispo com folhas de freixo brotando do báculo
Padroeiro Malmesbury, Sherborne, músicos, compositores
Gloriole.svg Portal dos Santos

Adelmo ou Aldelmo (em inglês antigo: Ealdhelm) (Wessex, ca. 639 – Doulting, Somerset, 25 de maio de 709) foi um abade da abadia de Malmesbury, bispo de Sherborne, poeta em latim e estudioso da literatura em inglês antigo, nasceu antes de meados do século VII. Ele disse ter sido filho de Kenten, que era da casa real de Wessex.[1] Não era, com toda certeza, irmão do rei Ine, como antigamente alegado pelo biógrafo de Adelmo, Farício. Após sua morte, foi venerado como santo, seu dia de festa é o dia da sua morte, 25 de maio.

Juventude e educação[editar | editar código-fonte]

Adelmo recebeu sua primeira instrução na escola de um estudioso e monge irlandês, Máeldub (também Maildubh, Maildulf ou Meldun) (morreu aproximadamente em 675), que morava na fortaleza britânica de Bladon (ou Bladow) no local da cidade chamado Mailduberi, Maldubesburg, Meldunesburg, etc., e finalmente Malmesbury, anos após a sua morte.

Em 668, o Papa Vitaliano mandou Teodoro de Tarso para ocupar o cargo de Arcebispo da Cantuária. Ao mesmo tempo, o estudioso africano Adriano, tornou-se abade de Santo Agostinho, na Cantuária. Adelmo foi um dos seus discípulos,[1] pois se dirigia a ele como o "venerável preceptor da minha infância rude". Deve, no entanto, ter aproximadamente trinta anos de idade quando começou a estudar com Adriano. Seus estudos incluíam: direito romano, astronomia, astrologia, matemática e as dificuldades de calendário. Aprendeu, segundo declarações duvidosas, o grego e o hebraico. Certamente apresenta muitas palavras latinizadas do grego em suas obras.

Problemas de saúde o obrigaram a deixar a Cantuária, e retornou para a abadia de Malmesbury, onde foi monge sob a administração de Máeldub por catorze anos, iniciando provavelmente em 661, incluindo o período de seus estudos com Adriano.

Abade de Malmesbury[editar | editar código-fonte]

Quando Máeldub morreu, Adelmo foi nomeado em 675,[1] de acordo com uma carta de autenticidade duvidosa citada por Guilherme de Malmesbury, por Leuthere, Bispo de Winchester (671-676), para suceder na direção do mosteiro, do qual se tornou o primeiro abade.

Adelmo introduziu a Regra de São Bento, e garantiu o direito da eleição do abade para os monges. A comunidade em Malmesbury aumentou, e Adelmo fundou outros dois mosteiros como centros de aprendizagem, em Frome, Somerset e em Bradford on Avon, Wiltshire. A pequena igreja de São Lourenço, em Bradford on Avon é do seu tempo, e pode seguramente ser considerada sua construção. Em Malmesbury, Adelmo construiu uma nova igreja para substituir o edifício modesto da época de Máeldub, e obteve consideráveis doações de terras para o mosteiro.

Reputação contemporânea[editar | editar código-fonte]

Placa na parede da igreja católica de Santo Adelmo, em Malmesbury. A inscrição diz: 'Santo Adelmo 639–709, abade de Malmesbury e bispo de Sherborne, poeta em latim e escritor eclesiástico.'

Sua fama de erudito se espalhou para outros países. Artwil, filho de um rei irlandês, apresentou seus escritos para a aprovação de Adelmo, e Cellanus, um monge irlandês de Péronne, foi um dos seus correspondentes. Adelmo foi o primeiro anglo-saxão, que se conhece, a escrever versos em latim, e sua carta a Acircius (Aldfrith ou Eadfrith, rei da Nortúmbria) é um tratado sobre a métrica em latim para uso de seus compatriotas. Neste trabalho incluiu suas produções mais famosas, 101 enigmas em hexâmetros latinos. Cada um deles é um quadro completo, e um deles chega a ter 83 linhas.

Que o seu mérito como erudito era reconhecido em seu próprio país é demonstrado pelo elogio de Beda (Historia ecclesiastica gentis Anglorum 5.18), que fala dele como um prodígio de erudição. Sua fama chegou a Itália e, a pedido do Papa Sérgio I, fez uma visita a Roma, sobre a qual, contudo, não há registros em seus escritos existentes. Quando regressou, trouxe com ele privilégios para o seu mosteiro e um magnífico altar, e recebeu a ovação popular.

Controvérsia da Páscoa[editar | editar código-fonte]

Adelmo foi convocado para participar de um sínodo da Igreja em Wessex para protestar junto aos britânicos de Dumnônia (Devon e Cornualha) sobre a controvérsia da Páscoa. Os cristãos britânicos seguiam um exclusivo sistema de cálculo para a data da Páscoa e também tinham uma tonsura distinta; esses costumes estão geralmente associados com a prática conhecida como cristianismo céltico. Adelmo escreveu uma longa e muito áspera carta para o rei Geraint de Dumnônia (Geruntius) objetivando alcançar um acordo final com Roma.

