Adolfo Lutz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Adolfo Lutz
Nascimento 18 de dezembro de 1855
Rio de Janeiro
Morte 6 de outubro de 1940 (84 anos)
Rio de Janeiro
Área medicina
Pesquisa medicina tropical, zoologia médica
1879-1940

Adolfo Lutz (Rio de Janeiro, 18 de dezembro de 1855 — Rio de Janeiro, 6 de outubro de 1940) foi um médico e cientista brasileiro, pai da medicina tropical e da zoologia médica no Brasil. Pioneiro na área de epidemiologia e na pesquisa de doenças infecciosas.[1]

Família[editar | editar código-fonte]

Era o terceiro filho homem dos suíços Gustav Lutz e Mathilde Oberteuffer. Os Lutz formavam uma das famílias mais tradicionais de Berna desde o século XVI, vinculada à corporação de ofício dos carpinteiros, com direito de votar e portar armas.[1] O avô de Adolfo Lutz, Friedrich Bernard Jacob Lutz, foi uma figura de destaque na história da medicina suíça, tendo chefiado o serviço médico do exército da Confederação Helvética por cerca de vinte anos.[2]

Os Lutz chegaram ao Rio de Janeiro no princípio de 1850, no auge da epidemia de febre amarela que causou milhares de mortes na capital brasileira, e aí nasceram quase todos os dez filhos do casal. Em 1857 os Lutz decidiram retornar a Berna, talvez motivados pela insalubridade do Rio, que, além de recorrentes surtos de febre amarela, fora atingido por devastadora epidemia de cólera em 1855.[1] Adolfo Lutz tinha dois anos quando foi conhecer a terra onde nasceram seus antepassados.

Foi casado com a inglesa Amy Fowler, de quem teve os filhos: Bertha Lutz, Guálter Adolfo Lutz e Laura Bertha Lutz, dois nascidos no Brasil e uma filha na Suíça.

Trajetória profissional[editar | editar código-fonte]

Adolfo Lutz (na grafia arcaica Adolpho) estudou medicina na Suíça, graduando-se em 1879 na Universidade de Berna. Depois de graduado, foi estudar técnicas de medicina experimental em vários centros médicos de Londres (Inglaterra - onde estudou com Joseph Lister, 1827-1921); Lípsia (Alemanha); Viena (Áustria); Praga (República Checa) e Paris (França - onde estudou com Louis Pasteur, 18221895).[2]

Retornou ao Brasil em 1881. Lutz inicialmente trabalha como clínico geral em Limeira (São Paulo) por seis anos. Desejando seguir em pesquisas médicas, ele retorna para Hamburgo (Alemanha), onde mais uma vez irá trabalhar com Paul Gerson Unna (1850-1929), especializando em doenças infecciosas e em medicina tropical. Com o aumento de sua fama, ele foi convidado para assumir o cargo de diretor do Hospital Kalihi no Havaí, onde fez sua pesquisa sobre hanseníase.[1] Depois disso, ele trabalhou por um período na Califórnia (Estados Unidos), antes de retornar para o Brasil em 1892, atendendo ao convite do governador de São Paulo para dirigir o Instituto de Bacteriologia (mais tarde, este instituto irá se chamar Instituto Adolfo Lutz em sua homenagem). A cidade de Santos (São Paulo) sofreu uma severa epidemia de peste bubônica, e Lutz foi trabalhar com outros dois jovens médicos brasileiros, Emílio Ribas e Vital Brazil. Lutz e Brazil tornaram-se amigos, sendo que este daria suporte às pesquisas pioneiras de Vital Brazil sobre antídotos para picadas de cobra, contribuindo decisivamente para a criação de outro instituto de pesquisa (Instituto Butantan) em São Paulo, totalmente devotado para essa linha de pesquisa.

Aedes aegypti

Lutz foi o primeiro cientista latino-americano a estudar e confirmar os mecanismos de transmissão da febre amarela pelo Aedes aegypti, uma espécie de mosquito que é um reservatório natural e vetor dessa doença.[2] Lutz foi o responsável pela identificação do blastomicose sul-americano. Sua dedicação à saúde pública fez com que lutasse e pesquisasse sobre várias epidemias de diversas regiões do Brasil, como a cólera, peste bubônica, febre tifóide, malária, ancilostomíase, esquistossomose e leishmaniose.[1]

Outras de suas maiores realizações foram seu pioneirismo sobre a Entomologia Médica e as propriedades terapêuticas das plantas Brasileiras. Como zoologista, ele descreveu várias novas espécies de anfíbios e insetos, como o Anopheles lutzii (uma espécie de mosquito).

Depois da aposentadoria em 1908, Dr. Adolfo Lutz mudou-se para a Cidade do Rio de Janeiro, onde trabalhou por mais 32 anos, até a morte em 6 de outubro de 1940, no Instituto Oswaldo Cruz.[2]

Principais publicações[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e Roseliane Saleme (04 de março de 2010). Adolpho Lutz (em português) InfoEscola. Visitado em 6 de outubro de 2012.
  2. a b c d Adolfo Lutz (em português) Klick Educação UOL - Educação. Visitado em 18 de dezembro de 2012.

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

  • Benchimol, J. L. "Adolfo Lutz: esboço biográfico". História, ciências, saúde - Manguinhos. 10,1(2003)13-83.
  • Benchimol, J. L. et al. "Adolfo Lutz e a história da medicina tropical no Brasil". História, ciências, saúde - Manguinhos. 10,1(2003)287-409.
  • Comissão do centenário de Adolfo Lutz. Adolfo Lutz: vida e obra do grande científico brasileiro. Rio de Janeiro: Conselho Nacional de Pesquisas, 1956..

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikipedia-pt-hist-cien-logo.png Portal de história da ciência. Os artigos sobre história da ciência, tecnologia e medicina.