Adolf Erman

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Adolf Erman
Nome completo Johann Peter Adolf Erman
Nascimento 31 de outubro de 1854
Berlim
Morte 26 de junho de 1937 (82 anos)
Berlim
Nacionalidade Alemanha alemão
Ocupação Egiptólogo, lexicógrafo

Johann Peter Adolf Erman ([ɛʀ'mɑ̃]; Berlim, 31 de outubro de 1854 - Berlim, 26 de junho de 1937) foi um egiptólogo e lexicógrafo alemão e fundador da Escola de Egiptologia de Berlim.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Adolf Erman nasceu em Berlim, filho de Georg Adolf Erman e neto de Paul Erman. Foi educado em Leipzig e Berlim, tornou-se professor extraordinário em 1883 e professor ordinário em 1892 de Egiptologia na Universidade de Berlim, e em 1885 foi nomeado diretor do departamento sobre o Egito do museu real.

Erman e sua escola em Berlim tiveram a difícil missão de recuperar a gramática da língua egípcia e passou trinta anos realizando um estudo especializado sobre ela. A maior parte dos textos egípcios, após o Império Médio, foi escrita no que era até então praticamente uma língua morta, tão morta como era o latim para os monges medievais na Itália, que escreveram e falaram essa língua. Erman selecionou, para uma pesquisa especial, aqueles textos que realmente representavam o crescimento da linguagem em diferentes períodos, e, como passou de uma época para outra, comparou e consolidou seus resultados.

A Neuägyptische Grammatik (1880) lidou com textos escritos no dialeto vulgar do Império Novo (Dinastias XVIII a XX). Seguiu-se após, na Zeitschrift für ägyptische Sprache und Alterthumskunde, estudos sobre as inscrições do Império Antigo de Una, e dos contratos do Império Médio de Assiut, bem como sobre um texto em copta antigo do século III. Neste ponto, um papiro de histórias escritas na linguagem popular do Império Médio forneceu a Erman o ponto de ligação entre o egípcio antigo e o egípcio tardio da Neuägyptische Grammatik, e deu as conexões que ligariam solidamente em conjunto toda a estrutura da gramática egípcia (ver Sprache des Papyrus Westcar, 1889). Os muitos textos arcaicos das pirâmides permitiram-lhe esboçar a gramática da forma mais antiga conhecida dos egípcios (Zeitschrift d. Deutsch. Morgenl. Gesellschaft, 1892), e em 1894 foi capaz de escrever um pequeno manual de egípcio para iniciantes (Ägyptische Grammatik, 4th ed., 1928), centrado na língua das inscrições padrões dos Impérios Médio e Novo, mas que acompanha o esquema principal, com referências a formas anteriores e posteriores.

Dentre os alunos de Erman estão: James Henry Breasted, o primeiro professor de Egiptologia dos Estados Unidos com suas numerosas obras, incluindo a sua History of Egypt from the Earliest Times Down to the Persian Conquest (1905), e Georg Steindorff autor da pequena Koptische Grammatik (1894, edição de 1904), que melhorando em muito o trabalho padrão de Stern em relação à Fonologia e a relação das formas copta com a egípcia, e Kurt Sethe, com seu Das Agyptische Verbum (1899). Esta última é uma extensa monografia sobre o verbo em copta e egípcio por um brilhante e laborioso filólogo. Devido à notação muito imperfeita dos sons na escrita, o tema de grande importância das formas das raízes verbais foi talvez o ramo mais obscuro da gramática egípcia quando Sethe pela primeira vez preocupou-se com ele em 1895. O assunto foi revisto por Erman, Die Flexion des Aegyptischen Verbums no Sitzungsberichte da Academia de Berlim, 1900. A escola de Berlim, depois de ter resolvido as principais linhas da gramática, voltou sua atenção para a Lexicografia. Ela desenvolveu um sistema, baseado naquele da Latin Thesaurus da Academia de Berlim, que classifica quase que mecanicamente, o número total de ocorrências de cada palavra em qualquer texto examinado. Em 1897, Erman, trabalhando em conjunto com Sethe, Hermann Grapow e outros colegas de todo o mundo, começou a catalogar todas as palavras de todos os textos egípcios conhecidos disponíveis. O resultado foi um conjunto de cerca de 1.500.000 fichas que formam a base para a obra-prima da lexicografia egípcia antiga, o famoso Wörterbuch der ägyptischen Sprache, cujo primeiros cinco volumes foram publicados entre 1926 e 1931. A edição completa deste dicionário gigantesco compreende um total de doze volumes.

A língua egípcia está certamente relacionada com a semita. Mesmo antes da triliteralidade do egípcio antigo ser reconhecida, Erman mostrou que o chamado pseudo-particípio tinha sido realmente no significado e na forma um preciso análogo do perfeito semita, embora o seu emprego original fosse quase obsoleto no tempo dos primeiros textos conhecidos. O triliteralismo é considerado a característica mais essencial e mais peculiar do semita.

Trabalhos[editar | editar código-fonte]

  • Life in Ancient Egypt, traduzido por H. M. Tirard (Londres, 1894; versão online no Internet Archive) (o original Agypten und agyptisches Leben rm, Altertum, 2 vols., foi publicado em 1885 em Tübingen)
  • Neuägyptische Grammatik (1880)
  • Sprache des Papyrus Westcar, 1889
  • Zeitschrift d. Deutsch. Morgeni. Gesellschaft, 1892
  • Egyptian grammar : with table of signs, bibliography, exercises for reading and glossar, 1894 (versão online no Internet Archive)
  • Agyptische Grammatik, 2ª ed., 1902
  • Die Flexion des ägyptischen Verbums no Sitzungsberichte
  • Die aegyptische Religion (Berlim, 1905);
  • Das Verhältnis d. ägyptischen zu d. semitischen Sprachen (Zeitschrift d. deutschen morgenl. Gesellschaft, 1892); Zimmern, Vergi. Gram., 1898;
  • Erman, Flexion d. Aegyptischen Verbums (Sitzungsberichte d. Ben. Akad., 1900).

Referências


O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Adolf Erman