Bispo de Sherborne[editar | editar código-fonte]

Em 705, ou talvez antes, Hædde, Bispo de Winchester, morreu, e a diocese foi dividida em duas partes.[2] Sherborne foi escolhida a nova sé, da qual Adelmo tornou-se seu primeiro bispo aproximadamente em 705.[3] Quis renunciar à abadia de Malmesbury, que administrou por trinta anos, porém, cedendo aos protestos dos monges, continuou a dirigi-la até sua morte. Era agora um homem velho, mas mostrou grande atividade em suas novas funções. A catedral que mandou construir em Sherborne, embora posteriormente substituída por uma igreja normanda, é descrita por Guilherme de Malmesbury. Na sua qualidade de bispo, exibiu uma grande energia. Isto incluiu a entrada em lugares públicos onde cantava hinos e passagens dos evangelhos, intercalados com algumas palhaçadas para chamar a atenção para sua mensagem.

Morte e veneração[editar | editar código-fonte]

Santo Adelmo apoiando uma harpa a seus pés, pelo escultor Jason Battle, Catedral de Salisbury, Wiltshire.

Adelmo morreu quando fazia suas rondas por sua diocese,[4] na igreja de Doulting, em 709.[3] Seu corpo foi levado para Malmesbury, e sepultado na igreja de São Miguel, abadia de Malmesbury.[5] Seus biógrafos relatam milagres ocorridos durante a sua vida e no seu santuário. O cabo em Dorset conhecido como Cabeça de Santo Albano (uma corruptela de "Cabeça de Santo Adelmo") recebe esse nome em sua honra.

Foi venerado como um santo depois de sua morte, com sua festa litúrgica sendo celebra em 25 de maio.[1] Suas relíquias foram transladadas em 980 por Dunstan, Arcebispo da Cantuária.[5] Foi homenageado com uma estátua na fachada ocidental da Catedral de Salisbury.

A bandeira de Santo Adelmo pode ser içada em sua celebração. A bandeira, uma cruz branca sobre fundo vermelho, é uma versão inversa da bandeira da Inglaterra de São Jorge[6]

Escritos[editar | editar código-fonte]

Adelmo escreveu em um elaborado, grandiloquente e muito difícil latim, que se tornou o estilo dominante por séculos, embora, posteriormente, veio a ser considerado bárbaro. Suas obras tornaram-se textos padrões nas escolas monásticas, até que sua influência diminuiu próximo à época da conquista normanda.

As obras reunidas de Adelmo foram editadas por Rudolf Ehwald, Aldhelmi opera (Berlim, 1919). Uma edição anterior por J.A. Giles, Patres eccl. Angl. (Oxford, 1844) foi reeditada por Jacques Paul Migne em sua Patrologiae Cursus, vol. 89 (1850).

Prosa[editar | editar código-fonte]

  • De Laude Virginitatis (a prosa De Virginitate), um tratado em latim sobre a virgindade dirigida às freiras do mosteiro duplo em Barking, é a obra mais conhecida de Adelmo. Depois de um longo prefácio exaltando os méritos da virgindade, comemora um grande número de santos e santas. Adelmo escreveu mais tarde uma versão mais curta, poética (veja abaixo).
  • Epistola ad Acircium (sive Liber de septenario, et de metris, aenigmatibus ac pedum regulis), dedicada ao rei Aldfrith da Nortúmbria (r. 685-704/5). A fonte principal de sua Epistola ad Acircium (ed. A. Mai, Class. Auct. vol. V) é Prisciano. A introdução acróstica dá a sentença, 'Aldhelmus cecinit millenis versibus odas,' se lida a partir das letras iniciais ou finais das linhas. Depois endereçada ao rei Aldfrith, a carta é composta por três tratados:
    • De septenario, tratado sobre o número sete, na aritmologia.
    • De metris, tratado sobre o metro, incluindo o Enigmata (ver abaixo).
    • De pedum regulis, tratado didático sobre o pé métrico, tais como iambos e espondeus.
  • Outras Cartas. As correspondências com o bispo Leuthere, Adriano da Cantuária, o rei Geraint de Dumnônia, Eahfrid, Cellanus, o Papa Sérgio I, e os alunos de Adelmo, Wihtfrith e Æthelwald, que foram responsáveis por parte de Carmen rhythmicum.
    • A carta ao rei Geraint de Dumnônia, foi supostamente destruída pelos britânicos (Guilherme de Malmesbury, Gesta Pontificum, p. 361), mas foi descoberta juntamente com outras de Adelmo na correspondência de São Bonifácio, arcebispo de Mainz.
    • Uma longa carta a Eahfrid, um estudioso recém-retornado da Irlanda (impresso pela primeira vez em Usher, Veterum Epistt. Hiber. Sylloge, 1632), manifestando a intenção de estreitar as relações entre os estudiosos ingleses e irlandeses

Poesia[editar | editar código-fonte]

