Adenoma de hipófise

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Adenoma de hipófise
Ressonância magnética apresentando macroadenoma de hipófise com extensão supra-selar comprimindo o quiasma óptico.
Classificação e recursos externos
CID-10 D35.2
CID-9 237.0
MedlinePlus 000704
eMedicine neuro/312
MeSH D010911
Star of life caution.svg Aviso médico

Adenoma de hipófise ou de pituitária é um tumor não-maligno que ocorre na hipófise. Os adenomas de hipófise são, geralmente, divididos em três categorias, dependendo de seu comportamento biológico: adenoma benigno, adenoma invasivo ou carcinoma. Na maioria dos casos trata-se de adenoma beningo e aproximadamente 35% correspondem a adenomas invasivos,[1] enquanto apenas de 0,1% a 0,2% são carcinomas.[2] [3] O tumor de pituitária representa de 10% a 25% de todas as neoplasias intracranianas[4] e a prevalência média na população em geral é de quase 17%.[5]

Os adenomas que excedem o tamanho de 10 mm são definidos como macroadenomas e aqueles inferiores a 10 mm são referidos como microadenomas. A maioria dos adenomas de hipófise é classificada como microadenoma e tem uma prevalência estimada em 16,7% (14,4% nos estudos em autópsias e 22,5% em estudos radiológicos).[5] [6] Grande parte dos microadenomas de hipófise frequentemente não é diagnosticada e aqueles que chegam a ser diagnosticados são caracterizados como um achado incidental.

A dura-máter, o crânio e o osso esfenoide podem ser invadidos pelos adenomas de hipófise em sua forma invasiva. Embora, anteriormente, tenha-se acreditado que os adenomas de pituitária clinicamente ativos fossem raros, estudos recentes têm sugerido que eles podem afetar aproximadamente uma pessoa em 1000, na população em geral.[7]

Anatomia e função[editar | editar código-fonte]

A glândula pituitária ou hipófise é chamada, frequentemente, de "glândula mestra" do corpo humano. Parte do eixo hipotálamo-hipófise, ela controla inúmeras funções endócrinas no organismo, através da liberação de vários hormônios no interior do sistema circulatório. A hipófise se localiza inferiormente ao cérebro, em uma depressão (fossa) do osso esfenoide conhecida como sela túrcica. Apesar de estar anatômica e funcionalmente conectada ao cérebro, a glândula pituitária é envolvida pela dura-máter e está fora da barreira hematoencefálica. Ela está separada do espaço subaracnóideo pelo diafragma da sela, logo a aracnoide e o fluido cerebroespinal não podem acessar a sela túrcica.

Anatomia da hipófise, localizada no interior da sela túrcica e dividida em dois lobos (anterior ou adenoipófise e posterior ou neuroipófise).

A hipófise é dividida em dois lobos, o lobo anterior, que compreende dois terços do volume da glândula, e o lobo posterior (um terço do volume), separados entre si pela pars intermedia.

O lobo posterior (lobo neural ou neuroipófise) da glândula pituitária não é, apesar do nome, uma glândula verdadeira. O lobo posterior contém axônios de neurônios que se estendem do hipotálamo, com o qual está conectado pelo talo hipofisário. Os hormônios vasopressina e ocitocina, produzidos pelos neurônios dos núcleos supraóptico e paraventricular do hipotálamo, são armazenados no lobo posterior e liberados nas terminações axônicas (dendritos) localizadas no lobo.

O lobo anterior da hipófise (adenoipófise) é uma glândula verdadeira que produz e secreta seis hormônios diferentes: o hormônio estimulador da tireoide (TSH), o hormônio adrenocorticotrópico (ACTH), o hormônio folículo estimulante (FSH), o hormônio luteinizante (LH), o hormônio do crescimento (GH) e a prolactina (PRL).

Classificação[editar | editar código-fonte]

Os adenomas de hipófise são classificados por critérios anatômicos, histológicos e funcionais.[8]

Anatomicamente, os tumores de hipófise são classificados por seu tamanho, baseado em imagens radiológicas, entre microadenomas (menor de 10 mm) ou macroadenomas (igual ou maior do que 10 mm), em quatro graus (I-IV):[9]

  • Estágio I: microadenomas (<1 cm), sem expansão selar.
  • Estágio II: macroadenomas (≥1 cm), podendo haver extensão selar.
  • Estágio III: macroadenomas, com alargamento e invasão do assoalho ou extensão supra-selar.
  • Estágio IV: destruição da sela.

A classificação histológica utiliza uma caracterização imunoistológica do tumor, com base em sua produção hormonal.[10] Historicamente, os adenomas eram classificados como basofílicos, acidofílicos ou cromófobos, com base na afinidade tintorial pelos corantes hematoxilina e eosina. Essa classificação caiu em desuso, em favor da classificação baseada em que tipo de hormônio o tumor secreta. Aproximadamente 20-25% dos adenomas não secreta nenhum hormônio ativo facilmente identificável (tumores não-funcionantes) e são, muitas vezes, ainda referidos como "cromófobos".

A classificação funcional é baseada na atividade endócrina dos tumores determinada pelos níveis séricos dos hormônicos, detectados por análise imuno-histoquímica.[11] O valor do "Percentual de casos secretantes" representa a fração de adenomas produtores de cada hormônio relacionado com cada tipo de tumor, comparado ao total de casos de tumores de hipófise e não diretamente relacionado à porcentagem de cada tipo de tumor, por causa das incidências maiores ou menores de ausência de secreção do hormônio esperado. Assim, adenomas não-secretores podem ser de células nulas ou adenomas mais específicos que, no entanto, continuam não-secretores.

Tipo de adenoma Secreção Afinidade tintorial Patologia Percentual de casos secretantes
adenomas lactotróficos (prolactinomas) secreta prolactina acidofílico galactorreia, hipogonadismo, amenorreia, infertilidade e impotência 30%[12]
adenomas somatotróficos secreta hormônio do crescimento (GH) acidofílico acromegalia (gigantismo) 15%[12]
adenomas corticotróficos secreta hormônio adrenocorticotrópico (ACTH) basofílico Doença de Cushing
adenomas gonadotróficos secreta hormônio luteinizante (LH), hormônio folículo estimulante (FSH) e suas subunidades basofílico geralmente não causa sintomas 10%[12]
adenomas tireotróficos (raro) secreta hormônio estimulador da tireoide (TSH) basofílico a cromófobo ocasionalmente, hipertiroidismo,[13] geralmente não causa sintomas Menos de 1%[12]
adenomas de células nulas não secreta hormônios podem corar positivamente para sinaptofisina 25% dos adenomas de pituitária são não-secretores[12]

Referências

  1. Scheithauer BW; Kovacs KT; Laws ER Jr; Randall RV. (Dezembro 1986). "Pathology of invasive pituitary tumors with special reference to functional classification". J Neurosurg 65 (6): 733-44. PMID 3095506. Visitado em 03-10-2012.
  2. Pernicone PJ; Scheithauer BW; Sebo TJ; Kovacs KT; Horvath E; Young WF Jr; Lloyd RV; Davis DH; Guthrie BL; Schoene WC. (Fevereiro 1997). "Pituitary carcinoma: a clinicopathologic study of 15 cases". Cancer 79 (4): 804-12. PMID 9024719.
  3. Ragel BT; Couldwell WT. (Abril 2004). "Pituitary carcinoma: a review of the literature". Neurosurg Focus 16 (4): E7. PMID 15191336.
  4. Asa SL; Ezzat S. (Dezembro 1998). "The cytogenesis and pathogenesis of pituitary adenomas". Endocr Rev 19 (6): 798-827. PMID 9861546. Visitado em 03-10-2012.
  5. a b Ezzat S; Asa SL; Couldwell WT; Barr CE; Dodge WE; Vance ML; McCutcheon IE. (Agosto 2004). "The prevalence of pituitary adenomas". Cancer 101 (3): 613-619. DOI:10.1002/cncr.20412. PMID 15274075. Visitado em 03-10-2012.
  6. Asa SL. (August 2008). "Practical pituitary pathology: what does the pathologist need to know?". Arch Pathol Lab Med 132 (8): 1231–40. PMID 18684022.
  7. Daly AF; Rixhon M; Adam C; Dempegioti A; Tichomirowa MA; Beckers A. (Dezembro 2006). "High prevalence of pituitary adenomas: a cross-sectional study in the province of Liege, Belgium". J Clin Endocrinol Metab 91 (12): 4769-75. PMID 16968795. Visitado em 03-10-2012.
  8. Ironside JW.; Best Practice No 172: pituitary gland pathology;J Clin Pathol. 2003 Aug;56(8):561-8. PMID 12890801
  9. Asa SL, Ezzat S. The cytogenesis and pathogenesis of pituitary adenomas. Endocr Rev. 1998 Dec;19(6):798-827. PMID 9861546
  10. Ironside JW. Best Practice No 172: pituitary gland pathology. J Clin Pathol. 2003 Aug;56(8):561-8. Best Practice No 172: pituitary gland pathology. PMID 12890801
  11. Scanarini M, Mingrino S. Functional classification of pituitary adenomas. Acta Neurochir (Wien). 1980;52(3-4):195-202. PMID: 7424602
  12. a b c d e page 526 in: Mandell, Brian F.; Stoller, James K.; Michota, Franklin A.. The Cleveland Clinic Foundation intensive review of internal medicine. Hagerstwon, MD: Lippincott Williams & Wilkins, 2009. ISBN 0-7817-9079-4
  13. Chanson P, Weintraub BD, Harris AG. (August 1993). "Octreotide therapy for thyroid-stimulating hormone-secreting pituitary adenomas. A follow-up of 52 patients". Ann. Intern. Med. 119 (3): 236–40. PMID 8323093.
Ícone de esboço Este artigo sobre Medicina é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.