  • Carmen de virginitate (o poético De Virginitate). Adelmo escreveu uma versão mais curta, poética da De Laude Virginitatis, que termina com uma batalha de virtudes contra os vícios, o De octo principalibus vitiis (impresso pela primeira vez por Delrio, Mainz, 1601). As duas obras são o que é às vezes chamado de opus geminatum ou "obra gêmea".
  • Carmen rhythmicum, poema rítmico que descreve uma viagem através do oeste da Inglaterra e a maneira com que uma igreja de madeira foi danificada por uma tempestade.
  • Carmina ecclesiastica (título moderno), isto é, uma série de tituli latino destinada para inscrição em uma igreja ou altar. São elas: (1) In Basilica Sanctorum Petri et Pauli, para uma igreja dedicada a São Pedro e São Paulo, possivelmente a igreja que Adelmo fundou em Malmesbury, (2) In Basilica Beatae Mariae Semper Virginis, para a igreja de Santa maria, possivelmente também em Malmesbury, (3) In Ecclesia Mariae a Bugge Extructa, para a igreja construída por Bugga, que é Edburga de Minster-in-Thanet, uma dama real da Casa de Wessex, (4) a tituli doze, conhecida coletivamente como In Duodecim Apostolorum Aris e (5) In sancti Matthiae Apostoli Ecclesia.
  • Enigmata, cem enigmas hexâmetros, incluídos na Epistola ad Acircium para fins de ilustração (ver acima).

Trabalhos perdidos[editar | editar código-fonte]

De acordo com Guilherme de Malmesbury, Adelmo também escreveu poesia em inglês antigo, e verteu suas próprias composições para a música, mas nenhuma de suas canções, que ainda eram populares na época de Alfredo, o Grande, chegaram até nossos dias. Encontrando seu povo desinteressado em ir à igreja, disse ter-se apresentado no final de uma ponte cantando canções em língua vernácula, assim reunindo uma multidão para ouvir exortações sobre assuntos sagrados.[7]

Notas

  1. a b c d Walsh A New Dictionary of Saints p. 21-22
  2. Cidade de Sherborne
  3. a b Fryde, et al. Handbook of British Chronology p. 222
  4. Aldhelm
  5. a b Blair "Handlist of Anglo-Saxon Saints" Local Saints and Local Churches p. 512
  6. A bandeira. Flying advice.
  7. Adelmo. The riddles of Aldhelm. New Haven: Yale University Press, 1925. 69 p.

Referências

  • Este artigo incorpora texto da Encyclopædia Britannica (11ª edição), publicação em domínio público.
  • Wikisource  "Aldhelm". Encyclopædia Britannica (11th). (1911). Cambridge University Press. 
  • Blair, John (2002). "A Handlist of Anglo-Saxon Saints". Local Saints and Local Churches in the Early Medieval West. Ed. Thacker, Aland and Sharpe, Richard. Oxford, UK: Oxford University Press. 495–565. ISBN 0-19-820394-2 
  • Fryde, E. B.; Greenway, D. E.; Porter, S.; Roy, I.. Handbook of British Chronology. Terceira revisada ed. Cambridge: Cambridge University Press, 1996. ISBN 0-521-56350-X
  • Frederick George Holweck. A Biographical Dictionary of the Saints. St. Louis, MO: B. Herder Book Co., 1924.
  • Lapidge, Michael. "The Career of Aldhelm." Anglo-Saxon England 36 (2007): 15–69.
  • Marenbon, John, "Les Sources du Vocabulaire d'Aldhelm" em Bulletin du Cange: Archivvm Latinitatis Medii Aevi MCMLXXVII- MCMLXXVIII. Tomo XLI. E.J.Brill, Leiden. 1979.
  • Orchard, Andy. The Poetic Art of Aldhelm. Cambridge University Press, 1994. ISBN 0-521-45090-X.
  • Walsh, Michael. A New Dictionary of Saints: East and West. Londres: Burns & Oates, 2007. ISBN 0-86012-438-X

Edições e traduções[editar | editar código-fonte]

  • Ehwald, Rudolf (ed.). Aldhelmi Opera. MGH Scriptores. Auctores antiquissimi 15. Berlin, 1919. disponível no Digital MGH.
  • Gwara, Scott (ed.), Aldhelmi Malmesbiriensis Prosa de virginitate: cum glosa latina atque anglosaxonica, 2 vols, Corpus Christianorum, Série Latina, 124, 124a (Turnhout: Brepols, 2001).
  • Aldhelm: The Poetic Works. Tradução Michael Lapidge e James L. Rosier. Boydell & Brewer, 1984. ISBN 0-85991-146-2.
  • Aldhelm: The Prose Works. Tradução Michael Lapidge e Michael Herren. D. S. Brewer, 1979. ISBN 0-85991-041-5.
  • The Riddles of Aldhelm. texto e tradução por James Hall Pittman. Yale University Press, 1925.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Títulos da Igreja Católica
Precedido por:
Diocese criada
Bispo de Sherborne
705–709
Sucedido por:
Forthhere


O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Adelmo